Blog Panela do Anacreon

Villagio Grando produz vinhos que batem de frente com estrangeiros que chegam por aí

A Villaggio Grando está localizada em Herciliópolis, município de Água Doce, nos campos de altitude de Santa Catarina. (Foto/ Divulgação)

O sommelier Cesar Simbala, o representante local. (Foto/ Divulgação)

Tenho muita afeição pelos vinhos nacionais. Aprendi a apreciá-los e, sempre que possível, faço um registro aqui neste espaço de todos nós. E quem acompanha essas publicações sabe do carinho que tenho por alguns produtos da Villaggio Grando, especialmente por seus espumantes, que – ouso afirmar – estão no nível de qualquer outro concorrente internacional.

Fiz meu primeiro registro em 2013, impressionado com o que havíamos consumido em nossa Confraria do Armazém. Fui atrás e encontrei os dois espumantes ali produzidos – método charmat, ninguém acredita! – registrando aqui a primeira e melhor impressão que tive.

Dois anos mais tarde, registrei, com júbilo, o lançamento da nova safra. Com novo visual, novos rótulos, mas a mesma qualidade de sempre. Com custo-benefício, comprei algumas garrafas para a satisfação da turma lá de casa (quase, invariavelmente, eu mesmo).

Até então a produção da Villaggio Grando era comercializada pela Casa da França. Mas, de alguns meses para cá, ganhaou nova representação, estando a cargo de um jovem sommelier que começa a fazer história entre nós, Cesar Simbala. Lembro-me dele, sempre competente, no Alfredo’s Gallery e no Bobardí, sabendo e entendendo dos vinhos que oferecia e propunha aos clientes.

Pois Sambala é quem está apresentando e distribuindo os vinhos da Villaggio Grando, que não se resumem aos espumantes já publicados aqui nesse espaço. Já nos primeiros contatos, pelo que soube, havia encaminhado os vinhos para consumo ou revenda em restaurantes, como La Scuderia, Osteria, Terrazza 40, Durski, Porcini e no Celeiro Municipal.

A história

Os vinhedos de castas tintas. (Foto/ Divulgação)

A Villaggio Grando começou a escrever sua trajetória nos anos 90. A história se inicia quando com um amigo francês, cuja família era produtora de armagnac na França, visitando a região onde hoje se localiza a vinícola, mexendo na terra e analisando o clima e a altitude, indicou o local como “um dos grandes lugares do mundo para se plantar uva para produção de vinhos de qualidade”. Um ano após, Maurício Carlos Grando, encontrou-se com o enólogo Jean Pierre Rosier, formado na universidade de enologia de Bordeuax, na França, em uma degustação e este confirmou as ideias expostas de começar uma vinícola.

Este mesmo enólogo trouxe da França as primeiras mudas, as quais, em dezembro de 1998, foram plantadas, iniciando um laboratório de pesquisa para a adaptação de castas – e hoje conta com mais de 100 variedades de vitis viniferas, em cinco hectares, diariamente pesquisadas e controladas para se chegar ao exato conhecimento das variedades que melhor se adaptarão ao terroir. Em 2000 foram implantados alguns dos vinhedos hoje existentes em escala comercial com aquelas uvas que melhor se adaptaram à região.

E a vinícola vem, ano após ano, investindo no controle de produção, melhoramento dos produtos e conta com um vinhedo de 45 hectares, cuja produção, somando todos os produtos que englobam tintos, brancos, espumantes e em um futuro próximo, um brandy e licoroso chegam a 260 mil garrafas/ano.

Espumante de primeiro mundo.

O terroir está localizado na região de Herciliópolis, município de Água Doce, nos campos de altitude de Santa Catarina, em um planalto de características próprias para o desenvolvimento de vinhedos que resultam em uvas de características únicas. Com o inverno rigoroso e o clima bem definido para cada estação na região, é possível uma maturação lenta dos cachos, proporcionando colheitas mais tardias, finalizando-as apenas no mês de maio. No mais rigoroso inverno brasileiro, as geadas são frequentes e é comum a temperatura atingir -10ºC. Durante o verão a temperatura chega a variar de 30º à tarde para 12º à noite. A amplitude térmica é própria dos locais de clima temperado absoluto. A região tem precipitação média anual de 1.433mm, com médias mínimas entre março e abril (67mm) e máximas entre setembro e outubro (182 mm). A insolação anual varia entre 2.045 e 2.523 horas, os períodos mais prolongados vão de novembro (269h) a janeiro (283h) até março (255h). A umidade relativa do ar média é de 77,3% e a temperatura média é de 14,6º anuais. A média de máximas é 28,6ºC e de mínimas é 3,2ºC (temperaturas absolutas mensais).

Os vinhos

Então, como disse, não é só de espumantes que vive a Villaggio Grando. Há alguns tintos significativos e talvez o mais expressivo deles seja o Villaggio Grando Merlot – agora na safra 2010 –, sinônimo de elegância e evolução, com equilíbrio entre taninos, corpo e álcool e estrutura suficiente para durar e evoluir por alguns anos.

Innominabile Lote IV – Reserva Especial

O Cabernet Sauvignon também é bem interessante, com taninos macios e boa estrutura, e a estrela da companhia é o Innominabile, dividido em duas vertentes. A primeira é o Innominabile Lote V, vinho resultante das colheitas de 2004, 2005, 2006, 2007, 2008 e 2009. É composto pelas uvas Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Merlot, Malbec, Pinot noir, Petit Verdot e Marselan, passando por estágio de seis meses em carvalho francês novo durante 180 dias. E como é norma da vinícola armazenar pelo menos 20% da produção em garrafas para a safra seguinte, o Innominabile Lote IV – Reserva Especial surge mais poderoso, pelos dois anos de guarda após o lançamento – e este, justamente por ser um ano mais antigo, é composto pelas colheitas de 2004, 2005, 2006, 2007 e 2008.

São vinhos muito expressivos, com boa base, aromas e sabores significativos. E a companhia anuncia mais por aí. Para o ano que vem, ali por março, lançamento dos brancos, Chardonnay e Sauvignon Blanc, o que já desperta certa curiosidade. Mas o que mais mexe mesmo é o anúncio de um “vinho do porto” para o fim do ano. Claro que não pode ser dominado assim, pois há o respeito a uma denominação de origem, apenas para produções na região do Douro, em Portugal. Mas trata-se de um processo semelhante, de vinho fortificado com aguardente de uva, que deve entrar no mercado, ainda está nas barricas e será lançado ainda antes do fim deste ano.

Aos interessados, além do atalho do site, há o contato do sommelier, que certamente saberá recomendar o melhor para o melhor desejo de casa um. Sem medo de errar e, para os preconceituosos, pode pedir que os vinhos batem de frente com boa parte dos estrangeiros que estacionam por aqui.

Confira os contatos do Cesar Simbala, o representante da vinícola: E-mail: wine.cesar@hotmail.com e fone (41) 9929-6469.

Villaggio Grando

Rodovia SC 350 – Km 109 (antiga SC 451 – Km 56) Herciliópolis – Água Doce-SC

Fone: (49) 3563-1188

= -=-=-=-=-=-=

Entre em contato:

Blog anterior: http://anacreonteos.blogspot.com/

Twitter: http://twitter.com/AnacreonDeTeos

E-mail: a-teos@uol.com.br

Salvar

Salvar

8 recomendacões para você

 
 

mais comentadas da semana