Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Golpe Instagram
Empresários relatam que golpistas copiam todo o conteúdo dos perfis oficiais para dar uma suposta credibilidade aos falsos.| Foto: Guilherme Grandi/Gazeta do Povo

As quadrilhas que aplicam o golpe da clonagem de perfis de restaurantes no Instagram, para oferecer falsos vouchers de desconto ou refeições grátis em troca do código de verificação do WhatsApp, estão se especializando e se aperfeiçoando cada vez mais. É o que revelam as estatísticas do Nuciber, o Núcleo de Combate aos Cibercrimes da Polícia Civil do Paraná, que viu dobrar a quantidade de boletins de ocorrência feitos em 2020 na comparação com o ano anterior.

Ao longo do ano passado, marcado quase que inteiro pela pandemia do coronavírus, foram 8 mil boletins registrados, sendo 6 mil deles de golpes do Instagram e do WhatsApp. Em 2019, foram 4 mil ocorrências registradas no geral dos cibercrimes.

E não é difícil encontrar restaurantes, lanchonetes, bares e hotéis que tenham tido perfis no Instagram clonados por essas quadrilhas. Um levantamento feito pelo Bom Gourmet Negócios com cerca de 200 empreendedores de Curitiba e de São Paulo apontou que pelo menos metade deles já foi vítima dos cibercriminosos nesta modalidade de golpe.

Um deles é o chef e empresário Giuliano Hahn, do restaurante Armazém Santo Antônio, de Curitiba, que diz ver novos perfis falsos sendo criados quase que diariamente no Instagram. Ele vê uma escalada do golpe, com os criminosos aperfeiçoando as técnicas de convencimento das pessoas.

“Eles inclusive se passam pelo dono do restaurante falando com as pessoas no chat do aplicativo, sabem o meu nome e se apresentam como se fosse eu. E ainda dizem que o restaurante tem dois perfis no Instagram, um apenas para a divulgação dos pratos e promoções, que seria o oficial, e outro para a interação com os usuários da rede, que é o perfil falso”, relata.

Giuliano conta que todos os dias recebe ligações de pessoas xingando e reclamando que caíram no golpe, exigindo uma reparação, mesmo com todos os avisos que ele faz nas redes sociais sobre os perfis falsos. Um deles está no ar há seis meses mesmo com sucessivas denúncias ao Instagram que, segundo ele, ainda não excluiu da rede.

“Não existe almoço ou jantar grátis. Desconfie sempre que receber uma vantagem fácil demais, e ligue para o restaurante para saber se a promoção é realmente de verdade”, explica José Barreto, delegado titular do Nuciber.

O golpe consiste em criar uma conta falsa no Instagram com todas as informações e imagens do perfil original do restaurante - um clone quase perfeito exceto pelo nome usado na extensão do endereço instagram.com/ ou do @ . Com a página fake no ar, os golpistas começam a entrar em contato com potenciais vítimas do golpe, dizendo que analisaram o perfil dela e oferecendo um voucher de desconto ou de uma refeição cortesia.

Pedem, então, o número de celular usado no WhatsApp, alegando que vão enviar o suposto voucher pelo aplicativo, e que um código de verificação de seis números deve ser informado para validar a cortesia. Neste momento, os golpistas se apossam da conta para pedir dinheiro aos contatos da vítima se passando por ela mesma, dizendo que está passando por dificuldades financeiras e que precisa pagar uma conta ou algo do tipo imediatamente, convencendo a outra pessoa a fazer pequenos depósitos monetários.

Assim, os golpistas conseguem levantar quantias em dinheiro de diversas pessoas que acreditam que seu amigo está realmente precisando.

Do Brasil e exterior

Titular do Nuciber há um ano e meio, o delegado José Barreto confirma que as quadrilhas que aplicam este tipo de golpe estão cada vez mais especializadas e capacitadas, e que essa dificuldade vivida por Giuliano Hahn é o principal empecilho para o avanço das investigações do núcleo.

Bate-papo falso
Bate-papo do responsável por uma conta falsa com um usuário do Instagram, obtido pelo proprietário de um dos restaurantes vítima de golpes. Os nomes foram ocultados a pedido dele.| reprodução/cedido pelo proprietário

Como a empresa dona da rede social tem sede fora do país, mesmo com uma unidade no Brasil, os pedidos de informações e de cancelamento de contas falsas demoram a ser retornados.

