O visual da nova geração exibe na dianteira uma grade estilo colmeia na cor preta e para-choque dianteiro com entradas de ar enormes. | Audi / Divulgação
O visual da nova geração exibe na dianteira uma grade estilo colmeia na cor preta e para-choque dianteiro com entradas de ar enormes.| Foto: Audi / Divulgação

As peruas estão à beira da extinção no Brasil. Atropeladas pela invasão de utilitários esportivos, há tempos elas deixaram de ser a preferência na garagem da maioria das famílias, principal público deste segmento.

A mais recente vítima é o VW Golf Variant, que terá a importação cancelada neste ano. Ele se junta ao SpaceFox, cujo fim da produção na Argentina foi confirmado pela VW ainda neste primeiro trimestre. 

Sobra o Fiat Weekend entre as opções de SW compacta. Ele continua sendo feito em Betim (MG), porém volta e meia assombrada pelo fantasma da aposentadoria.

>> Peugeot revela nova geração do 208, inspirada no SUV 3008

Pelo jeito caberá às marcas premium perpetuarem a espécie. Mas além da proposta familiar, as opções neste universo devem, necessariamente, oferecer três ingredientes que o consumidor endinheirado não abre mão: luxo, tecnologia e esportividade.

São esses os atributos presentes na quarta geração do Audi RS 4 Avant, que acaba de chegar ao Brasil depois de ser um dos modelos mais badalados do Salão de São Paulo 2018. 

A perua premium é um sonho para poucos, com preço anunciado de R$ 546.990. O valor é alto, sem dúvida, mas o carro tem argumentos de sobra para cobrar essa etiqueta. 

>> Ford mata o Fiesta. E agora, como ficam as peças?

A saída dupla de escapa realça a vocação esportiva do RS 4 Avant.
Audi / Divulgação

Motor mais forte

De cara, o novo motor V6. 2.9 biturbo, de 450 cv e 61,2 kgfm de torque. Ele substitui o V8 4.2 aspirado, que entregava os mesmos 450 cv, no entanto o torque era de 43,8 kgfm. A diferença não é pequena. Os 17,4 kgfm a mais da nova propulsão equivalem ao torque de um Honda HR-V 1.8

O câmbio também é novo: entra o automático de 8 velocidades Tiptronic no lugar do competente S-Tronic de dupla embreagem e sete marchas. A alteração foi necessária para suportar o torque maior. 

>> Andamos no VW T-Cross e listamos pontos fortes e fracos do SUV compacto

O novo motor V6. 2.9 biturbo, de 450 cv e 61,2 kgfm de torque, substitui o V8 4.2 aspirado, de 450 cv e 43,8 kgfm. 
Audi / Divulgação

De acordo com a montadora, os tempos de trocas de marcha estão mais reduzidos, com ajustes voltados para a condução esportiva. A tração é a integral permanente quattro.

A mudança no conjunto significa um consumo 17% menor, segundo a Audi. A média com gasolina é de 7,1 km/l na cidade e 9,2 km/l na estrada.

A perua tem 2,83 m de entre-eixos e  4,78 m de comprimento.Audi / Divulgação

Certamente o condutor de um RS 4 Avant não está muito preocupado com isso. Para ele, é mais interessante saber que a perua é capaz de ir de zero a 100 km/h em apenas 4,1 segundos - desempenho similar a de modelos esportivos. 

Já a velocidade máxima é controlada eletronicamente a 250 km/h, mas é possível liberar até 280 km/h, opcionalmente - lembrando que há rodovias alemãs onde a velocidade é liberada.

>> Carro automático venderá mais que manual em 2019; confira os mais baratos

DNA esportivo

A vocação esportiva do Audi é valorizada pelo cronômetro no head-up display, capaz de armazenar tempos de até 99 voltas, pelos mostradores de torque e potência no quadro de instrumento digital de 12,3 polegadas (Audi Virtual Cockpit), no controle de largada (que não deixa as rodas dianteiras patinarem numa arrancada forte) e nos dois flaps instalados no escape que deixam o ronco do motor mais grave.

