i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Visuais

Fotógrafo Orlando Azevedo investiga as “ruínas” do passado

Exposição de Jacob Bensabat, heterônimo de Orlando Azevedo, é uma metáfora sobre a fotografia e marca uma virada de carreira

  • PorSandro Moser
  • 29/01/2016 20:00
Azevedo se inspira no seu “poeta da vida inteira”: Fernando Pessoa. | Henry Milléo/Gazeta do Povo
Azevedo se inspira no seu “poeta da vida inteira”: Fernando Pessoa.| Foto: Henry Milléo/Gazeta do Povo

A parede de uma casa destruída forma o mapa do Brasil. Há um navio encalhado que não vai mais zarpar. Escombros de um antigo teatro parecem gritar que não há mais lugar para arte. Os restos de uma prisão desativada mostram que ali, ao menos, a dor cessou.

Essas são algumas das imagens que formam a exposição “Ruínas”, a nova mostra individual de Jacob Bensabat, um heterônimo de Orlando Azevedo, que abre na próxima quinta-feira (4), no MuMA.

Veja algumas imagens da exposição “Ruínas”

As obras expostas revelam o entendimento que o fotógrafo tem da própria arte. E também como ele vai direcionar a carreira de quase 50 anos daqui em diante.

Uma das fotografias que fazem parte da mostra “Ruínas”.Orlando Azevedo/Divulgação

Segundo Azevedo, a ideia de “Ruínas” nasce de uma metáfora sobre a própria fotografia. “Toda foto é uma ressurreição de um passado. É o meu olhar sobre essa desconstrução e o ímpeto constante em renascer”, diz.

A exposição reúne 75 imagens impressas em papel algodão. No material selecionado, há fotos tiradas há mais de 30 anos em locais como Sri Lanka e também fotos tiradas há menos de dez dias no antigo presídio do Ahú.

Há ainda registros feitos no arquipélago de Açores, em Portugal onde nasceu e esteve ano passado para “investigar a própria diáspora”.

“Ruínas” marca ainda a primeira vez em que o experiente fotógrafo assume publicamente um dos heterônimos com os quais pretende levar a cabo o projeto de publicar mais dez livros até o fim de sua carreira.

“Ruínas”

Exposição de fotografias de Jacob Bensabat (heterônimo de Orlando Azevedo). Abertura no dia 4 de fevereiro às 20h no Museu Municipal de Arte de Curitiba – MuMA (Av. República Argentina, 3.430 – Portão), (41) 3329-2801. Até 14 de fevereiro.

Ele admite que a criação do alter ego foi influência de Fernando Pessoa, “meu poeta da vida inteira”.

“Uso o heterônimo para não confundir ninguém sobre uma possível falta de identidade do Orlando Azevedo”, explica, falando de si mesmo em terceira pessoa.

“Ele [Azevedo] é um fotógrafo humanista cuja preocupação principal é a documentação do patrimônio natural e humano.

Um retratista, com muito orgulho.

Porém, existem outras linhas de trabalho que ele não dá conta de seguir sozinho. “Interessa-me tudo o que me perturba”, diz.

Azevedo compara o próprio trabalho com o de seu heterônimo dizendo que, entre as imagens de ruínas, não há figuras humanas.

Mas é possível sentir a presença de pessoas “nos restos e nas sobras”.

“É como se erguessem bandos e matilhas, uivos e rangidos”, diz o fotógrafo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.