Produtos & Ingredientes

Na França

Os 3 melhores queijos de Minas Gerais premiados na Copa do Mundo dos Queijos

Conheça melhor os três queijos mineiros que levaram medalhas superouro no Concurso Mundial de Queijos, na França

por Lorena Martins, de Belo Horizonte, especial Gazeta do Povo Publicado em 12/06/2019 às 09h
Compartilhe

BELO HORIZONTE — Famosos no mundo inteiro por seus queijos, os franceses estão se rendendo cada vez mais aos produtos que vêm de Minas Gerais. A prova de que o país do gruyere, do brie e do camembert está de olho no que é feito nas montanhas do estado veio na última semana, com a divulgação do resultado do “Mondial du Fromage” (Concurso Mundial de Queijos), realizado em Tours, na França: quando os queijos mineiros conquistaram 50 das 58 medalhas abocanhadas pelo Brasil.

A atividade queijeira de Minas Gerais é considerada um patrimônio cultural e imaterial brasileiro, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. “Isso se dá por conta da tradição, qualidade e diversidade, esse tripé que outros Estados não têm”, enumera o especialista em queijos artesanais mineiros, o jornalista Eduardo Girão. “Em Minas, a produção de queijo é muito antiga sem contar que produzimos queijo minas artesanal de várias maneiras e em diversas regiões do Estado”, diz.

Nessa edição do Concurso Mundial de Queijos foram avaliados — considerando critérios como aparência, sabor e textura — 953 queijos de 30 países. Além das 50 medalhas dos queijos mineiros, os estados de São Paulo, Paraíba e Pará também foram premiados.

O destaque fica para três queijos de Minas Gerais que trouxeram para casa a maior condecoração da disputa: a medalha superouro, concedida apenas aos produtos que já ganharam o ouro e voltaram em uma nova edição para serem novamente avaliados.

Todos são da região da Canastra, que fica no sul do estado. São eles: Santuário do Mergulhão Curado, de São Roque de Minas; Queijo Vale do Gurita, de Delfinópolis e o Canastra do Ivair, também de São Roque de Minas.

Conheça os 3 melhores queijos mineiros do Concurso Mundial de Queijos:

Santuário do Mergulhão – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra (curado)

santuario-do-mergulhao

O Santuário do Mergulhão é produzido de forma artesanal, com leite cru. Foto: divulgação

>>>Queijo de guacamole: marca lança queijo gouda feito com abacate

A produtora Silmar de Castro Mota é a terceira geração de uma família produtora de queijos da serra da Canastra e produz a iguaria há dois anos. “Esse prêmio veio agregar ainda mais valor ao nosso queijo, é uma recompensa de tudo isso. Nós produzimos de forma artesanal, com leite cru, com a preocupação de extrair, mas também preservar a natureza”, destacou a produtora, que ainda faturou uma medalha de prata no mesmo concurso com uma amostra extracurada.

O queijo superouro do Santuário do Mergulhão tem uma casquinha fungada externa, resultante de cerca de 90 dias de maturação, com leve sabor de castanha e textura macia. As encomendas podem ser feitas via Instagram, no perfil @santuariodomergulhao.

Vale da Gurita – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra

queijo-vale-do-gurita

Com leve cor dourada e cobertura de mofo branco, o queijo do Vale do Gurita tem sabor único. Foto: Ana Cristina Adams

>>>Como montar uma mesa de queijos e vinhos em casa

Arnaldo Ribeiro, produtor de queijo, já havia faturado uma medalha de prata com o Vale da Gurita em 2017, quando Minas ganhou onze medalhas no mesmo concurso. Agora foi a vez de ganhar a superouro com o seu queijo que tem gosto suave e levemente picante. “Nós nos dedicamos e mostramos a potência gigantesca que o Brasil tem na agricultura.E hoje temos milhares de produtores. Agora é o momento de aperfeiçoar a nossa legislação, pensando na exportação, já que não podemos fazer isso ainda porque é ilegal”, disse Arnaldo, sobre as dificuldades da legalização dos queijos artesanais.

O produtor ainda explica que o sabor do queijo vencedor é por conta do gado Caracu e Girolando, adaptado à região da Canastra e que produz o leite com maior teor de gordura, que caracteriza o sabor diferente. No processo de maturação, esse esse queijo adquire uma  leve cor dourada e sua cobertura de mofo branco vai conferindo um sabor único.

