Bebidas

tendência

Marca curitibana Morada produz sidra artesanal

A bebida, obtida da fermentação da maçã, tem três versões com teor alcoólico de 6,4%

por Andrea Torrente Publicado em 19/12/2016 às 19h
Compartilhe
chope de sidra da cervejaria curitibana morada cia etilica

A cervejaria curitibana Morada Cia. Etílica estrou no mercado da sidra com uma produção artesanal. Foto: Divulgação

Espumante ou champagne: você já sabe com qual bebida vai brindar neste fim de ano? Talvez nenhuma das duas. Como todos os anos, muitos brasileiros vão comemorar com sidra, um fermentado de maçã que passa por um processo parecido com o do espumante.

A bebida muito consumida nesse período do ano é, na verdade, obtida da fermentação da maçã, em seguida gaseificada e engarrafada. Há poucos meses estreou no mercado a linha de sidra artesanal da cervejaria curitibana Morada Cia. Etílica.

>>> Entenda as diferenças entre champagne, espumante e frisante

>>> Provamos 8 champagnes às cegas, veja o resultado

>>> 13 receitas de Natal para quatro perfis de família

Sidra artesanal

  • sidra epo ambu morada cia etilica de curitiba
  • sidra epo hibi da morada cia etilica em curitiba
  • sidra epo hop da morada cia etilica em curitiba
  • sidra epo ambu morada cia etilica de curitibaÉpo Ambu, maturada com ripas de amburana e carvalho, é ácida e seca na boca. Foto: Divulgação.
  • sidra epo hibi da morada cia etilica em curitibaÉpo Hibi não é propriamente uma sidra, mas uma bebida mista, pois leva suco de abacaxi e hibiscos. Tem acidez e leve dulçor. Foto: Divulgação.
  • sidra epo hop da morada cia etilica em curitibaA Épo Hop, com adição de lúpulos americanos, tem notas frutadas, acidez e secura na boca. Foto: Divulgação.

A sidra da Morada Cia. Etílica é produzida em Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, em parceria com a vinícola gaúcha Cia. Piagentini.

A bebida é feita com maçãs Fuji e Gala, cultivadas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina. “As maçãs devem ser doces, ácidas e amargas ao mesmo tempo. A complexidade de sabor dá as melhores  sidras”, explica Fernanda Lazzari, da Morada.

A sidra é obtida a partir de uma única fermentação em tanques de inox fechados (com válvulas tipo air lock que permite a pressão sair, mas nada mais entrar). O mosto fermenta por 15 dias graças às leveduras da própria casca do fruto. Após esse processo, a sidra é filtrada, carbonatada e engarrafada.

No comércio existem três versões. A Épo Hop, com adição de lúpulos americanos, tem notas frutadas, acidez e secura na boca; a Épo Ambu, maturada com ripas de amburana e carvalho, é ácida e seca na boca; a Épo Hibi, que não é propriamente uma sidra, mas uma bebida mista, pois leva suco de abacaxi e hibiscos, é ácida e tem leve dulçor.

Elas são ideais para tomar geladas como aperitivo, com gelo ou sem. Todas têm teor alcoólico de 6,4%. O preço é a  partir de R$ 12,90 (garrafa long neck) e pode ser encontrada também na versão chope em alguns bares de Curitiba.

Na Europa, sobretudo na França e no Reino Unido, onde a bebida é muito popular, a sidra é feita a partir de variedades específicas de maçã. Isso resulta em aromas e sabores diferentes.

“As sidras francesas são mais alcoólicas e vendidas em garrafas de espumantes, enquanto na Inglaterra o teor alcoólico é mais baixo e a sidra é vendida em garrafas de cerveja. Nós optamos pela linha inglesa, mais frisante, menos alcoólica e mais leve”, explica Fernanda Lazzari, da Morada Cia. Etílica.

***

Diferença entre espumante e sidra

O processo de fermentação da sidra pode ser comparado à de um espumante (dupla fermentação) ou de um vinho frisante (fermentação única). A CRS Brands, que produz as marcas Cereser e Chuva de Prata, usa os dois processos, dependendo do produto.

As bebidas da linha Cidre são feitas pelo método charmat, ou seja, passam por duas fermentações, cada uma com duração de 15 dias: a primeira é realizada em tanques de inox abertos e a segunda em autoclaves fechadas durante a qual forma as características bolhas do espumante. Toda a produção é feita no Rio Grande do Sul.

Já a sidra tradicional da CRS Brands passa por apenas uma fermentação, como o vinho frisante. A carbonatação é obtida por meio da adição de gás carbônico antes do envase. Ambas as fermentações são feitas com as leveduras da própria fruta.

“A Cidre tem um aroma mais delicado e complexo porque a segunda fermentação é feita nas autoclaves, ou seja, em um ambiente fechado que não deixa evaporar os aromas. O sabor é mais fino”, descreve Romildo Dalla Costa, enólogo da CRS Brands.

sidra-cidre-cereser-brut

Sidra da linha Cidre Brut da Cereser (R$ 20). Foto: Divulgação.

Há também versões saborizadas com outras frutas ou que levam vinho na composição, como as da linha Chuva de Prata. Pela legislação, estas não podem ser rotuladas como sidra e são chamadas de aperitivo soda.

A sidra (não confunda com cidra, fruto da cidreira), para ser considerada tal, deve ser feita 100% com suco de maçã fermentado. É o caso da bebidas da linha Cereser. O mosto é feito com maçãs Gala e Fuji cultivadas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, “variedades que se adaptam melhor ao clima e são apreciadas também in natura pelo consumidor brasileiro”, explica Dalla Costa.

A CRS Brands comercializa cerca de 20 milhões de garrafas de sidras e outras bebidas gaseificadas por ano. Os preços vão de R$ 10 (Sidra Cereser Tradicional e Edição Especial da Sidra Cereser) a R$ 20 (Cidre Cereser Brut e Demi-Sec).

 

Compartilhe

8 recomendações para você