Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Empresas poderão se inscrever para concorrer ao selo | Bigstock/Bigstock
Empresas poderão se inscrever para concorrer ao selo| Foto: Bigstock/Bigstock

A sabedoria popular, e o Direito, diz que todos devem ser presumidamente inocentes, até que haja prova em contrário. A nova campanha do Ministério da Agricultura parece inverter essa lógica, ao propor a entrega de um ‘selo de integridade’ para as empresas do agronegócio. Como se a regra geral fosse a não-conformidade, cabendo, portanto, premiar quem age dentro da legalidade.

O selo será lançado nesta terça-feira, 12, e tem como objetivo - segundo o Ministério da Agricultura - mitigar os prejuízos à imagem dos produtos brasileiros no exterior causados pelo escândalo da JBS e da Operação Carne Fraca.

O selo Agro + Integridade será lançado em cerimônia no Palácio do Planalto com a presença do presidente Michel Temer. Para ter direito à premiação, as empresas terão de apresentar documentos comprovando a adoção de programas internos de compliance, adoção de código de ética, canais de denúncia, compromissos com a sustentabilidade, certidões negativas em relação a dívidas com o poder público, passivos trabalhistas e infrações ambientais, entre outros.

Após a polêmica causada pela mudança nas regras de fiscalização do trabalho análogo à escravidão, a pedido de ruralistas, o governo vai proibir que empresas citadas na Lista Suja do Trabalho escravo recebam o selo. A ideia é abrir as inscrições para a premiação ainda em janeiro de 2018 e outorgar os primeiros selos em outubro, perto das eleições. “É um esforço conjunto do setor agrícola pela integridade. O selo vai ser um diferencial tanto para o mercado interno quanto internacional e muito em breve será uma exigência do mercado”, disse o secretário executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki.

Segundo ele, a ideia de lançar o selo é um complemento do processo de adoção de normas de compliance no próprio ministério e da necessidade de uma resposta concreta diante do escândalo da JBS e da Operação Carne Fraca, que levou alguns países a barrarem a importação de carne brasileira. “Tem a ver sim com a imagem do setor, principalmente, depois da Carne Fraca. Aquilo repercutiu no mundo inteiro e trouxe a necessidade de dar mais transparência ao setor”, disse Novacki.

A ideia, explicou o secretário, foi concebida com a participação das empresas do setor. A premiação terá validade de um ano e poderá ser renovada e usada na publicidade dos premiados.

O presidente da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), Jorge Espanha, diz que a iniciativa do governo é bem-vinda – desde que realmente incentive boas práticas de produção, responsabilidade social e sustentabilidade das empresas. “Se você procurar no Google, verá que a Austrália associa sua imagem ao de maior produtor e exportador de carne ovina, enquanto os Estados Unidos aparecem muito centrados na produção de grãos e carnes, tudo ligado a mensagens positivas. A marca ‘Brasil Agro’ ainda não é trabalhada da mesma forma que outros países valorizam sua agricultura”, diz Espanha. “A palavra integridade tem uma conotação um pouco delicada”, acrescenta, “mas não vejo como uma iniciativa negativa”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]