A previsão de fortes chuvas e atraso na colheita de grãos ao Sul da principal região produtora dos Estados Unidos devolveu à soja ganhos expressivos na Bolsa de Chicago, após um período de quedas. As cotações futuras da commodity iniciaram a semana com o pé direito e quase 3% de alta.

O impulso está relacionado principalmente ao clima no chamado Corn Belt, cinturão de produção de grãos norte-americano, que deve receber grande volume de chuvas nos próximos dias. Também há previsão de queda acentuada nas temperaturas. Há risco de inundações em alguns estados. Ao Sul de Missouri, Kansas, Indiana e Ohio a tendência é que as precipitações acumuladas cheguem a mais de 70 milímetros em dez dias. Em outras partes do Meio-Oeste dos Estados Unidos também chove, de 16 milímetros a 45 milímetros. Além disso, há previsão de queda nas temperaturas.

Diante da possibilidade de comprometimento do potencial produtivo de algumas lavouras, o mercado precificou eventuais problemas ou redução na estimativa de safra do maior produtor global de grãos. Na próxima sexta-feira (10), o Departamento de Agricultura do país, o Usda, divulga novas projeções para oferta e demanda mundial.

ConfirmaçãoNo final da tarde desta segunda-feira (06), o Usda confirmou o que os investidores esperavam. Os trabalhos de retirada de soja e milho dos campos norte-americanos estão bastante atrasados em relação à média para esta época do ano. De acordo com o órgão, 20% da área ocupada pela oleaginosa foram colhidos até o momento, contra uma média histórica de 35%.

A colheita de milho também segue atrás do registrado em anos anteriores. O índice atual está em 17% da área total cultivada, ante 32% apontados na média de cinco anos. Porém, houve melhora nas condições das lavouras na última semana. O porcentual que revela tamanho da área de soja em excelentes condições subiu para 20%, contra 19% indicados na semana passada.  Mesma evolução ocorre no quadro do milho, que tem 24% do território em estado excepcional de desenvolvimento.

Clique aqui e confira o comportamento das cotações das principais commodities agrícolas negociadas na Bolsa de Chicago.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]