i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Novos hábitos

Brasileiros reduzem o consumo de carne, aponta pesquisa

  • PorGuta Bolzan, especial para o Bom Gourmet
  • 09/12/2020 16:05
Brasileiros reduzem o consumo de carne, aponta pesquisa
| Foto: iStock

O brasileiro diminuiu o consumo de carne em cada refeição nos últimos 12 meses. Os dados são de uma pesquisa desenvolvida pelo The Good Food Institute (GFI) em parceria com o Ibope e divulgada esta semana durante live sobre o consumo de carne e alternativas vegetais no Brasil. Em 2018, segundo estudo do instituto, 29% dos entrevistados informaram que reduziram o consumo de proteína animal - agora esta parcela já representa 50%.

O crescimento rápido mostra o surgimento de uma nova categoria de consumidores: os flexitarianos. Esse perfil corresponde àquelas pessoas que diminuíram o consumo de produtos de origem animal, mas que não deixaram de comê-los de forma definitiva e, portanto, não podem ser considerados vegetarianos ou veganos.

Segundo a análise do GFI Brasil, entre os fatores que influenciam essa redução do consumo de proteína animal está a preocupação com a saúde e a sua relação com a alimentação, pois 62% dos flexitarianos considera importante que o alimento seja o mais natural possível. E, quando substitui produtos de origem animal, esse público prioriza que o alimento tenha menos gordura (39%) e que possua vitaminas, cálcio e zinco (37%). “Podemos afirmar, com bastante clareza, que a preocupação e cuidado com a saúde são as principais motivações dos respondentes para reduzir o consumo de produtos de origem animal. Essa é uma tendência que percebemos desde 2018, com a realização de outras pesquisas”, ressalta Gustavo Guadagnini, diretor executivo do The Good Food Institute Brasil.

O estudo foi realizado entre os dias 9 e 20 de maio deste ano, com 2 mil participantes das classes A, B e C em todas as regiões do Brasil. Na pesquisa, os participantes indicaram os seus comportamentos nos últimos 12 meses (entre maio de 2019 e abril de 2020). “É claro que não podemos desconsiderar que a pesquisa foi realizada em meio à pandemia de COVID-19 e que impactos socioeconômicos podem ter influência neste cenário. Mas os dados acompanham uma tendência mundial de repensar o consumo de produtos de origem animal aliada à preocupação dos consumidores com os atributos nutritivos do que estão ingerindo e padrões de sustentabilidade”, explica Gudagnini.

Comportamento

O levantamento também constatou a redução no consumo de derivados de proteína animal. Entre os entrevistados, 42% afirma consumir leite apenas uma vez por semana. Número ainda menor em relação ao consumo de outros laticínios (36%) e ao consumo de ovos (41%).

Além disso, os dados também apontam que 47% das pessoas substitui a proteína animal exclusivamente por legumes, verduras e grãos, além de indicarem que os consumidores estão dispostos a conhecer novos produtos e a buscar alternativas para o consumo de produtos de origem animal: 59% das pessoas afirma ter consumido alternativas vegetais - os chamados produtos plant-based - ao menos uma vez por semana. "O conceito de alternativas vegetais no Brasil tem crescido muito rapidamente e está, cada vez mais, conquistando consumidores que ainda consomem produtos de origem animal”, afirma Raquel Casselli, gerente de engajamento corporativo do GFI Brasil.

Para a alternativa vegetal ser bem aceita pelos consumidores, no entanto, alguns pontos não podem ser deixados de lado. A pesquisa aponta as três questões consideradas mais importantes pelos entrevistados: os produtos devem ter sabor, textura e aroma igual ou melhor do que o similar animal, devem ser mais naturais e devem ter valor nutricional igual ou melhor do que o similar animal. “Produtos mais saudáveis, seguros, éticos e sustentáveis. Estes são os valores que farão cada vez mais pessoas reduzirem ou abandonarem seus hábitos tradicionais”, enfatiza.

E a tradição é um fator muito importante nessa equação, afinal o aspecto cultural da alimentação deve ser considerado. Mais do que se alimentar para sobreviver, a comida traz memórias afetivas e remete às tradições culturais. “A carne está inserida em muitas das tradições brasileiras como a feijoada, o churrasco de domingo, o peru no Natal, o bacalhau na Páscoa. Por isso, a mudança desses hábitos depende de a indústria conseguir desenvolver produtos que se insiram nessas situações, e, principalmente, que promovam a mesma experiência sensorial”, explica Casselli.

O preço é um fator decisivo na hora da compra. Apenas 36,5% dos entrevistados disse estar disposto a pagar a mais por um análogo vegetal e 39% dos entrevistados escolheram a opção mais barata. A tendência, no entanto, é que esses produtos fiquem mais acessíveis à medida em que o mercado se desenvolve. “O preço vai ficando mais competitivo conforme a escala aumenta, o domínio das tecnologias é maior e conseguimos nacionalizar os ingredientes”, afirma.

Apesar do preço ser determinante para uma parcela dos entrevistados, a necessidade de produtos mais saudáveis se sobrepõe ao valor e a pesquisa aponta que 30% dos consumidores estão dispostos a pagar mais caso o produto tenha aditivos naturais ao invés de artificiais. Outros 30% também afirmaram que pagariam um valor mais alto caso o produto não apresente gorduras saturadas.

A especialista reforça, também, que é preciso que as pessoas conheçam os benefícios das alternativas vegetais e que não restringi-las a áreas específicas nos supermercados é uma boa maneira de atingir mais consumidores. “A maioria das pessoas que virem uma seção para diabéticos não vai se identificar, pois não é diabética. Porém, se o supermercado coloca uma geleia sem açúcar ao lado da geleia tradicional, muitos consumidores vão comprar por entenderem o benefício de consumir menos açúcar”, conclui.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Stanislau Surek

    ± 0 minutos

    Com o preço da carne a população vai aprender à virar vegetariana rapidinho.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • J

      Jorge Padilha

      ± 3 horas

      Tem que boicotar os açougues e não pagar esse absurdo preço.Parece que se não tiver churrasco no fim de semana o mundo acaba porisso estão aí com colesterol nas alturas e cheios de doenças.Viva o peixe,viva a beringela,viva o grão de bico,viva a sardinha cujo, preço é de 16,00 o kg

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • G

        Guajuvira

        10/12/2020 19:47:30

        Flexitarianos.. Quem foi o otariano que criou isso? Trata-se de preço vs demanda.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • M

          Marcos Ctba

          10/12/2020 17:36:47

          Preço alto é a resposta. Abaixa só para ver se o consumo não aumenta. independente se é light ou não.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • M

            Manoel Cesar Romero

            10/12/2020 17:01:35

            Nós consumidores, temos que nos valorizar, buscar preço justo, buscar alternativas de alimentação mais barata. Existem no mercado muitos exploradores. Ex: restaurante cobrando R$14, 15 reais uma cerveja + 10% etc. Temos que boicotar exploradores principalmente nesta época.....

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • P

              PastorRosevaldo

              10/12/2020 16:34:09

              É nada!! São os preços!!!

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              Fim dos comentários.