Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Maestro James Levine em ação | /Divulgação
Maestro James Levine em ação| Foto: /Divulgação

O diretor artístico da Ópera Metropolitana (Met) de Nova York, James Levine, deixará seu posto por razões de saúde, após trabalhar 40 anos na instituição com a qual contribuiu amplamente para a fama mundial que tem hoje.

A Met informou em um comunicado, publicado na quinta-feira (14), que encontra-se atualmente em busca de um sucessor para Levine, que se transformará no primeiro diretor artístico emérito da história da instituição.

Problemas

O afastamento de Levine era um tema recorrente há vários meses.

Com 72 anos, ele sofre de mal de Parkinson e teve problemas de saúde desde uma queda no palco em 2006 que lhe custou uma operação no ombro.

Depois fez cirurgias na coluna e nos rins, o que o forçou a perder várias funções.

Vítima de uma queda durante suas férias e lesões nas vértebras, se ausentou de duas temporadas consecutivas da Met, em 2011-2012 e 2012-2013.

Segundo o jornal The New York Times, Levine entrou em acordo com o gerente geral da Ópera, Peter Gelb, para anunciar sua aposentadoria em janeiro passado, embora depois tenha mudado de decisão.

Legado

A partida de Levine marca o fim de uma época na Met, já que o maestro era diretor artístico da ópera desde 1976.

Levine assumiu o posto aos 32 anos, no momento no qual a ópera nova-iorquina atravessava dificuldades financeiras e não tinha uma boa reputação musical.

Obcecado pelo trabalho, a transformou em uma das óperas mais reconhecidas do mundo, introduzindo no repertório um grande número de obras do século 20 que até então não tinham lugar.

Atualmente, a Met é uma referência musical também pela audácia de suas encenações.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]