i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
opinião

Os dois lados da moeda

  • PorCarlos Guimarães Filho, editor
  • 30/10/2015 18:13

Os últimos dois meses do ano serão de incerteza para os produtores norte-americanos. Com os piores preços das commodities nos últimos oito anos, não cobrindo nem mesmo os custos de produção, os Estados Unidos seguram a produção na esperança de que a demanda aumente no início do próximo ano e impulsione as cotações, conferiu a equipe da Expedição Safra que percorreu, na última semana, 3 mil quilômetros pelo Corn Belt, cinturão de produção do país.

A matéria de capa da edição desta terça-feira do Agronegócio Gazeta do Povo mostra que os produtores estão estocando a produção. O reflexo é que apenas 25% da safra norte-americana 2015/16 foram comercializadas, enquanto a média dos outros ano é de 50%.

Mas a decisão de estocar a espera de melhores preços não é tão simples. Com capacidade para armazenar 640 milhões de toneladas, últimas duas super safras de quase meio bilhão de toneladas cada geram falta de espaço. Com armazéns lotados, o jeito foi apelar para silos-bolsa, algo não tão comum por lá. Porém, há registro de montanhas de grãos totalmente descobertas e a mercê das intempéries climáticas.

Por aqui, os produtores brasileiros sorriem à toa. Apesar da queda nas cotações, o “efeito dólar’ permite ótimos negócios. Tanto que metade da safra brasileira já está negociada, contra não mais que 30%, em média, nas temporadas passada.

Ambos os cenários ainda apresentam indefinição e muitas dúvidas ainda pairam nos dois hemisféricos. O jeito é acompanhar, como a Expedição Safra faz há dez temporadas, para saber os efeitos ao longo do desenrolar da atual safra.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.