i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crise

Consumo de carne bovina cai no Brasil e fecha frigoríficos

Além da retração das vendas no mercado interno, a desvalorização da moeda americana prejudicou os exportadores

  • PorGabriel Azevedo e Dirceu Portugal,
  • Campo Mourão (PR)
  • 25/07/2016 18:37
Queda do poder aquisitivo da população derrubou o consumo médio de carne bovina por habitante a um dos menores níveis da década: 32 kg/ano. | Arquivo/Gazeta do Povo
Queda do poder aquisitivo da população derrubou o consumo médio de carne bovina por habitante a um dos menores níveis da década: 32 kg/ano.| Foto: Arquivo/Gazeta do Povo

mbolo supremo da ascensão da nova classe média ao longo da última década, a carne vermelha se transformou em artigo de luxo desde o início da recessão econômica, no segundo trimestre de 2014. O desemprego e a queda do poder aquisitivo da população derrubaram o consumo médio de carne bovina por habitante a um dos menores níveis da década: 32 kg/ano, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Dez anos atrás, o volume girava em torno de 40 kg/ano por habitante.

Frigorífico Orion & Magistral: cortes e ajustes pesados para continuar no mercado.Dirceu Portugal/Gazeta do Povo

Frango e porco

viraram as proteínas alternativas no Brasil. O consumo per capita de frango em 2015 foi 43,2 kg, e de porco, 15,1 kg.

De acordo com a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo), o cenário aponta para uma crise sem precedentes num setor que emprega mais de 1 milhão de pessoas no Brasil. Desde o começo de 2016, dezenas de frigoríficos fecharam as portas no país. Apenas em julho, no Paraná e em São Paulo, duas empresas demitiram mais de mil trabalhadores. Foi o caso da JBS, em Epitácio Pessoa; e da Oregon, em Apucarana.

Para não fechar, algumas empresas estão fazendo readequações severas. Em Campo Mourão, na região Centro-Oeste do estado, os gerentes do frigorífico Orion & Magistral, Flávio Tagliari e Júlio Cesar Severino, contam que cancelaram todos os investimentos. “Tínhamos um cronograma de investimentos na câmara fria, nas instalações da desossa e em contratações de mais funcionários. Porém, a crise fez com que colocássemos o pé no freio. Não dá para saber como serão os próximos meses”, dizem.

Hora extra e desperdícios estão proibidos. O frigorífico também reduziu os dias de abate. “Tudo foi feito para se manter no mercado. O importante é conseguir ultrapassar essa fase extremamente difícil que estamos vivendo. Caso a crise piore para o setor, vamos enxugar ainda mais”, afirmam.

Segundo o presidente da Abrafrigo, Péricles Salazar, 80% das 9,5 milhões de toneladas de carne bovina produzidas no país são destinados ao mercado doméstico. “A situação não é nada confortável, principalmente para os pequenos e médios frigoríficos. Neste mercado, o que faz a rentabilidade é o volume. E se o preço não está bom, fica mais difícil manter o ritmo de produção e conseguir lucrar”, explica.

Líder nacional de abates, Mato Grosso, estado que também tem o maior rebanho nacional de bovinos – cerca de 29 milhões de cabeças – deixou de abater cerca de 43 mil cabeças no primeiro trimestre deste ano, uma redução de 3,7% em comparação com 2015.

Na opinião do zootecnista Paulo Rossi Júnior, coordenador do Laboratório de Pesquisas em Bovinocultura (LapBov) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), a crise econômica é uma realidade, mas é preciso que a cadeia inteira se organize para sair dela, principalmente o varejo. “Os preços da carne subiram demais para o consumidor, e quando a crise chegou, eles não voltaram para um patamar mais acessível. É preciso cobrar um pouco mais e fazer com o que o varejo reveja as margens neste momento difícil”, acredita.

Exportação não é solução, por enquanto

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o rebanho bovino tem mais de 212 milhões de cabeças no Brasil. Ano passado, o setor produziu 9,5 milhões de toneladas, sendo que 1,8 milhão foi exportado para mais de 140 países.

De acordo com a Abrafrigo, a expectativa é que o volume de carne enviada para o exterior cresça 4,1% neste ano. No entanto, segundo a entidade, mesmo que isso aconteça, a recente desvalorização do dólar limita a rentabilidade das indústrias. “As exportações perderam rendimento com a desvalorização cambial. O dólar abaixo de R$ 3,50 não é favorável”, afirma Péricles Salazar.

Segundo ele, a crise em países como Venezuela e Rússia, grande importadores de carne brasileira, também prejudica o setor.

No entanto, mesmo diante do atual cenário, o presidente da entidade é otimista. “Já passamos por outras crises e superamos. Acredito que com a nova situação política, a esperança renasceu, principalmente para a abertura de novos mercados”, diz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.