Toda essa força pode ser domada na hora da frenagem, graças aos freios de carbono-cerâmica (opcionais) acomodados nas enormes rodas de 20 polegadas. A suspensão adaptativa deixa o RS 4 Avant mais baixo que o A4 Avant, do qual deriva. 

O interior também exala esportividade, como no volante multifuncional com base plana e nas faixas iluminadas do painel com emblema RS.

Outro atributo da perua alemã é o generoso espaço interno. São 2,83 m de entre-eixos (perto ao do Ford Fusion, 2,85 m), além dos 4,78 m de comprimento (maior que o A5, com 4,73 m). O porta-malas pode levar 505 litros de bagagem.

O visual da nova geração exibe na dianteira uma grade estilo colmeia na cor preta e para-choque dianteiro com entradas de ar enormes. Atrás, destaque para a saída dupla de escape, também tamanho GG.

O porta-malas tem capacidade para levar 505 litros de bagagem.
Audi / Divulgação

Itens de série e opcionais

Na lista de itens de série da perua ainda estão ar-condicionado com três zonas de temperatura, central multimídia com memória de 10 GB e conexão Android Auto e Apple Car Play, abertura e fechamento elétrico do porta-malas com tecnologia ‘mãos livres' (responde ao movimento do pé), quatro  modos de condução (Comfort, Auto, Dynamic e Individual) e sistema de som Bang & Olufsen, de 755 watts, 19 alto-falantes e dois subwoofers.

Há ainda o pacote opcional que traz recursos de última geração. O assistente de engarrafamento (Traffic Jam Assist), por exemplo, permite ao carro assumir a direção em trânsitos congestionados, numa velocidade até 65 km/h, permitindo ao condutor tirar as mãos do volante e o pé dos pedais de freio e aceleração.

Os freios de carbono-cerâmica (opcionais) estão acomodados nas enormes rodas de 20 polegadas.Audi / Divulgação

Também oferece o controle de velocidade adaptativo (Adaptive Cruise Control), que mantém uma distância do veículo a frente a partir de uma velocidade programada, freando e acelerando automaticamente quando necessário, o assistente de faixa (Active Lane Assist), que corrige a direção e alerta sobre saída da faixa sem dar a seta, e farol alto automático.

SIGA O AUTO DA GAZETA NO INSTAGRAM
Visualizar esta foto no Instagram.

NOVO CAMARO NAS LOJAS A Chevrolet começa a vender o esportivo por iniciais R$ 328.990 na versão cupê e R$ 365.990 na opção conversível - a linha anterior custava R$ 315 mil e R$ 350 mil, respectivamente. São R$ 13 mil a mais que o rival direto Mustang (R$ 315.900), que não possui no Brasil a variante ‘sem capota’. A Chevrolet busca reviver os bons momentos de vendas do seu muscle car, que vem figurando nas últimas posições do segmento de esportivos, enquanto o Mustang domina a categoria desde que estreou no Brasil, no começo do ano passado. Em 2018, o poney car vendeu 988 unidades e o Camaro somente 93. O carro, que está na sexta geração, ganhou uma grade frontal mais robusta, capô e para-choque remodelados, além de faróis full led e um novo contorno da luz diurna. Atrás, as lanternas trazem um desenho mais arredondado. Há ainda a nova transmissão automática de 10 velocidades (antes era de 8), que melhora o desempenho e diminui o consumo. O motor 6.2 V8 aspirado foi mantido e rende 461 cv e 62,9 kgfm de torque máximo. Números que o levam de 0 a 100 km/h em 4,2 s e a 290 km/h de velocidade máxima, controlada eletronicamente. #novocamaro #chevroletcamaro #carroesportivo #musclecar #camaro2019 #carros #automoveis #generalmotors #instacar #cargram 📷#chevroletbrasil

Uma publicação compartilhada por Automóveis Gazeta do Povo (@autogazetadopovo) em

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]