Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Marco Novack/Divulgação
| Foto: Marco Novack/Divulgação

Estreia

Vigor Mortis Jukebox Vol. I

Teatro Universitário de Curitiba (TUC – Galeria Julio Moreira – Largo da Ordem, 30), (41) 3321-3312. Direção de Paulo Biscaia Filho. Com Kenni Rogers. De quinta-feira a domingo, às 20h30. R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada). Sujeito a lotação (vendas começam uma hora antes). Até 23 de junho. Classificação indicativa: 18 anos. Ou assista pelo site www.vigormortis.com.br.

Na era da customização, até as artes permitem ao seu "consumidor" cada vez mais escolha. A nova estreia da companhia teatral curitibana Vigor Mortis parte dessa ideia para questionar, de forma inédita, a perda de importância da performance ao vivo.

Vigor Mortis Jukebox Vol. I, que estreia nesta quinta-feira no Teatro Universitário de Curitiba (TUC), é inspirada pela música de Nick Cave, roqueiro australiano que viveu no Brasil entre 1990 e 1993 e que escreve letras marcadas por histórias de violência e amor dramático.

Ainda na bilheteria, o comprador responde se deseja ser um dos ativadores da "jukebox" – caixa de madeira que simula os toca-discos públicos comuns nos Estados Unidos. Se desejar, joga um dado para tirar a sorte. Caso seja escolhido, o espectador será chamado durante a peça para ir até a caixa e "ligar" uma das esquetes que compõem o espetáculo.

O mesmo espectador assiste ao "seu" capítulo de uma cadeira de frente a uma pequena janela, numa espécie de peep-show. O resto do público assiste à mesma coisa, mas num telão. A imagem final é a junção de atuação (Kenni Rogers, nas fotos acima e abaixo) e projeções (com Uyara Torrente, Guenia Lemos e Viviane Gazotto), via diversos reflexos.

Também será possível assistir a peça pelo site da companhia, mas somente em tempo real.

A cada apresentação, seis esquetes serão encenadas, de um total de oito. "É cinema? Vídeo de internet? É tudo isso, mas o ideal é estar sentado ali naquela cadeira. Saber a importância de se estar olho no olho", contou à Gazeta do Povo o diretor Paulo Biscaia Filho durante um ensaio.

Sangue

As histórias contadas seguem a tradição sensual e sanguinolenta da Vigor Mortis, cada uma inspirada em pelo menos uma canção de Cave: "Song of Joy" é sobre uma profecia de morte; "Into My Arms" é sobre uma declaração de amor blasfema; "From Her to Eternity" faz voyeurismo; "Do You Love Me" narra a obsessão fatal de um fanático religioso por uma stripper; "The Kindness of Strangers" apresenta uma personagem ingênua em contato com o mundo sombrio; "Stagger Lee" é um gângster violento; "The Curse of Milhaven" relata a lenda assustadora da bela Loretta; e "Red Right Hand" mostra um pastor inspirado por personagens menos santos da Bíblia.

A trilha sonora da peça parte de Cave, mas o músico Demian Garcia cria a partir do ídolo um som original.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]