Blog Lúcio Vaz
0

Bolsonaro dá mais um passo para ganhar aposentadoria de R$ 30 mil da Câmara

Jair Bolsonaro.
Bolsonaro poderá ganhar R$ 60 mil mensais, acumulando o salário de presidente com a aposentadoria de deputado. Foto: Evaristo Sá/AFP.

A Câmara dos Deputados aprovou no final de novembro a averbação (aproveitamento) de 31 dias de mandato de vereador no Rio de Janeiro pelo deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ). A Diretoria Geral também informa que ele já averbou mais 24 meses daquele mandato. A ação mostra que Bolsonaro pretende se aposentar pelas regras do extinto Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC), podendo receber pensão de R$ 30 mil mensais.

Como o IPC é considerado uma entidade de direito privado pelo Tribunal de Contas da União (TCU), mesmo com as pensões sendo custeadas pela União, Bolsonaro poderá acumular essa aposentadoria com o salário de presidente da República (R$ 30,9 mil), alcançando uma renda mensal de R$ 60 mil, como antecipou o blog no dia 29 de outubro.

O deputado havia apresentado requerimento solicitando a averbação. A Diretoria Geral da Câmara informa que Bolsonaro é filiado ao Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC), que sucedeu ao IPC, e “faz jus à pleiteada averbação”. O valor dessa a ser pago será de R$ 7,4 mil.

Leia também: Além de Bolsonaro, mais de 100 parlamentares podem pedir aposentadoria especial

Bolsonaro tem 28 anos de contribuições previdenciárias ao plano de previdência da Câmara, mas pode aproveitar mandatos externos para aumentar o valor da aposentadoria.

Plano de governo de Bolsonaro prevê corte de privilégios

O plano de governo de Bolsonaro promete cortar privilégios no serviço público, mas as normas do IPC eram privilegiadíssimas. O parlamentar adquiria o direito a pensão proporcional com oito anos de contribuição e 50 anos de idade, recebendo 26% do subsídio de deputados e senadores.

Com a extinção do IPC, em 1999, os parlamentares que já tinham adquirido direito à aposentadoria puderam ingressar no PSSC, visando incorporar ao valor da futura pensão 1/35 do subsídio parlamentar a cada ano de mandato.

Segundo os arquivos da Câmara, Bolsonaro se filiou ao IPC em 1.º de fevereiro de 1991, no dia da sua posse no primeiro mandato de deputado. A filiação era obrigatória. A adesão facultativa ao PSSC ocorreu em 2 de fevereiro de 1999.

Saiba mais: Bolsonaro gastou R$ 4 milhões com mordomias em 10 anos

Bolsonaro já tinha oito anos de contribuição quando o instituto foi extinto. A Câmara explica que, mesmo que tenha optado por participar do PSSC, ao deixar o mandato, o parlamentar que adquiriu o direito a se aposentar pelo IPC pode requerer o benefício a qualquer tempo.

Questionada pela reportagem sobre o acúmulo de pensão com salário, com o valor ultrapassando o teto constitucional, a Câmara apresentou a decisão do TCU sobre o tema. O Acórdão 3.632/2013 diz que, em razão do contido nas Resoluções 13 e 14/2006 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), os benefícios oriundos do extinto IPC estão excluídos da incidência do teto remuneratório constitucional. Ou seja, Bolsonaro poderá acumular a aposentadoria de deputado com o salário de presidente.

Outros deputados e ex-deputados fazem o mesmo que Bolsonaro

Com a proximidade do final do mandato, deputados e ex-deputados tratam de averbar mandatos externos para ampliar o valor da futura pensão ou mesmo para completar o tempo de serviço mínimo exigido – 35 anos pelas regras do PSSC. No dia 26 de novembro, a Câmara autorizou o ex-deputado João Paulo Cunha a aproveitar 4.731 dias – 13 anos – do tempo de contribuição ao INSS. Nesse caso, conta apenas para completar o tempo mínimo.

Em 27 de novembro, o deputado Ronaldo Lessa (PDT-AL) conseguiu a averbação onerosa de 2.646 – sete anos – referentes ao mandato de governador de Alagoas, exercido no período de janeiro de 1999 a março de 2006. O deputado terá que pagar R$ 646 mil, mas vai acrescentar cerca de R$ 7 mil na sua aposentadoria.

Leia também: Juízes querem gratificação por tempo de serviço para compensar fim do auxílio-moradia

8 recomendacões para você