Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Ilustrações: Felipe Lima
| Foto: Ilustrações: Felipe Lima
 |

Wabi sabi

a vida quebrasonhos em pedaçosmas sonhando no espaçonada quebra: mais um elo,um motivo, ser mais beloque a belezadestruída. (já havia aviso de asas)

Marilia Kubota (do livro Esperando as Bárbaras, Editora Blanche, 2012)

 |

o voo da abelha termina na parede sombra da orquídea

Alice Ruiz (do livro Jardim de Haijin, Editora Iluminuras, 2010)

 |

ontem na alfombraem pleno oceanode veludo, na linhado lençol, antes doabandono ao sonoe do trottoir de vapor no travesseiro, o fumono quarto caleidoscopiando osanseios e ossuspiros e osdevaneios (osmeninos rindonum domingo,os passos da mãeno sítio do berço,mosquiteiro que seescavava em paradisoou mesmo o aesmo lezamadodas pupilas entrevistas), antes dissoe mais, viesse portrás, achei, ou quis,que dá no mesmo,você, você mesmae o seu abraço,assim, como um laço em mim

Ricardo Pedrosa Alves

 |

soltasdo cauleas pétalasdo ipêdescolorema penugemdos talos(de repenteleves,da corolalivres),em alvoroçoviçam– após lentopouso –de solo capim

Josely Vianna Baptista, (Do livro Roça Barroca, Cosac Naify, 2012)

Os livros de poesia andam vendendo pouco. O que não significa que a poesia perdeu força: quando ela atinge o público, sempre provoca reação. Os poetas seguem fazendo seus versos com força e inspiração.

Os leitores seguem precisando da provocação desses versos. Por isso, como tem feito nos últimos anos, o Caderno G publica hoje poemas de alguns autores paranaenses.

IUm sentido para o corpo

A cambraia fina teceu fio a fio o vestido de Elisabeth Bishop a cambraia negra desmanchou fio a fio o vestido de Elisabeth Bishop. Elisabeth Bishop como um peixe um feixe uma cadela colada na cambraia fio a fio nadando na baía de Guanabara flutua seu vestido agora anáfora âncora um sintagma repetido mil vezes tecido fio a fio e agora ela com seu corpo largo desfaz-se na cambraia and then there is no choice Elisabeth Bishop

IIA queda

A verdade é trama no tule porque a verdade não é sinuosa digo: a verdade é rasa e não um mergulho e quando a bailarina salta as saias de filó rasgado brilham no ar ondulando os olhos percorrem o corpo as pernas o torso a verdade é um instante um muro que se rasga que se apaga no escuro a verdade foi tramada a faca e quando a bailarina rasga o ar o tule num segundo abre-se como asa

IIIEncontro com a senhora C.l.

Olhos oblíquos a mulher soltou a máxima: eu preciso de algumas horas de solidão por dia senão me muero me calo me mato enfim eu preciso de um cigarro e apressada sentou no café abarrotado olhos oblíquos a mulher carregava a tarde sobre os ombros eu preciso de algumas horas de solidão por hora ou me muero me calo num segundo eu nunca recordo os sonhos ela disse sou Haia Pinkhasovna senhora Haia Pinkhasovna eu preciso de um nome

Jussara Salazar

Auto posto Nossa Senhora Aparecida

ela diz, franzina,exatamente assim, sorriso bonito entre os lábios.

Não é sempre que encontro uma frentista,e fresca e disposta como esta.

Muito menos quem conjugue o verbo "cagar"com tal encanto e propriedade.

Sou um homem triste, esquivo, presoà minha classe (sic),preso ao cinto deste carro.

Peço a ela que complete o tanquee sigo adiante,

enchendo a cidade de sombras,dióxido de carbonoe versos imperdoáveis.

Marcelo Sandmann

"Quase às pressas"

Quase às pressasQuis o tempo RevertidoMinuto a minutoPular os degrausSaltando o futuroE fazer o não feitoDizerPalavra a palavraO que ficou para depois

Quase às pressasDesejei a fugaImprovisadaPasso a passoDriblar o afetoEscapando de mimE reescrever o contoApagarLinha a linhaO que ficaria sem fim

Paulo Camargo

velho coração bate acordesde bossa nova

Edgar Yamagami

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]