i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
OBITUÁRIOS

Por que morreu tanta gente famosa em 2016? Simples: porque existem mais famosos por aí

#acaba2016: o ano que levou tanta gente está prestes a terminar, mas terá sido ele tão nefasto assim?

  • PorRicardo Sabbag
  • Especial para a Gazeta do Povo
  • 27/12/2016 14:56
O cantor George Michael  foi uma das celebridades mortas em 2016. | PAUL BATES/PAUL BATES
O cantor George Michael foi uma das celebridades mortas em 2016.| Foto: PAUL BATES/PAUL BATES

Um ano em que morreram uma tricampeã olímpica, o criador de um dos mais conhecidos personagens dos quadrinhos, o maior cineasta da história do Japão, o cantor de uma das mais queridas duplas sertanejas do Brasil, o arquiteto da capital nacional, o maior cantor de soul music brasileiro, um escritor vencedor do Prêmio Nobel de Literatura, um dos ditadores mais sanguinários do século XX e o maior cantor de todos os tempos só pode ter sido um dos mais mortais de sempre, não?

Morre o cantor e compositor George Michael

Acontece que o ano em questão é 1998, em que nos deixaram Florence Griffith-Joyner, Bob Kane (criador do Batman), Akira Kurosawa, Leandro (da dupla Leandro e Leonardo), Lúcio Costa, Tim Maia, Octávio Paz, Pol Pot e Frank Sinatra. Em 1998 também morreram nomes como o ator Brandão Filho, o escritor Carlos Castañeda, a cantora Linda McCartney, os crooners Nelson Gonçalves e Silvio Caldas e até nomes importantes localmente como o artista visual Poty Lazzarotto e o ex-prefeito de Curitiba Maurício Fruet.

Quando olhamos em perspectiva, todo ano apresenta uma lista grande de personalidades e celebridades falecidas. Em 2015, por exemplo, nos deixaram nomes como os cineastas Wes Craven e Manoel de Oliveira, o escritor Günter Grass, os músicos B.B. King e Lemmy Kilmister e atrizes e atores como Betty Lago, Marília Pêra, Yoná Magalhães, Leonard Nimoy e Omar Shariff. Por que, então, 2016 parece ser um ano em que mais gente conhecida morreu?

Geração pós-guerra

Uma das respostas é: morrem mais celebridades hoje porque hoje existem mais celebridades. Muita gente que se tornou famosa na década de 1960, membros da geração baby-boomer do pós-guerra, chegou agora na faixa dos 65/70 anos, em que as taxas de mortalidade aumentam significativamente, especialmente entre homens.

A lista de óbitos de 2016 parece especialmente nefasta: Muhammad Ali, Alan Rickman (ator), David Bowie, Fidel Castro, Cauby Peixoto, Umberto Eco, Elke Maravilha, Ferreira Gullar, Dario Fo (escritor vencedor do Nobel de Literatura), Hector Babenco, Ivo Pitanguy (cirurgião plástico), Abbas Kiarostami (cineasta), Leonard Cohen, Prince, Ettore Scola (cineasta), Bud Spencer (ator), Gene Wilder e, mais recentemente, George Michael e Carrie Fisher. E esses são apenas os nomes mais conhecidos (veja na galeria uma lista de celebridades que nos deixaram em 2016).

Em um artigo publicado no site iNews, o editor Oliver Duff também aponta para o seguinte fenômeno: além de existir um número maior de celebridades em atividade hoje do que jamais existiu antes na história, as redes sociais amplificam o falecimento de figuras públicas: “Muitos de nós estamos mais expostos à mídia do que estaríamos havia uma década, assim como a um apetite maior para o consumo de informações sobre grandes vidas e à lembrança das maneiras que essas pessoas marcaram nossas existências”, escreve.

