Blog Coppolla na Gazeta

Ana Caroline Campagnolo, a “Deputada Maconheira da Direita”

Xingue-os do que você é, acuse-os do que você faz.

Em tom de denúncia escandalosa, a esgotosfera lacradora nos subterrâneos da Internet divulgou antigos tuítes da agora Deputada Estadual Ana Caroline Campagnolo (PSL-SC). Em postagens pinçadas a dedo em seu passado anônimo e remoto, ela faz menção jocosa ao consumo de maconha, entre outros comportamentos reprováveis.

Descontextualizadas, reinterpretadas e com comentários suprimidos, estas postagens foram organizadas de forma a induzir o (e)leitor à conclusão de que a deputada exibia, até pouco tempo, comportamento incompatível com o decoro parlamentar e em total desacordo com os valores morais que nortearam sua bem-sucedida campanha política.

O escarcéu nas redes fez Campagnolo adotar uma postura drástica e suspender suas contas nas redes sociais: “Tive que tirar o Twitter do ar, não estava dando conta. Estava pior que um corredor de faculdade de humanas, de tanto maconheiro que tinha lá comentando, retuitando, até comemorando – o que é meio bizarro: comemorar uma pessoa fumar maconha!” (veja o áudio completo na edição de 9/4/2019 do Morning Show da Jovem Pan: https://www.youtube.com/watch?v=SLJB5M_o3pA )

Pra que não reste dúvidas: a deputada alega jamais ter experimentado a droga. E, num ambiente democrático, sob império da presunção de inocência, só nos resta conceder a ela o benefício da dúvida e deixar o ônus da prova a quem acusa – os difamadores de plantão, com a costumeira falta de credibilidade.

 

Xingue-os do que você é, acuse-os do que você faz.

Atribuída ao bolchevismo comunista, a máxima é seguida à risca pelos progressistas contemporâneos.

É notório que a esquerda tem uma agenda explícita (e outra velada) de normalização e naturalização do uso de drogas. Contudo, se utiliza de supostos episódios de consumo desses entorpecentes para denegrir a imagem e assassinar a reputação dos seus adversários políticos. Haja hipocrisia.

 

Tem método…

Esse método de execração pública, da qual a deputada foi a vítima mais recente, também se aplica ao comportamento sexual – outra área em que progressistas da Esquerda deveriam exercitar melhor seu autoproclamado monopólio da tolerância. Diante da escassez de argumentos, detratores apelam para insinuações em relação à sexualidade alheia: virgem, maldotado, impotente, enrustido, e daí ladeira abaixo. Na política paulista, inclusive, um parlamentar de direita já teve de sair do armário à força graças à militância do arco-íris (vermelho).

 

Mas especulemos: e se a deputada tivesse, de fato, fumado maconha?

Seu discurso antidrogas perderia força e sentido? Creio que não.

Em primeiro lugar, porque quem pensa está sempre sujeito a mudar de opinião (graças a Deus). O mestre Augusto Nunes observa, com propriedade e argúcia, que não se pode confundir coerência com teimosia.

Além disso, o mensageiro não torna a mensagem falsa ou verdadeira: drogas fazem mal e seu consumo prejudica o indivíduo e a sociedade. Ponto final. Um dependente químico, um usuário recreativo, alguém que experimentou drogas no passado ou um abstêmio têm a mesma legitimidade pra repercutir essa informação. E numa realidade cheia de controvérsias, não é uma mera contradição pessoal que elimina uma verdade objetiva.

Caio Coppolla. Quer apoiar esta coluna? Assine a Gazeta do Povo (valor promocional): https://assinaturas.gazetadopovo.com.br/promo/digital-nacional-099-caio-coppolla

 

8 recomendacões para você

 
 

mais comentadas da semana