i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
batendo à porta

Vírus barrados nos aeroportos põem Japão em alerta contra febre suína africana

Quatro casos de carnes e derivados infectados com o vírus foram identificados em aeroportos do país com viajantes vindos da China

    • The Washington Post
    • 11/02/2019 16:51
    Febre suína africana  já obrigou sacrifício de quase 1 milhão de animais na China, desde agosto do ano passado | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
    Febre suína africana já obrigou sacrifício de quase 1 milhão de animais na China, desde agosto do ano passado| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

    A febre suína africana, doença infecciosa que afeta porcos e outros animais, está cada vez mais perto de se espalhar pelo Japão, o que fez o Ministério da Agricultura do país reforçar as medidas de quarentena nos portos e aeroportos.

    A doença já foi registrada em 48 países. Sete exames deram positivos no Japão desde outubro do ano passado – todos os genes do vírus estavam em carne e derivados de suínos inspecionados em aeroportos domésticos. Apesar de os seres humanos não serem afetados pelo vírus, mesmo quando consomem a carne infectada, a doença tem potencial de forte impacto nas exportações de carne suína e outros produtos.

    De acordo com o Ministério da Agricultura, Floresta e Pesca do Japão, o primeiro caso oficial da presença do vírus no continente asiático ocorreu na China, em agosto do ano passado. Em janeiro, a doença chegou à Mongólia. Desde a chegada do vírus à China, as autoridades japonesas reforçaram as medidas de quarentena nos portos e aeroportos e nos centros de distribuição internacional dos correios.

    Fiscalizações intensivas também são realizadas nas bagagens de mão dos viajantes. Cães farejadores foram treinados para detectar carne suína in natura e industrializada.

    O gene do vírus foi encontrado em quatro inspeções no Japão entre 12 e 16 janeiro. Os casos envolveram bagagens vindas da China pelo aeroporto de Chubu, no município de Aichi, e no aeroporto Haneda, em Tokyo.

    O vírus da febre suína africana se espalhou da África para a Europa e para a América Latina em 1957, com casos confirmados na Rússia e na Polônia a partir de 2007. (Nota do editor: no Brasil, a doença ocorreu a partir de 1978 e foi erradicada em 1984). Cerca de 916 mil suínos e javalis foram sacrificados na China desde a identificação do primeiro caso, em agosto de 2018.

    A suspeita é de que o vírus atravessa as fronteiras, principalmente, através de encomendas postais e pelas bagagens de turistas. Restos de alimentos jogados pelos turistas acabam chegando à cadeia alimentar dos javalis e suínos, se espalhando pela água, ração e outras formas.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.