Plantão

Plantão

Vai faltar ostra em Curitiba: toxina em SC prejudica comércio do molusco

Captura e comércio de ostras, vieiras, mexilhões e berbigões estão suspensas por tempo indeterminado em Santa Catarina, maior fornecedor de Curitiba

por Ronise Vilela, especial para Gazeta do Povo Publicado em 19/10/2017 às 19h
Compartilhe

O alerta da Secretaria da Agricultura e da Pesca de Santa Catarina sobre a interdição da captura, comercialização, retirada e consumo de ostras vieiras, mexilhões e berbigões, na região de Porto Belo, pode interferir no cardápio dos restaurantes que vendem frutos do mar em Curitiba.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O comunicado de quinta-feira (19) esclarece sobre exames laboratoriais que revelam a presença da toxina PSP, do grupo da saxitoxina, que causa diarreia, náuseas, vômitos, dores abdominais, perda de sensibilidade nas extremidades do corpo e em casos severos, paralisia generalizada e morte. A interdição na faixa litorânea da região é preventiva e não tem previsão para que a coleta volte ao normal.

LEIA TAMBÉM

Clientes reclamam e casa de carnes retira porco e perna de boi da vitrine em shopping de luxo de Curitiba

Restaurante de Curitiba é o 8º melhor do Brasil no TripAdvisor

Postura dos restaurantes

Os restaurantes do Grupo Victor vendem cerca de 200 dúzias de ostras por mês (2.400 unidades) e quando há interdições como essa, o empresário Francisco Urban costuma avisar aos clientes sobre a possível falta do produto de forma transparente. “Avisamos nossos clientes, recebemos os documentos e pareceres dos órgãos competentes até tudo estar resolvido”, afirma Urban.

O restaurante Vindouro, que serve ostras gratinadas, trabalha com as ostras pré-congeladas para evitar a falta do ingrediente. Silvana Setter, gerente do restaurante, comunica os clientes após o recebimento de todas as notificações das instituições responsáveis. “Nós dispomos de um estoque que pode nos abastecer por até um mês. Mas em caso de falta do produto, podemos adquirir em Paranaguá, se tiverem o mesmo padrão de qualidade das ostras de Santa Catarina”, afirma.

Mika Maki, do restaurante Yumê, que trabalha com o sistema de buffet por quilo, costuma substituir o ingrediente quando há faltas como essa ou por outras razões. “Avisamos os clientes sobre o problema e o cardápio passa a ter polvo, por exemplo”.

Compartilhe

8 recomendações para você