Fábrica de biometano da Itaipu Binacional  abastece veículos da própria empresa. Ideia é que produtores rurais utilizem a tecnologia para produzir energia nas propriedades | Divulgação/Itaipu
Fábrica de biometano da Itaipu Binacional abastece veículos da própria empresa. Ideia é que produtores rurais utilizem a tecnologia para produzir energia nas propriedades| Foto: Divulgação/Itaipu

Após receber investimentos de R$ 2,16 milhões, entrou em funcionamento neste mês a primeira planta da Itaipu Binacional que realiza produção de biometano, com um diferencial: serão utilizados restos de alimentos, conteúdos de esgoto e até mesmo poda de grama.

Esse tipo de combustível é não poluente e tem com características similares às do gás natural. A produção será destinada aos veículos da empresa, que atualmente dispõe de 70 veículos abastecidos a partir do biometano.

Superintendente de Energias Renováveis de Itaipu, Paulo Afonso Schmidt informa que a produção atual é capaz de fornecer combustível para até 100 veículos com rodagem média de 800 quilômetros mês.

“Essa é uma usina de última geração em termos de produção de biogás. Serve para a gente desenvolver o domínio de tecnologias, de sistemas, coisas que nos permitam apoiar outras iniciativas na região”, afirmou Schmidt.

A fábrica foi construída entre 2015 e 2016 e está em funcionamento em caráter experimental. Mensalmente devem ser utilizadas 10 toneladas de restos de alimentos e resíduos orgânicos e 30 toneladas de poda de grama.

Biometano apoia produtor rural

O desenvolvimento dessa tecnologia deve apoiar o produtor rural na produção de carne, para que o alto volume de dejetos de animais seja aproveitado para a produção de biometano, segundo o superintendente.

A ideia é transformar a iniciativa em uma fonte de produção de energia em prefeituras e empresas, gerando renda extra aos produtores rurais e, de quebra, incentivar a produção de energia própria nas propriedades.

A nova fábrica também apoia a agricultura com a produção de biofertilizantes.

*Com informações da Agência Brasil

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]