“Além disso, a demanda por atendimento no Nuciber é enorme, são pelo menos 50 crimes registrados todos os dias que esbarram nessa limitação, na dificuldade de se investigar o ambiente online e também de, muitas vezes, os próprios empresários não darem prosseguimento ao caso depois que a conta falsa foi tirada do ar”, conta.

A dificuldade de retorno das empresas é a mesma vivida pela consultora de marketing Marcia Oliveira, que atende a três restaurantes de Curitiba. Em um deles, o perfil foi roubado por um hacker na Ásia.

O mesmo restaurante já viu três perfis falsos criados recentemente no Instagram que continuam ativos mesmo com denúncias feitas na plataforma. Outro estabelecimento atendido por ela, de alto padrão, teve o perfil clonado em que era oferecido um jantar de graça.

“Os clientes estão caindo neste golpe, e não é mais apenas o pessoal mais velho que não está acostumado com os meios digitais. E o Instagram não está nem aí para essas duplicações”, diz.

Já Nelson Goulart Junior, presidente da seccional paranaense da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-PR), diz ver duas vítimas destes golpes: o próprio restaurante e os clientes. Cada um com seus prejuízos.

Ele mesmo já viu seu restaurante Ibérico ser alvo de perfis falsos no Instagram, e cobra medidas mais efetivas de controle do cadastro de novas contas na rede social.

“Nós como Abrasel queremos intimar o Instagram e o Facebook a terem filtros mais rígidos pra abertura de contas com nomes que são comerciais. Eles deveriam ter lá, certamente, ferramentas pra fazer esse tipo de análise antes de aceitar e lançar a conta, como verificar nomes com mais de 10 ou 5 letras que sejam parecidos com outros já existentes”, explica.

Para ele, não deve ser assim tão difícil, visto que os algoritmos da própria rede social já limitam publicações políticas ou de conteúdos que violem os padrões da comunidade.

O Instagram, que pertence ao Facebook, foi procurado pelo Bom Gourmet Negócios e informou que removeu as contas citadas na reportagem. Em nota, a rede social informou que "fingir ser outra pessoa, marca ou negócio viola as Diretrizes da Comunidade do Instagram, e as contas indicadas pela reportagem foram removidas. Temos uma equipe dedicada para detectar e impedir esses tipos de golpes e encorajamos as pessoas a denunciarem quaisquer contas ou atividades suspeitas no Instagram por meio das nossas ferramentas de denúncia" disse um porta-voz do Facebook.

Veja mais abaixo as orientações da empresa para evitar cair no golpe do falso perfil do restaurante -- e o que fazer se seu WhatsApp for clonado por um estelionatário.

Como se proteger

O aumento explosivo de boletins de ocorrência registrados no Nuciber de Curitiba em 2020 encontra paralelo com um levantamento divulgado na última semana pela consultoria Clearsale, que registrou mais de 600 mil tentativas de golpes contra o e-commerce apenas no primeiro trimestre deste ano – aumento de 83,7% na comparação com o mesmo período do ano passado. Destes, 9% foram de alimentos e bebidas.

José Barreto conta que o aumento da quantidade de cibercrimes já era esperada, por conta das restrições de isolamento com as pessoas em casa e dependendo apenas da internet para interagir com o mundo exterior. E a tendência é de que estes crimes aumentem ainda mais.

“São pessoas isoladas e quadrilhas que viram neste tipo de crime uma forma mais fácil de aplicar golpes, inclusive contratando pessoas que trabalharam em centrais de telemarketing por terem bons argumentos de convencimento das vítimas. Os bandidos estão migrando das ruas para a internet, e mesmo de dentro das prisões este tipo de crime está aumentando. Só em uma cadeia de Goiás foram apreendidos centenas de celulares em uma operação recente”, conta.

O delegado titular do Nuciber reconhece que a prevenção a este tipo de crime é difícil, mas traz algumas recomendações:

Conta verificada – embora já existam perfis falsos que conseguiram a verificação da conta, este selo garante que a página na rede social tem um proprietário de verdade. É uma garantia para se precaver.

Posts com avisos – vale sempre reforçar qual é o perfil oficial do restaurante através de publicações no feed e nos Stories, e avisar aos usuários quando surgir uma página falsa.

Buscas na rede social – especialistas recomendam fazer buscas periódicas no Instagram utilizando o nome do restaurante, para saber se há perfis semelhantes criados sem o conhecimento do proprietário.

