i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Automatização

Sistema de gestão utiliza tecnologia de robôs para controle de caixa dos restaurantes

  • PorStephanie Abdalla, especial para o Bom Gourmet
  • 23/11/2020 09:35
sistema gestão
Sistema desenvolvido pela ACOM para restaurantes facilita o fechamento de contas e automatiza processos manuais.| Foto: Jarmoluk/Pixabay

Com o objetivo de facilitar os processos de gestão em restaurantes e ajudar os proprietários a automatizar os controles de caixa e estoques, a ACOM Sistemas investiu R$ 5 milhões no aprimoramento de um software que utiliza a tecnologia de robôs para a gestão interna do negócio.

Essas atividades, dentre outras presentes no dia-a-dia de restaurantes e similares, tendem a ser exaustivas e imprecisas algumas vezes se efetuadas manualmente segundo Eduardo Ferreira, proprietário e CEO da empresa. A ACOM começou desenvolvendo um sistema de gestão em 2016, o Everest 3.0, e agora melhorou as funções de integração com o ponto de venda, automatizando todos os processos relacionados à gestão fiscal, contábil e financeira.

“O sistema faz a conciliação de pagamentos feitos através das maquininhas de cartão já com o abono de taxas, faz a integração do estabelecimento com plataformas de delivery, facilita o processo de abastecimento, calculando quais itens são mais utilizados e também considerando a sazonalidade deles, e compila informações sobre os clientes”, diz Ferreira.

Ajuda na pandemia

Outra funcionalidade recente da nova geração do sistema tem se mostrado um aliado desde o início da pandemia: a engenharia de cardápio. Para essa função são analisadas quatro alternativas: itens que vendem e rentabilizam bem; itens que vendem bem, mas não rentabilizam; itens que não vendem bem, mas rentabilizam; e itens que não vendem nem rentabilizam bem.

“Isso permitiu que, em um momento no qual a contensão de gastos foi essencial, proprietários soubessem onde deixar de investir, no caso dos itens da quarta opção, e onde investir mais, nas demais alternativas. Também durante a pandemia, o software foi benéfico para estabelecimentos que alavancaram as vendas no canal de delivery”, completa.

Para o restaurante, os custos de contratação do serviço, que inclui o set up, ativação e treinamento da equipe, são de R$ 30 mil, além de uma mensalidade que custa a partir de R$ 1 mil, variando de acordo com as funcionalidades adquiridas pelo estabelecimento.

O sistema na prática

Com a nova solução tecnológica, a ACOM alcançou 300 estabelecimentos no Brasil, Argentina, Chile e Espanha; dentre eles, o Hard Rock Café, em Curitiba. Segundo o gerente geral do estabelecimento, Marco Condado, o Everest 3.0 atua na parte da retaguarda do restaurante, de forma que as relações interpessoais podem receber mais atenção dos funcionários.

Na parte financeira, ele afirma que foi possível melhorar o plano de contas e o demonstrativo de resultados, e o controle de alimentos também ficou mais preciso.

“Hoje, como 100% das notas entram no sistema, conseguimos saber exatamente o que está acontecendo. Além disso, em um cenário onde tivemos que desligar vários funcionários, quanto mais acertamos no controle, mas seguros ficamos com relação à retomada”, diz.

Mesmo sendo um sistema robotizado, Condado explica que é essencial treinar cada um dos funcionários para que possam usufruir dele da melhor maneira possível, em suas respectivas funções.

“No início, os colaborados temem as mudanças e ficam meio apreensivos, mas conforme eles percebem que aquela implementação otimiza o trabalho, aprendem com rapidez a usá-la. Para quem orienta esse processo, é uma questão de entender que não tem como implementar em todos os setores de uma vez”, finaliza.

Conteúdo editado por:Guilherme Grandi
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.