Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Mas de 50 pessoas, representantes de vários elos da cadeia produtiva, participam do debate em Rio Verde (GO). | Reprodução/
Mas de 50 pessoas, representantes de vários elos da cadeia produtiva, participam do debate em Rio Verde (GO).| Foto: Reprodução/

Estratégia comercial e gestão financeira da atividade, principalmente dentro da porteira, serão variáveis determinantes ao desempenho do agronegócio brasileiro na próxima década. O assunto foi discutido nesta quinta-feira (28) em Rio Verde (GO) durante mais um seminário da Expedição Safra 2018/19. Mas de 50 pessoas, representantes de vários elos da cadeia produtiva, participaram do debate, que teve como anfitrião o Crea-GO, a partir de uma parceria entre Expedição Safra e Sistema Confea-Crea no Brasil.

Giovani Ferreira, coordenador da Expedição Safra, mostrou que a produção e exportação brasileira de grãos, em especial soja e milho, praticamente dobraram nos últimos 10 anos. Um desempenho espetacular, mas em um movimento pouco planejado e pouco sustentável. “Não vendemos. Fomos comprados”, avalia Ferreira, ao destacar as 84 milhões de toneladas de soja e 24 milhões de toneladas de milho exportadas pelo país em 2018.

Veja fotos do seminário Expedição Safra em Rio Verde (GO)

Para o analista, não é impossível, mas nos próximos 10 anos dificilmente o Brasil do agronegócio irá crescer no mesmo patamar da última década. “Será preciso não apenas ser o maior, mas ser o mais competitivo”, destacou Ferreira. Segundo ele, entre os fatores determinantes está não apenas o mercado para o aumento da produção, mas a estratégia que o Brasil vai adotar no comércio internacional. Um ambiente que passa, necessariamente, por diversificar os clientes externos e acessar novos mercados. E garantir melhor infraestrutura de armazenagem e logística ao escoamento da produção nacional.

Paulo Henrique Rodrigues Pedro, da Caixa Econômica Federal em Goiás, que falou de gestão financeira no agronegócio, trouxe uma preocupação ainda mais básica e que precisa de atenção. “O produtor rural, a produção rural, não pode mais ser apenas um CPF”, disse Paulo Henrique, lembrando que para ser eficiente também é preciso gerir riscos e resultados, avaliar custo-oportunidade de ativos e de capital.

O engenheiro civil Ricardo Veiga, vice-presidente do Crea-GO, inseriu na dinâmica do avanço do agronegócio o exercício profissional não apenas da agronomia como das demais engenharias representadas no Sistema Confea-Crea. O agronegócio é uma atividade transversal, que conversa com todas as engenharias. Segundo ele, a demanda é por profissionais mais completos, que não prestem apenas um serviço, mas que tragam soluções às necessidades do mercado e da sociedade.

O próximo seminário técnico da Expedição Safra será realizado dia 5 de abril em Londrina (PR), onde também ocorre o evento de encerramento do projeto no Brasil. Além de Rio Verde, foram realizados eventos no Paraguai, em Itapeva (SP) e Bom Jesus (PI). Em abril e maio a Expedição ainda cumpre etapas internacionais no Paraguai, Argentina, Uruguai e México.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]