Denúncia – caso encontre um perfil falso, denuncie pelo próprio aplicativo da rede social e faça um boletim de ocorrência (BO). O delegado José Barreto ressalta a importância de se registrar um boletim de ocorrência, mesmo com as dificuldades de investigação.

“É importante fazer o BO para termos uma noção do tamanho desta modalidade criminosa, termos a estatística, e mais para frente pode ajudar em novas investigações de quadrilhas que venhamos a prender e que possam ter ligação com o crime cometido”, completa.

As denúncias de ocorrências no Paraná devem ser feitas pela internet na página da Delegacia Eletrônica da Polícia Civil (clique aqui) como um caso de estelionato.

Se você estiver em outro estado ou a ocorrência aconteceu fora do Paraná, consulte os órgãos locais de segurança.

Instagram e WhatsApp

Veja abaixo as orientações da empresa para evitar o golpe do falso perfil do restaurante na rede social:

Para empresas e contas comerciais:

Para os usuários do Instagram:

  • Ative a autenticação em duas etapas (Instagram e WhatsApp), que funciona como uma camada extra de segurança para as contas tanto no seu Instagram quanto no seu WhatsApp;
  • Desconfie de ofertas de produtos, promoções e serviços com preços muito abaixo dos valores médios praticados no mercado;
  • Empresas raramente possuem perfis privados, nos quais você precisa de autorização para seguir. Desconfie de negócios cujas contas não são públicas;
  • Desconfie de contas que direcionam você a um site externo, fora do Instagram, ou que pedem que você compartilhe dados pessoais, bancários ou compartilhamentos para obter um prêmio ou oferecer uma promoção. Vale verificar se a URL (endereço do site) externa parece ou não suspeita;
  • No caso de grandes empresas ou figuras públicas, procure o selo de verificação azul;
  • Nunca compartilhe senhas com terceiros;
  • Denuncie anúncios, publicações ou contas que pareçam suspeitas. Assim poderemos revisar e tomar a ação necessária. O Instagram não compartilha suas informações com a conta cuja publicação ou perfil você está denunciando;
  • Na Central de Ajuda do Instagram você pode encontrar mais informações sobre como evitar fraudes no Instagram.

Como Denunciar contas falsas no Instagram:

Se você encontrar uma conta que acredite estar se passando por uma pessoa, marca ou organização, denuncie através do passo a passo abaixo:

Como denunciar um perfil:

  • Toque em  "..." na parte superior direita do perfil
  • Toque em Denunciar
  • Selecione “O conteúdo é inadequado” e, depois, “Denunciar conta”
  • Selecione a opção “Está fingindo ser outra pessoa”
  • Indique se a conta falsa está fingindo ser você, uma pessoa conhecida ou uma celebridade/figura pública. No caso de perfis verificados, você pode indicar qual o perfil legítimo que a conta falsa está fingindo ser. 

Em casos de clonagem e/ou roubo de contas do WhatsApp:

  • Solicite a verificação da conta via SMS. Reinstale o WhatsApp, entre com seu número de telefone e confirme o código de seis dígitos que você receberá via SMS. Dessa forma, qualquer indivíduo que estiver usando sua conta será desconectado automaticamente;
  • Notifique amigos e família. Muitos golpistas usam sua lista de contatos para solicitar informações sigilosas e pedir depósitos em dinheiro. Se sua conta for violada, entre em contato com pessoas próximas para avisar sobre o ocorrido. No caso de uma pessoa supostamente conhecida solicitando dinheiro, é recomendável entrar em contato por telefone para confirmar a autenticidade do pedido;
  • Entre em contato com a equipe de atendimento do WhatsApp. Mande um e-mail para support@whatsapp.com. O e-mail pode ser enviado em português, com assunto como “Conta clonada/roubada” e deve conter o número em formato internacional (+55 DDD ...). Descreva o ocorrido com o máximo de detalhes possível no corpo do e-mail.

Em caso de tentativa de roubo de conta, o WhatsApp também ressalta que a criptografia de ponta a ponta do aplicativo não é comprometida. Ou seja, o golpista não tem acesso a mensagens anteriores que estão armazenadas no seu telefone.

Saiba mais sobre como se manter seguro no WhatsApp neste link.

Ao denunciar uma conta, suas informações não serão compartilhadas com a conta cuja publicação ou perfil você está denunciando.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]