Os pedidos podem ser feitos no e-mail meuqueijo@queijovaledagurita.com.br

Canastra do Ivair, também de São Roque de Minas

canastra-do-ivair

O queijo Canastra do Ivair usa mofo no processo de maturação. Foto: Reprodução/ Instagram

>>Roquefort e gorgonzola: entenda as diferenças e semelhanças entre os queijos

Coberto por uma crosta enrugada, nem muito picante e nem muito salgado, o queijo equilibrado Canastra do Ivair, também de São Roque de Minas, usa mofo no processo de maturação e, por isso, sua casca é branquinha. Eduardo Girão explica que é justamente esse mofo que reflete com intensidade nos queijos. Ao mastigar, eis a surpresa: derrete na boca por conta do seu interior macio.

O produtor, Ivair José de Oliveira, produz queijo há 19 anos. Quando participou da competição internacional pela primeira vez, voltou da França  com três medalhas de prata. As encomendas podem ser consultadas pelo e-mail ivair.srminas@hotmail.com e também com venda online no site www.queijocomprosa.com.br

Canastra, a fonte:

A Serra da Canastra, responsável pelos queijos na categoria superouro, foi a que deu o pontapé na premiação internacional. A região é cercada e protegida por serras, matas, nascentes e córregos, o que garante um ambiente rico em fungos e bactérias naturais, fundamentais para o processo de maturação do queijo.

Em 2015, o produto produzido na fazenda Estância Capim Canastra foi premiado entre mais de 600 candidatos e conquistou o segundo lugar na mesma competição, em Tours, na França. No ano seguinte, em 2017, já foram doze queijos premiados: 1 superouro, 1 ouro, 7 pratas e 3 bronzes. Nessa edição, de 2019, acumulou 24 das 56 medalhas brasileiras no concurso.

“Essas medalhas são provas do esforço e conscientização dos produtores junto às associações, como a Associação dos Produtores de Queijo Canastra (Aprocan). O reconhecimento e a representatividade vem com a própria organização dos produtores em levar o queijo para o concurso e acreditar que eles são dignos de prêmio. E isso reflete na visibilidade de Minas Gerais”, acredita Girão.

Veja a lista completa dos queijos brasileiros premiados:

Superouro

MINAS GERAIS

  • Vale da Gurita – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Santuário do Mergulhão – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra (curado)
  • Queijo do Ivair – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra

OUTROS ESTADOS

  • Pardinho – Cuesta (oito meses) – (SP)

Ouro

MINAS GERAIS

  • Mineirinho – Queijo Minas Artesanal de Araxá
  • Rancho 4R – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra (180 dias)
  • Fazenda Bela Vista – Queijo Artesanal de Alagoa (60 dias)
  • Queijos Cruzília – Cruzília 300
  • Rancho das Vertentes – Névoa Tronco de Pirâmide

OUTROS ESTADOS

  • Queijo Canaã – PA

Prata

MINAS GERAIS

  • Sertanejo – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Maria Nunes – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Turvo Grande – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Santana – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Dona Iaiá – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Zé Mário – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Santuário do Mergulhão (extracurado) – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Roça da Cidade (canastra real) – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Vale Encantado – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Capão Grande – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Pingo de Amor (meia cura) – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Pingo de Amor (curado) – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Pingo de Amor (22 dias) – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Queijo Craveiro
  • Rudá – Débora Pereira
  • Fazenda Bela Vista (45 dias) – Queijo Artesanal de Alagoa
  • Fazenda Bela Vista – Queijo Artesanal de Alagoa (120 dias)
  • Queijos Cruzília – Requeijão
  • Queijo d’Alagoa – Queijo Artesanal de Alagoa (pequeno)
  • Serra dos Arachás – Queijo Minas Artesanal de Araxá

OUTROS ESTADOS

  • Pardinho – Mandala (12 meses) – SP
  • Fazenda São Victor – Queijo do Marajó tipo creme – PA
  • Bela Fazenda – Sinueiro – SP

Bronze

MINAS GERAIS

  • Curupira – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Paixão – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Rio das Pedras – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Quilombo – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Queijo do Serjão – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Valtinho – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Tradição da Canastra – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Rancho 4R (60 dias) – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Queijo do Ivair – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Queijo do Dinho – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Queijo do Miguel – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Porto Canastra – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Queijo do Cláudio – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Beira da Serra – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Queijo da Santa – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Capim Canastra – Queijo Minas Artesanal da Serra da Canastra
  • Cooperativa do Serro – Queijo Minas Artesanal do Serro
  • Hélder Falcão Aragão – Queijo Falcão (massa crua)
  • Queijos Cruzília – Dagano
  • Queijaria Datas – Fazenda Vitória (Serro)
  • Queijaria Datas – Queijo Datas Guzerá
  • Bicas da Serra – Queijo Minas Artesanal do Campo das Vertentes (Império)

OUTROS ESTADOS

  • Laticínio Grupiara – Serra do Pico – RJ

 

VEJA TAMBÉM

Compartilhe

8 recomendações para você