  • Carrie Fisher morreu aos 60 anos, na tarde desta terça (27), após sofrer um ataque cardíaco.
  • O cantor David Bowie faleceu em janeiro.
  • Diretor do filme Carandiru, o cineasta Héctor Babenco faleceu em julho.
  • Leonard Cohen é autor do clássico Hallelujah, lançada em 1984.
  • O astro da música Prince morreu aos 57 anos.
  • Considerado o maior ícone do boxe, Muhammad Ali foi três vezes campeão mundial dos pesos-pesados e há 30 anos lutava contra a doença de Parkinson.
  • O ditador Fidel Catro morreu em Cuba aos 90 anos.
  • O jornalista Gulart de Andrade estava em tratamento de um câncer no fígado e não resistiu.
  • Ator Guilherme Karam sofria de uma doença rara e autoimune chamada Machado-Joseph.
  • Gene Wilder deu vida a Willy Wonka na primeira versão de “A fantástica fábrica de chocolate” em 1971.
  • Bud Spencer era ator e protagonizou filmes de western spaghetti (velho oeste produzido na Itália) e ficou conhecido por filmes como ‘Dois Tiras Fora de Ordem’.
  • O ator Umberto Magnani faleceu durante as gravações de ‘velho Chico”.
  • Rob Ford (de camisa vermelha e calça preta) foi prefeito de Toronto.
  • O diretor francês Jacques Rivette integrou o movimento cinematográfico Nouvelle Vague e era um renomado crítico de cinema da revista “Cahiers du Cinéma”.
  • O Cineasta iriano Abbas Kiarostami ganhou o prêmio “Palma de Ouro” pelo filme “Gosto de Cereja” (1977).
  • O arcebispo emérito e cardeal, Dom Paulo Evaristo Arns, faleceu aos 95 anos.
  • George Michael preparava novo disco para lançar em 2017. O cantor foi encontrado morto no último domingo (25).
  • Ator Alan Rickman , popularmente conhecido pela interpretação do professor Snape em Harry Potter.
  • O famoso cirurgião plástico Ivo Pitanguy.
  • Técnico Caio Junior foi um dos 71 mortos devido a queda do avião da Chapecoense na Colômbia.
  • Ex-premiê de Israel e Nobel da Paz, Shimon Peres, morreu aos 93 anos.
  • Atriz e performista Elke Maravilha de 71 anos faleceu em agosto.
  • O poeta Ferreira Gullar foi considerado mortal’ pela Academia Brasileira de Letras.
  • Durante uma turnê nacional, o cantor Cauby Peixoto morreu , aos 85 anos, devido a uma pneumonia.
  • Ator Domingos Montagner morreu afogado durante as gravações das cenas finais de “Velho Chico”.
  • Filósofo Umberto Eco é autor do romance “O Nome da Rosa”, um dos maiores sucessos literários do século XX.
  • O jornalista e documentarista, Geneton Moraes Neto, faleceu aos 53 anos em decorrência de um aneurisma.
  • O músico Toots Thielemans era considerado o “rei da gaita” e elogiado por sua harmonia musical no jazz.
  • Conhecido como “o 5º Beatle”, George Martin, ex produtor dos garotos de Liverpool, morreu aos 83 anos.

Mais mortes?

A fim de tirar a prova do quanto 2016 foi um ano mais funesto que outros, a BBC realizou um levantamento sobre o número de mortes de celebridades comparando a relação de falecimentos de 2016 com anos anteriores. O resultado: morreu mais gente conhecida em 2016, sim, mas especificamente nos primeiros três meses do ano. Segundo os cálculos da BBC, que envolvem a publicação de obituários previamente preparados à morte da personalidade (uma versão mais refinada do que a internet brasileira faz com seu Bolão Pé na Cova), 24 obituários de celebridades foram usados de 1º de janeiro a 31 de março de 2016 pela rede britânica, enquanto foram 12 em 2015 e 11 em 2014.

A BBC não detalha – até em respeito a quem porventura já tenha a notícia de sua morte pronta –, mas é de se imaginar que a categoria “obituários preparados” envolva gente que, de alguma maneira, possa estar mais ou menos próxima à morte. E sempre há um número de falecimentos que pegam a todos desprevenidos, de gente jovem, decorrente de acidentes etc. Além disso, há a questão do que significa ser exatamente uma celebridade digna de notícia e da redação de um obituário.

De qualquer modo, pelos parâmetros da BBC, o segundo semestre de 2016 não nos tirou mais gente admirável do que tiraram os anos anteriores. Nos seis últimos meses deste ano, a rede britânica usou 18 obituários pré-preparados contra 20 em 2015 e 18 em 2014. Nick Serpell, editor de obituários da BBC, acredita que a “alta” de mortes de personalidades não seja algo particularmente surpreendente, porque estamos “a meio século do florescimento tanto da TV quanto da cultura pop nos anos 1960, que expandiram expressivamente o grupo de figuras públicas”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.