Bebidas

vaquinha virtual

Baristas de Curitiba vão representar o Brasil em campeonato mundial de café

Leo Moço e Estela Cotes, do Barista Coffee Bar, vão levar grãos de pequenos produtores do Paraná, mas buscam recursos para treinar e comprar equipamentos

por Andrea Torrente Publicado em 29/02/2016 às 21h
Compartilhe
leo moço campeão brasileiro de barista e estela premiados na semana internacional do café em belo horizonte 670

Leo Moço e Estela Candido Cotes, do Barista Coffee Bar, conquistaram o primeiro lugar durante a Semana Internacional do Café em 2015. A etapa foi obrigatória para representar o Brasil na Irlanda. Foto: Divulgação.

O premiado barista Leo Moço e a esposa Estela Cotes, do Barista Coffee Bar, em Curitiba, são os representantes do Brasil no mundial de barista que será realizado em junho, em Dublin, na Irlanda. Cada um vai competir numa categoria: Leo concorre no Campeonato Mundial de Barista, enquanto Estela no Campeonato Mundial de Preparo de Café. Eles foram os vencedores do campeonato brasileiro que foi realizado em Belo Horizonte, no ano passado, e era uma etapa para chegar ao mundial.

O casal vai tentar alcançar o prêmio utilizando grãos brasileiros, em particular de sete pequenos produtores do Paraná. “Nós podemos ter um café tão bom e complexo quanto da África ou da América Central. É isso que queremos mostrar nos dois campeonatos para que os estrangeiros comecem a olhar o café brasileiro de uma outra maneira e parem de achar que somos apenas ‘básico´”, explicam os baristas.

Para realizar uma performance à altura dos adversários, porém, a dupla precisa de recursos. Para isso, lançou um crowdfunding no site Catarse com o objetivo de arrecadar R$ 38 mil, fundos que servem para financiar o treinamento, que será realizado em Londres, e para comprar os melhores equipamentos que serão levados na bagagem. “Somos um dos únicos, senão o único país, que não tem a mesma máquina de espresso usada na competição para treinarmos e isso compromete e muito a apresentação”, explica Leo, que é bicampeão brasileiro de barista (2013 e 2015).

Outro aparelho necessário para competir em nível internacional é o TDS, instrumento que mede a concentração de sólidos solúveis de café na xícara, um dos pontos avaliados nas competições, e que custa cerca de R$ 2 mil. “Sem ele não conseguimos saber se as nossas receitas estão dentro do esperado pelos juízes”, afirma Estela.

Não ter os equipamentos adequados para a competição foi o problema que fez com que Leo não tivesse uma boa colocação na edição de 2014 do Campeonato Mundial.

As recompensas para quem doar vão de pacotes com o café que será levado para Dublin até curso de torra com Leo Moço.

Compartilhe

8 recomendações para você