Experiência

Experiência

Vai para Argentina? Alfajor ganha exposição em museu de Buenos Aires

A mostra "O alfajor, um ícone argentino" conta a história e as receitas do alfajor desde sua chegada à Argentina até os dias de hoje

por Bom Gourmet, com colaboração de Amanda Lüder Publicado em 02/08/2017 às 18h
Compartilhe

Ir para a Argentina e não comer alfajores é como ir à Itália e não provar a pizza. O ícone argentino, mundialmente conhecido, ganhou uma exposição no Museo de la Ciudad, em Buenos Aires. A mostra “O alfajor, um ícone argentino” foi feita a partir da coleção de Jorge D’Agostini, autor do livro “Alfajor argentino, a história de um ícone”.

A exposição conta a história do alfajor, suas receitas, recheios e publicidades que levaram o doce ao grande sucesso.  A mostra pode ser visitada todos os dias das 11 às 18h até o dia 13 de setembro. A entrada é livre e gratuita.

A exposição pode ser visitada gratuitamente todos os dias das 1h às 18h. Foto: Divulgação/Museo de La Ciudad.

A exposição pode ser visitada gratuitamente todos os dias das 11h às 18h no Museo de La Ciudad em Buenos Aires. Foto: Divulgação/Museo de La Ciudad.

Confira o vídeo sobre essa exposição (em espanhol):

História do alfajor

O alfajor é, na verdade, uma receita árabe conhecida como alhasú. Com a ocupação árabe na Península Ibérica em 1711, o alfajor chegou à Espanha. Mais de 100 anos depois, em 1869, o químico francês Augusto Chammás foi o pioneiro da industrialização do doce na Argentina. Ele abriu uma fábrica familiar de doces — incluindo o alfajor — na província de Córdoba. A receita, que antes era como um marzipã, levando gema de ovo e amêndoas, foi adaptada para o alfajor que conhecemos nos dias de hoje.

Na época, eram oferecidos cinco sabores: doce de leite, damasco, figo, pêssego e marmelo. A fábrica existe até hoje e mantém a receita original da massa do alfajor, mas expandiu o número de recheios. Atualmente, são mais de 100 fabricantes em toda a Argentina. Entre as marcas mais conhecidas, estão Havanna, Jorgito, El Cachafaz e Cabsha. Esta última conhecida por produzir alfajores com licor.

De acordo com dados da Associação de Distribuidores de Guloseimas e Afins (Adyga), são consumidas 900 milhões de unidades de alfajor por ano na Argentina. Cada habitante come cerca de um quilo de alfajor por ano, ou seja, 20 unidades.

A receita

alfajores argentinos alfajor do don hugo empanadas argentinas

Os alfajores do Don Hugo Empanadas argentinas têm recheio de doce de leite e cobertura de chocolate. Foto: Divulgação/Facebook.

O chef argentino Hugo Volskis, proprietário do Don Hugo Empanadas Argentinas, em Curitiba, conta que a receita do alfajor é conhecida como “massa podre”. “É basicamente farinha, manteiga, ovo e açúcar. O recheio é de doce de leite argentino. No interior da Argentina, tem alguma coisa com geleias, mas é muito pouco. O básico é doce de leite”, explica.

Don Hugo também afirma que, apesar de não fazer tanto sucesso quanto o chocolate, a cobertura de merengue italiano é bastante conhecida no país.

Serviço

Museu de la Ciudad, Defensa 219/223 – Alsina 412, Buenos Aires. Entrada gratuita das 11 às 18 horas. Site: www.buenosaires.gob.ar/museodelaciudad

Leia também:

>> Os 12 melhores vinhos argentinos e chilenos a partir de R$ 60

>> 1º Festival de Churros de Curitiba terá mais de 30 sabores, do doce de leite à Nutella

>> Aprenda a preparar molho chimichurri

 

Compartilhe

8 recomendações para você