A Fita Branca ganhou o prêmio mais importante do Festival de Cannes, a Palma de Ouro, em 2009 | Divulgação
A Fita Branca ganhou o prêmio mais importante do Festival de Cannes, a Palma de Ouro, em 2009| Foto: Divulgação
  • Cena do longa

O filme Das weisse band (The white ribbon) foi anunciado como o grande vencedor da 62ª edição do Festival de Cannes. Dirigido pelo austríaco Michael Haneke, a produção levou a Palma de Ouro, neste domingo (24).

A presidente do júri de Cannes, a atriz francesa Isabelle Huppert, justificou a escolha falando da "direção ética" de Haneke. "Ele consegue fazer o filme muito filósofico, de certo modo. Seu estilo, sua direção é totalmente ética, na minha opinião. Mantém a distância perfeita ao objeto que está filmando, não entrega mensagem, apenas mostra as coisas de modo muito sutil".

Huppert também explicou que esta foi a oportunidade de "recompensar um filme extraordinário". "Claro que fiz filmes com Haneke antes, mas sempre o amei como diretor. Em certo sentido, por sua humanidade, que às vezes toma um caminho estranho, mas o torna mais interessante", completou.

Das weisse band já havia confirmado seu favoritismo ao receber o prêmio da Federação Internacional de Críticos de Cinema (Fipresci, em francês), no último sábado (23). A produção conta a história de um vilarejo no norte da Alemanha que vê sua rotina alterada quando uma série de crimes começam a acontecer envolvendo seus habitantes – crianças, inclusive.

Filmado em preto e branco e ambientado às vésperas da Primeira Guerra Mundial na mesa região onde surgiria mais tarde o nacional-socialismo, o longa retrata as devastadoras consequências dos rígidos padrões morais e sua projeção sobre as novas gerações.

Iconoclasta e revolucionário, em várias ocasiões Haneke – que também dirigiu A professora de piano (2001) - descreveu a si mesmo como um otimista que acredita que o espectador reagirá aos golpes secos do cinema que faz. "Todos os meus filmes falam da violência, é impossível não lidar com isso se você está filmando no mundo atual", disse em entrevista coletiva realizada na útlima quinta-feira (21), em Cannes.

Atuações premiadas A francesa Charlotte Gainsbourg, de Antichrist, e o austríaco Christoph Waltz, de Inglorious Basterds, levaram os prêmios de melhor atriz e ator do festival.

O prêmio de melhor atuação feminina foi o único concedido ao filme de terror do dinamarquês Lars Von Trier. Antichrist foi a produção que mais causou polêmica no festival, ao mostrar cenas perturbadoras de sexo e mutilação.

O prêmio de melhor direção, para o filipino Brillante Mendoza por Kinatay, também gerou controvérsias. O filme, também repelto cenas chocantes, mostra grupo de gangsters estuprando e esquartejando uma prostituta

"É um dos filmes mais poderosos na seleção", afirmou Nuri Bilge Ceylan, membro do júri de Cannes. "É um estilo bem original, que nunca vi em minha história pessoal".

"Não é um filme para se levar a namorada", completou o diretor James Gray, também do corpo de jurados.

Confira a lista dos principais vencedores da noite, e uma breve descrição dos filmes premiados:

PALMA DE OURO

- The White Ribbon (A Fita Branca) dirigido pelo austríaco Michael Haneke. Um pequeno vilarejo é atingido por uma série de crimes misteriosos e cruéis. Um grupo de crianças estão entre os principais suspeitos.

GRAND PRIX

- Un Prophète, do diretor francês Jacques Audiard. Malik é condenado a seis anos de prisão, e precisa usar sua ingenuidade para sobreviver na perigosa rivalidade entre gangues.

PRÊMIO ESPECIAL

- Para o veterano diretor francês Alain Resnais. Este ano ele apresentou Wild Grass. Ao encontrar a carteira de um estrangeiro em seu carro, George começa a procurar a misteriosa e fascinante Marguerite.

MELHOR ATOR

- O austríaco Christopj Waltz ganhou o prêmio de melhor ator por sua interpretação como oficial nazista em Inglourious Basterds, de Quentin Tarantino. Um grupo de soldados norte-americanos-judeus misturam-se em uma conspiração para matar líderes do Terceiro Reich, incluindo Hitler.

MELHOR ATRIZ

- Charlotte Gainsbourg por Antichrist, dirigo pelo dinamarquês Lars Von Trier. Ela e Willem Dafoe interpretam um casal que vivencia a morte do filho em um acidente. Eventos fora de controle acontecem quando eles vão para um cabana isolada para tentar se recuperar da perda.

MELHOR DIRETOR

Kinatay dirigido por Filipino Brillante Mendoza. Peping, um estudante de criminologia, acompanha seu amigo em uma missão para ganhar dinheiro, mas se arrepende de sua decisão à medida que eventos desagradáveis começam acontecer.

MELHOR ROTEIRO

- Mei Feng por seu roteiro de Spring Fever, dirigido pelo chinês Lou Ye. Uma mulher contrata um homem para espionar uma relação homossexual apaixonada que envolve seu marido.

PRÊMIO DO JÚRI

- Fish Tank, dirigo pela britânica Andrea Arnold. Mia, 15 anos, vê seu mundo virando de cabeça para baixo após sua mãe trazer o seu novo namorado para morar em casa.

- Thist dirigido pelo sul-coreano Park Chan-Wook. Um padre se torna um vampiro durante uma experiência médica e é seduzido por uma dona de casa prestes à um assassinato.

CÂMERA DE OURO (para estreia)

- Samson and Delilah, dirigo pelo australiano Warwick Thornton. Um romance entre dois adolescentes em estado desesperador enfrentado por muitas comunidade aborígines da Austrália.

MELHOR CURTA-METRAGEM

- Arena, dirigido pelo português João Salvazia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]