Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Eliane Robert Moraes foi uma das participantes da mesa. | /Divulgação
Eliane Robert Moraes foi uma das participantes da mesa.| Foto: /Divulgação

A atmosfera meio marginal do Teatro Universitário de Curitiba (TUC), na Galeria Júlio Moreira, no Centro de Curitiba, pesou para a escolha do lugar para discutir literatura erótica no sarau Sex Libris do Litercultura.

Lotado, o TUC recebeu no último sábado (29), a professora de Literatura Brasileira da USP, Eliane Robert Moraes e o escritor paulista Reinaldo Moraes, para debater sobre o erotismo na literatura.

Em sua terceira edição, Litercultura fica indispensável

Ter um evento desse porte na cidade, dividido em “capítulos” que se espalham pelo ano todo, é uma sorte

Leia a matéria completa

Com mediação de Pedro Gonzaga, os convidados – sentados num sofá sob iluminação avermelhada – não se intimidaram. “Erotismo diz respeito a tudo, ninguém escapa. É matéria aberta. O sexo é a lente que representa a experiência humana”, disse Eliane.

Indagada sobre a importância da força da palavra no universo erótico, a autora do livro “Antologia da Poesia Erótica Brasileira” – obra que, de certo modo, “organiza” a produção da poesia sobre a temática no Brasil – enfatizou que “sexo e literatura exigem fantasia. Um depende do outro. E a palavra evoca o performático muito mais do que a imagem.”

Autores relembram “quadrado mágico” da literatura curitibana

Disputando atenção com a “feijoada de sábado”, a mesa das 14h30 reuniu Joca Reiners Terron e Christian Schwartz em conversa sobre Jamil Snege e Manoel Carlos Karam

Leia a matéria completa

Colocando um tom lisérgico-etílico na conversa, com suas repetições e interrupções desenfreadas e gestos descomedidos, Reinaldo Moraes realizou uma leitura de trechos (impublicáveis por aqui) de seu romance “Pornopopeia”, arrancando risadas da plateia.

Sarau erótico

Após o debate, as atrizes Chris Gomes, Katia Horn e Melina Mulazani apresentaram performances musicais e teatrais. No fim, o escritor pernambucano Marcelino Freire e Manoela Leão, diretora do Litercultura, sentaram-se ao sofá com os demais para a leitura de alguns textos de autores que se apropriam da temática erótica em suas obras, como Dalton Trevisan, Gregório de Matos e Charles Bukowski.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]