Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O diretor executivo Werner Baumann e outros líderes da Bayer orquestraram a aquisição por US $ 63 bilhões da gigante norte-americana Monsanto. | Krisztian Bocsi/Bloomberg
O diretor executivo Werner Baumann e outros líderes da Bayer orquestraram a aquisição por US $ 63 bilhões da gigante norte-americana Monsanto.| Foto: Krisztian Bocsi/Bloomberg

A diretoria da multinacional Bayer enfrenta uma oposição interna cada vez maior, às vésperas de sua reunião anual, que deve ser uma das mais controversas dos últimos anos. Isso porque acionistas influentes estão culpando a administração da empresa por não ter previsto os riscos do maior negócio já feito: a compra da Monsanto.

Um número crescente de acionistas diz que não apoiará executivos e membros do conselho de administração em uma espécie de “voto de não confiança” na reunião anual, que ocorre na próxima sexta-feira (26) em Bonn, na Alemanha. Embora o voto não tenha peso legal, um índice de aprovação baixo seria suficiente para colocar na berlinda o diretor executivo Werner Baumann e outros líderes que orquestraram a aquisição da gigante norte-americana de agricultura por US $ 63 bilhões.

A compra da Monsanto deveria garantir a posição da Bayer no mercado de biotecnologia que está se consolidando rapidamente e dissuadir as forças externas de tentar separar a empresa, que vende de tudo, de aspirina, passando por remédios para o câncer e palmilhas até sementes de soja. Em vez disso, ações judiciais ligadas ao controverso agroquímico Roundup, da Monsanto, provocaram a maior e mais rápida perda de valor na história do índice DAX da Alemanha.

“Com toda a certeza, não podemos eximir de culpa a administração se tantos valores dos acionistas foram perdidos”, disse Ingo Speich, diretor de Sustentabilidade e Governança Corporativa da Deka Investment, um dos 10 maiores acionistas da Bayer. A Deka votará contra o despejo da diretoria quanto do comitê supervisor da Bayer por suas ações no ano passado, segundo Speich.

Um índice de aprovação abaixo de 80% seria “prejudicial à reputação” da administração da Bayer, conforme disse Speich. “Se você tem 20% dos acionistas contra você, isso já é muito”, completou. A Bayer perdeu 38% do valor das suas ações desde que fechou o acordo com a Monsanto em junho, um prejuízo cerca de 35 bilhões de euros no valor de mercado.

O maior acionista da Bayer, a BlackRock, pretende se abster da votação, segundo uma pessoa familiarizada com o plano, que pediu para não ser identificada, porque as discussões não são públicas. O gestor do fundo, que controla 6,4% das ações da Bayer, não quis comentar. Segundo outras fontes, o gestor de ativos do Deutsche Bank, DWS, outro grande acionista da Bayer, também planeja se abster de votar na aprovação da diretoria. A DWS também se recusou a comentar.

Para ajudar a reunir votos a seu favor, a Bayer está trabalhando com seu consultor habitual, a D.F. King & Co.. A Bayer se recusou a comentar sobre os votos dos acionistas individuais ou sobre seus conselheiros. Um representante da D.F. King não retornou as ligações para falar sobre a situação.

Em defesa do Roundup

A empresa, no entanto, defendeu o negócio com a Monsanto, dizendo que seus executivos revisaram diligentemente os riscos associados ao Roundup e que não há provas científicas de que o principal ingrediente do herbicida, o glifosato, causa câncer.

A Deka e outros acionistas de alto escalão não pediram a substituição do CEO Baumann, um dos principais arquitetos da transação com a Monsanto. Com a empresa enfrentando desafios em várias frentes além do contencioso da Roundup, um novo líder de fora da gigante alemã precisaria de muito tempo para se orientar, conforme disse Speich.

HENRY MILLEO/HENRY MILLEO

A associação de acionistas alemã DSW, que aconselha pequenos investidores, pediu que a votação de sexta-feira seja adiada. A decisão de liberar a gerência agora “forçaria as relações” entre a empresa e os acionistas, segundo a associação. Os detentores menores, incluindo o Sistema de Aposentadoria dos Professores do Estado da Califórnia, o Conselho de Administração do Estado da Flórida e o Supervisor do Governo Local da Austrália votaram contra a administração, conforme mostram documentos internos.

Os resultados de sexta-feira dependem, em grande parte, de quantos acionistas seguem as recomendações dos influentes consultores Glass Lewis e Institutional Shareholder Services. Ambos pediram um voto de desconfiança em Baumann e outros executivos seniores, enquanto Glass Lewis pediu que os membros do conselho de supervisão também não fossem dispensados ​​de responsabilidade.

Mais de 70% dos 100 maiores investidores da Alemanha trabalham com recomendações de grandes consultores, disse o fornecedor de dados Ipreo em nota no ano passado. Isso não garante que eles sigam os grupos consultivos: os acionistas podem alterar suas instruções de voto até o dia da reunião, e muitos recebem uma recomendação personalizada com base nos estatutos do fundo.

“Definitivamente haverá uma turbulenta reunião de acionistas”, afirmou Markus Manns, gerente de fundos da Union Investment, um dos 15 principais acionistas da Bayer. A questão crítica é se a equipe de gestão da Bayer avaliou corretamente os riscos legais antes de fazer o negócio, segundo o executivo. “Nos tornamos um pouco mais críticos.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]