i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
após prejuízo bilionário

Se depender de minoritários da BRF, Abilio Diniz vai ganhar a conta

Maior processadora de alimentos do Brasil terá dia decisivo na próxima segunda-feira (5), quando o Conselho de Administração vai discutir a destituição do atual presidente

    • Folhapress
    • 01/03/2018 09:52
    Empresário enfrenta descontentamentos por prejuízo de R$ 1,1 bilhão da BRF em 2017 | Arquivo/Gazeta do Povo
    Empresário enfrenta descontentamentos por prejuízo de R$ 1,1 bilhão da BRF em 2017| Foto: Arquivo/Gazeta do Povo

    Em conferência telefônica, os acionistas minoritários da BRF no mercado brasileiro indicaram que vão apoiar os fundos Petros e Previ pela destituição do Conselho de Administração da empresa em reunião na próxima segunda-feira (5). O conselho é presidido pelo empresário Abilio Diniz, ex-dono do Grupo Pão de Açúcar.

    A conversa foi mediada pela Amec (Associação dos Investidores do Mercado de Capital). Com isso, a tendência que se forma é pela saída de Abilio Diniz da presidência do conselho, conforme requisitam Petros e Previ.

    Os fundos estão insatisfeitos com os resultados da BRF, que amargou em 2017 prejuízo recorde de R$ 1,1 bilhão, e sua ação é negociada a níveis de 2011 (fechamento estável a R$ 28,69 nesta terça).

    Até aqui, mais de 40% dos acionistas da empresa já se alinharam contra o atual conselho - só Petros, da Petrobras, e Previ, do Banco do Brasil, somam 22% das ações.

    Fundos estrangeiros, como o Aberdeen (5%), estão com Petros e Previ. As dezenas de acionistas oriundos das família Furlan e Fontana, que têm dois dos dez assentos no conselho e representam os antigos donos da Sadia (que se fundiu à Perdigão em 2009 para dar vida à BRF), somam cerca de 8% das ações e deverão seguir os fundos de pensão se a acomodação mantiver no colegiado Luiz Fernando Furlan e Walter Fontana.

    Tarpon

    No mercado, há expectativa sobre como votará a gestora de fundos Tarpon, terceiro maior acionista da BRF com 7,26% do controle. Segundo a reportagem apurou, ela não assumirá posição agressiva, buscando agir mais como investidora do que como gestora na discussão.

    Em 2013, associou-se a Abilio Diniz e apoiou a entrada do empresário na presidência do Conselho de Administração da empresa. Em 2015, indicou Pedro Faria para presidir a BRF. Após momentos bem-sucedidos, que levaram as ações a baterem em R$ 70, problemas de gestão aliados a complicações políticas viram a administração decair, culminando na troca do executivo por José Drummond em dezembro passado.

    Abilio, que detém 4% da BRF, teve uma relação ciclotímica com o Tarpon. No momento, relatos dizem que empresário e fundo estão perto do rompimento final devido à crise que se abateu sobre a empresa. Em nota na segunda (26), ele criticou a movimentação dos fundos, mas admitiu os maus resultados da BRF.

    Outros observadores, mais próximos do Tarpon, falam que não há nem briga, nem casamento na relação a partir de agora. Apontam que, embora votem juntos e tenham eleito Drummond, houve um afastamento após a saída de Faria.

    O empresário havia divulgado nota comentando o caso, lamentando o mau resultado e criticando Petros e Previ pela falta de diálogo na crise.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.