Notas Báquicas

Notas Báquicas

Seis vinhos do Vêneto que custam até R$ 150

Na coluna mensal de Guilherme Rodrigues está a seleção dos melhores rótulos provados às cegas

por Guilherme Rodrigues Publicado em 08/04/2015 às 22h
Compartilhe
Os sabores da Itália. Foto: Bickstock

Os sabores da Itália. Foto: Bickstock

O Vêneto, no nordeste da Itália, é a região de origem de grande parte dos italianos que imigraram para o Brasil a partir do final do século 19. Não por acaso trouxeram e implantaram por aqui a cultura da vinha e do vinho, milenar nas terras de onde vieram..

A região começa junto à costa, ao redor de Veneza, com ampla planície. Em direção aos Alpes surgem colinas e a seguir as montanhas. Os vinhos mais célebres são o Valpolicella (tinto), Soave (branco) e Prosecco (espumante). É grande a diversidade de castas locais e de estilos peculiares de vinhos, resultado de milênios de cultivo da vinha e do vinho.

Nos tintos, o local mais famoso fica numa faixa de terreno que começa no Lago de Garda e se estende para leste. Terra do famoso romance Romeu e Julieta e da renomada casta Corvina, a mais nobre da região, ao lado da Molinara e Rondinella. Dali saem os Valpolicellas, Bardolinos e os grandiosos Amarones e Reciotos. Estes últimos elaborados com uvas passificadas, mas tintos secos, perfumados e aptos a décadas de guarda. Em geral mais caros, em alguns casos uma garrafa pode custar cerca de dois milhares de reais e pouco mais.

A região ainda se recupera do excesso de produção e caráter comercial que a dominou nos últimos 30 anos do século passado. Aos poucos encontram-se cada vez mais vinhos com boa intensidade e bem elaborados. Castas francesas também são cultivadas e temperam diversos blends. São vinhos bem característicos, fogem do lugar comum, com bons aromas. Sobretudo muito versáteis com as refeições, notadamente pizzas, massas, ragus, legumes, aves, arroz e guisados. Impecáveis com os risotos, galetos e galinhadas, trazidos a nós pelos imigrantes da região.

Selecionamos oito dos melhores rótulos disponíveis no mercado ao preço de até R$ 150. Testamos em prova às cegas (sem conhecer os rótulos antecipadamente) e divulgamos aos leitores os seis campeões. O local da degustação não poderia ser mais apropriado, o inspirado restaurante Alfredo’s Gallery.

Além deste redator participaram da prova o talentoso provador Luiz Carlos Zanoni e o sommelier Alex Nascimento, que supervisionou e impecável serviço. Após os trabalhos, o chef Marco Antônio serviu uma primorosa polenta com ragu de mignon, combinação perfeita com os vinhos. Degustamos ao final, trazidos da adega deste redator e do Zanoni, dois estupendos Amarones da Valpolicella: Masi Mazzano 1990, intenso e sedoso (97 pontos) e Bertani Recioto, muito perfumado e sensual 1967 (95 pontos).

Compartilhe

8 recomendações para você