i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Fotografia

Lembranças vivas de uma tragédia

O fotógrafo Jonathan Campos abre hoje uma exposição de fotos feitas durante a cobertura da enxurrada no Nordeste. As imagens mostram tanto emoções humanas quanto a destruição

  • PorBruna Maestri Walter *
  • 21/07/2010 21:01
Fotógrafo captou a alegria de uma criança ao receber água | Jonathan Campos / Gazeta do Povo
Fotógrafo captou a alegria de uma criança ao receber água| Foto: Jonathan Campos / Gazeta do Povo

Um herói brasileiro

Além de designar um tipo de madeira, a palavra quarup (ou kuarup) dá nome a um importante ritual de homenagem aos mortos ilustres, celebrado pelos povos indígenas da região do Xingu. Seja por sua linhagem ou poder de liderança, o homenageado é colocado no mesmo nível dos ancestrais da tribo.

Leia a matéria completa

  • Depois do temporal: registros são parte das reflexões que o trabalho jornalístico provocou

A experiência de registrar a enxurrada no Nordeste teve data de início, mas está longe de chegar ao fim. No dia 25 de junho, eu e o fotógrafo Jonathan Campos deixamos Curitiba rumo a Alagoas e Pernambuco para fazer a cobertura jornalística do temporal que castigou a região, para a Gazeta do Povo. No total, 95 municípios fo­­ram afetados e 57 mortes confirmadas nos dois estados. Em algumas cidades, o rio encobriu casas por completo e, quando o nível da água baixou, ficaram apenas ruínas. Comunidades inteiras foram destruídas, prédios públicos caíram e pontes não existem mais.

Nossa viagem foi de muito aprendizado e reflexão. Ouvimos novas histórias (num sotaque muito peculiar), vimos várias situações tristes, recebemos muitos "Vão com Deus" e fomos muitas vezes questionados se estávamos fazendo cadastros para o recebimento de donativos. No meio de tanta destruição, o trabalho rendeu. Jona­­than Campos fez cerca de 500 fotos por dia, parte delas reunida na exposição Vítimas da Enxurrada no Nordeste, em cartaz a partir de hoje, no Estação Business School.

Antes de nossa viagem por oito municípios chegar ao fim, ele já tinha uma ideia fixa: fazer uma exposição das fotos. Os objetivos eram mostrar a destruição e tentar transmitir um pouco da emoção presente naquele local. Os moradores tinham muitas situações tristes para contar, ao mesmo tempo que sorriam em agradecimento às doações recebidas. Grande era a fé da­­­quele povo.

O ensaio fotográfico pensado durante a cobertura vira realidade a partir de hoje. A exposição Víti­­­mas da Enxurrada no Nordeste ficará em cartaz por um mês, mostrando fotos que captam a alegria de uma criança ao receber uma garrafa d’água, o desespero de mulheres na busca por uma marmita, a triste­­za da senhora de 98 anos que não tem mais casa para morar, entre outras cenas que promovem a reflexão.

Jonathan e eu não ficamos imunes a isso. Quando parávamos um pouco a cobertura, fosse para almoçar num restaurante à beira da estrada ou esperar pelo embarque no helicóptero da Marinha, começavam os questionamentos. Jonathan pensou como seria se ele estivesse naquela situação, com seus filhos. Imagine-se perdendo o pouco que tem de uma hora para outra, assim como seus amigos e parentes. Você não tem economias e a única opção é ir para um abrigo, onde vivem 500 pessoas. Um lugar quente, sem água, com animais, em que lençóis delimitam o espaço a ser ocupado por cada um.

Deixamos o Nordeste no dia 1.º de julho e as reflexões continuam. Também permanecem vivas as imagens da tragédia, magistralmente registradas pela lente de Jonathan.

* Bruna Maestri Walter é repórter da editoria Vida e Cidadania há quatro anos e participou da cobertura da tragédia provocada pelas chuvas em Santa Cantarina, em 2008. Jonathan Campos é fotógrafo profissional há 12 anos, trabalha há 9 na Gazeta do Povo e participou de coberturas como a das Olimpíadas de Pequim e a Expedição Caminhos do Campo, nos Estados Unidos

Serviço:

Exposição Vítimas da Enxurrada no Nordeste, de Jonathan Campos. Estação Business School – Shopping Estação (Av. Sete de Setembro, 2.775 – 5º andar), (41) 2101-8800. Abertura hoje, às 19 horas. Visitação de segunda a sexta-feira, das 9 às 21 horas e sábados, das 9 às 12 horas. Até 21 de agosto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.