i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Evento

Hackathon: o que é e como ele pode contribuir para o futuro do mercado de gastronomia

  • PorBom Gourmet
  • 29/07/2020 15:25
Hack pela Gastronomia
O Hack pela Gastronomia tem como grande objetivo propor soluções práticas que possam ser implementadas pelos diversos setores da cadeia de food service.| Foto: Unsplash

Em setembro, o Bom Gourmet promoverá seu primeiro hackathon, o Hack pela Gastronomia, um grande evento totalmente online que irá debater o futuro da alimentação fora de casa. O objetivo é encontrar soluções reais para o setor de food service, que por conta da epidemia do novo coronavírus está sendo obrigado a se reinventar. Mas, afinal, o que é um hackathon?

O hackathon surgiu como uma maratona de programação em que profissionais da área de tecnologia se juntavam para desenvolver e criar softwares, mas logo extrapolou as barreiras tecnológicas já que empresas e comunidades começaram a perceber que esta reunião de mentes criativas, baseada na colaboração e intercâmbio de conhecimentos, poderia render ótimos frutos para diversas áreas.

Entre os exemplos mais recentes do uso da ferramenta está o Hack pelo Futuro, hackathon realizado pelo governo do Paraná em abril para resolver desafios reais trazidos pelo vírus e que serviu de inspiração para o Hack pela Gastronomia.

“Quando veio a pandemia, ainda havia poucas pessoas debatendo o novo normal, como seria o mundo pós-coronavírus. Neste contexto surgiu a ideia do Hack pelo Futuro, como forma de convidar a sociedade para pensar nesta nova realidade e propor soluções para os setores mais impactados”, explica Henrique Domakoski, superintendente geral de inovação do governo do Paraná e idealizador do Hack pelo Futuro.

Durante os oito dias de hackathon, os mais de 800 participantes puderam desenvolver produtos e processos em desafios de quatro grandes áreas (Saúde, Cultura, Economia e Sociedade) e algumas ideias já foram colocadas em prática.

“Uma das equipes desenvolveu um sistema que já está sendo aplicado em hospitais de Curitiba, que condiciona a abertura da porta da UTI à higienização das mãos”, explica Domakoski, que faz questão de diferenciar  tecnologia e inovação. “A inovação nem sempre depende da tecnologia. Uma é meio, outra é fim”.

Da ideia ao pitch

Mais do que pensar em ideias para a cadeia de food service, o Hack pela Gastronomia tem como grande objetivo propor soluções práticas que possam ser implementadas pelo setor. E é aí que entra a importância da metodologia proposta por este hackathon, que será baseada em boas práticas de métodos ágeis aplicados à gestão de produtos e projetos.

Os participantes aprenderão a desenvolver suas ideias seguindo etapas que vão desde a criação de uma hipótese para aquele problema até a apresentação final. “Muitas pessoas que participam de um hackathon falam que a experiência mudou sua vida, pois passaram a entender este paradigma de geração de hipótese, prototipagem, validação e interação, chegando ao pitch, que é basicamente a vida de uma startup”. explica Tiago Gavassi, Fundador e CEO da Panic Lobster, empresa que será responsável pela operação do hackathon no Hack pela Gastronomia.

Ele explica ainda que para poder chegar em soluções que realmente possam ser aplicadas, mais que a ideação (ou seja, ter uma ideia), são as etapas seguintes do processo de gestão que importam. Isso porque cada uma delas tem uma atividade específica que precisa ser cumprida e que ajuda no desenvolvimento do projeto. Uma vez concluídas e realizadas todas as entregas, a equipe consegue entregar no final uma solução com um aprendizado, sabendo o que funcionou e o que precisa ser revisto.

Diversidade

Esta aplicação de métodos ágeis combinada à diversidade de público, comum aos hackathons, permite que se crie uma grande rede colaborativa. “Este processo está super alinhado com o que acontece de mais moderno no mundo, que conta com a colaboração de todos os stakeholders para chegar num produto mais condizente com o que a ponta, ou seja, o consumidor, quer. Isso só é possível a partir da participação de pessoas com pontos de vistas e habilidades diferentes”, explica Domakoski.

E o que se espera para o Hack pela Gastronomia é exatamente isso, pois nesse momento difícil o que conta é o olhar de cada pessoa -- seja como profissional de uma determinada área ou cliente, que compartilha as suas próprias experiências sobre um problema. Por isso diferentes profissionais podem contribuir num hackathon porque as ideias nascem justamente deste encontro de mentes criativas e visões distintas.

Ganha-ganha

Dentro das empresas e organizações, a realização de hackathons incentiva a prática da inovação ao ser uma ferramenta nova e produtiva de trabalho colaborativo na produção de resultados. “As vantagens de se participar de uma hackathon são inúmeras, em qualquer uma das esferas, seja como participante de um time, mentor, empresa, instituição ou comunidade”, afirma Gavassi.

Segundo ele, de todos os projetos que nascem, o principal produto que sai de um hackathon é o mindset, a mudança de mentalidade de quem participa. Os times aprendem a fazer um sprint de gestão de projetos e adquirem conhecimento que pode ser aplicado depois do hackathon em qualquer esfera, seja no trabalho ou na vida pessoal. Uma experiência que vai ajudar muito na forma como os participantes enxergam a inovação.

Outro benefício é o networking gerado a partir das inúmeras interações. “Tem gente que conquista um novo emprego, empresas que recrutam talentos, pessoas que conseguem levantar investimentos”, explica. E para o setor fica o valor de entrega de produtos, serviços e processo, ou seja, a oportunidade de encontrar soluções práticas para este novo mundo que estamos vendo nascer.

Como participar

O Hack pela Gastronomia será totalmente online e contará com o hackathon e também talks sobre variados temas relevantes para a cadeia de food service. A inscrição estará aberta entre os dias 1º e 9 de setembro e será gratuita. Inscritos podem participar tanto na construção das soluções (candidatos podem se inscrever individualmente ou inscreverem um time) quanto oferecendo mentoria aos times nas variadas áreas abrangidas pelos desafios. O hackathon será entre os dias 12 e 16 de setembro.

Os desafios em busca de solução do Hack pela Gastronomia são divididos em cinco categorias: Negócios, Comportamento, Espaço, Comunicação e Tecnologia. Contamos com você!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.