Plantão

Comida é cultura

PL que inclui a gastronomia na Lei Rouanet avança

O projeto de lei foi aprovado pela Comissão de Cultura da Câmara Federal no final de julho. Aguarda ainda o parecer das comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça

por Priscila Bueno, especial para a Gazeta do Povo Publicado em 06/08/2015 às 14h
Compartilhe
Chefs Alex Atala, que encabeça o projeto, e Carlos Bertolazzi, um dos apoiadores Foto: Facebook/Montagem

Chefs como Alex Atala e Carlos Bertolazzi fizeram campanha apoiando o projeto no final de 2014. Foto: Facebook/Montagem

Projetos que valorizem a cultura gastronômica e alimentar tradicional e popular poderão receber doações e patrocínios dentro da Lei Rouanet em breve. O projeto de lei (PL 6562/13) que trata dessa inclusão foi aprovado pela Comissão de Cultura no final de julho na Câmara Federal. Esse projeto havia sido parte de uma campanha encabeçada pelo chef Alex Atala chamada de Gastronomia é Cultura/Eu Como Cultura e havia dado fôlego à discussão. Em sua página no Facebook, o chef diz que vai seguir com a campanha ‪#‎eucomocultura‬ ‪#‎gastronomiaécultura‬ até o projeto virar lei.

Agora, o projeto aguarda o parecer das comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça. A proposta original é do deputado Gabriel Guimarães (PT-MG), e teve contribuição do relator deputado Jean Wyllys (Psol-RJ).

A Lei Rouanet (Lei nº 8.313/91) criou o PRONAC, Programa Nacional de Apoio à Cultura, que oferece mecanismos de captação de recursos para o setor cultural brasileiro. Porém, estava restrita a alguns segmentos, como artes cênicas, música erudita e exposições de artes visuais, entre outros. Segundo o projeto de lei apresentado, poderão ser incluídos eventos, pesquisas, publicações e a criação e manutenção de acervos relativos à gastronomia e cultura alimentar tradicional e popular brasileiras.

A justificativa do deputado Gabriel ao incluir a gastronomia como segmento da lei é que ela “contribuirá sobremaneira para estimular a captação de recursos para o setor. Além disso, a medida tem o valor simbólico de constituir o reconhecimento oficial dessa manifestação como parte integrante da cultura nacional, merecedora de fomento e de apoio do poder público”, diz.

Entenda
O projeto de lei foi apresentado em outubro de 2013 pelo deputado Gabriel Guimarães, do PT-MG. Ele passou pela Comissão de Cultura, pela Coordenação de Comissões Permanentes e novamente pela Comissão de Cultura, que designou como relator, o deputado Jean Wyllys (do Psol-RJ). Em maio de 2014 foi aberto o prazo para emendas. Em dezembro de 2014, o relator apresentou um parecer que dizia não haver dúvida de que a gastronomia brasileira era um “elemento de referência à identidade e memória de diferentes segmentos e regiões de nosso país, constituindo, portanto, patrimônio cultural brasileiro nos termos do art. 216 da Carta Magna”.

Em janeiro desse ano, o projeto foi arquivado, mas desarquivado menos de um mês depois. Voltou para a Comissão de Cultura, no qual o relator incluiu a cultura alimentar tradicional e popular, além da gastronomia, ao projeto, que foi aprovado no final de julho. Encontra-se no momento na Comissão de Finanças e Tributação e tem prazo para receber emendas em até cinco sessões a partir desta quinta-feira (6).

***

Leia também

>>> Pão no bafo ganha o título de patrimônio imaterial de Palmeira

>>> Restaurantes em Curitiba que não cobram rolha para jantar

Compartilhe

8 recomendações para você