Bebidas

Saúde pública

Altos níveis de herbicida são encontrados em 14 cervejas populares da Alemanha

Os testes foram realizados pelo Instituto Ambiental de Munique que relevou a presença de glifosato em níveis até 300 vezes superiores ao permitido na água potável

por Gazeta do Povo Publicado em 26/02/2016 às 15h
Compartilhe

 

cervejas alemãs herbicida glifosato

As 14 marcas de cervejas alemãs que, de acordo com os testes realizados pelo Instituto Ambiental de Munique, contém traços do herbicida. Foto: Divulgação.

Além de lúpulo, malte, fermento e água, ingredientes permitidos pela célebre Lei de Pureza da Baviera, que remonta a 1516, um quinto elemento foi encontrado nas cervejas alemãs. Testes conduzidos pelo Instituto Ambiental de Munique, na Alemanha, e divulgados nesta quinta-feira (25), encontraram traços de glifosato, o herbicida mais utilizado no mundo e largamente empregado também no Brasil em lavouras de soja, em 14 populares marcas do país. Algumas delas inclusive são vendidas no Brasil. As informações são da agência alemã Deutsche Welle.

A quantidade varia de 0,46 a 29,74 microgramas por litro, ou seja, até 300 vezes o nível máximo de herbicida permitido na água potável, que é de 0,1 micrograma por litro. A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou em 20 de março de 2015 na prestigiosa revista The Lancet Oncology um estudo sobre o Roundup, herbicida à base de glifosato produzido pela Monsanto, que tem o potencial de causar câncer em humanos.

Contudo, o Instituto Federal Alemão de Avaliação de Riscos (BfR), órgão responsável por examinar potenciais ameaças à saúde pública, afirmou que a existência de resíduos de glifosato na cerveja é “plausível e, em princípio, esperada”, mas que os níveis citados não constituem riscos à saúde do consumidor. Segundo o que se sabe até o momento sobre o agente químico é que seria necessário ingerir mil litros de cerveja por dia para que o produto oferecesse riscos à saúde de um adulto.

A presença de glifosato na cerveja se explica, pois o produto químico é aplicado nas lavouras de trigo e cevada. O instituto pediu às cervejarias que realizem testes nos ingredientes que utilizam. A Associação dos Agricultores da Alemanha (DBV) rebateu às críticas afirmando que cerca da metade da cevada consumida no país é importada de outros países  onde as exigências para a aplicação de glifosato são menos rígidas, já que na Alemanha o uso do herbicida não é permitido.

Confira as cervejas avaliadas e a quantidade encontrada do herbicida

Krombacher Pils (2,99 microgramas (μg) por litro)
Oettinger Pils (3,86 μg/l)
Bitburger Pils (0,55 μg/l)
Veltins Pilsener (5,78 μg/l)
Beck’s Pils (0,50 μg/l)
Paulaner Weissbier (0,66 μg/l)
Warsteiner Pils (20,73 μg/l)
Hasseröder Pils (29,74 μg/l)
Radeberger Pilsner (12,01 μg/l)
Erdinger Weissbier (2,92 μg/l)
Augustiner Helles (0,46 μg/l)
Franziskaner Weissbier (0,49 μg/l)
König Pilsener (3,35 μg/l)
Jever Pils (23,04 μg/l)

Atualizado em 3 de março

A cervejaria Paulaner soltou nesta quinta-feira (3) uma nota em que chama de “questionável” a pesquisa do Instituto Ambiental de Munique e indaga se os resultados se sustentariam se submetidos “a análise sob critérios científicos sérios”.

Compartilhe

8 recomendações para você