Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Vídeo: | RPC TV
Vídeo:| Foto: RPC TV

Simulacros e simulação

"Quando morre um grande intelectual, ficamos mais pobres em idéias" – com esta frase, a doutora em Sociologia Política Kelly Prudêncio resume o sentimento geral causado pela morte de Jean Baudrillard. "Ele sempre foi polêmico por ser muito definitivo, como ao dizer que a sociedade não existe mais – o que existe é uma simulação de realidade. O papel dele como intelectual era provocar", afirma Kelly. A idéia de que a realidade foi substituída por uma "hiper-realidade" é a principal noção do pensador francês – um conceito que parece mais compreensível quando se lembra de filmes fundamentados na idéia, como O Show de Truman e a trilogia Matrix.

A "hiper-realidade", segundo o professor de Filosofia André Duarte, é "a idéia de que não há mais distinção nítida entre o que é ou não real, já que toda a realidade é construída por um sistema de signos que não têm significado ou valores próprios". Para o crítico da mídia e da sociedade de consumo, "as informações, mais do que se referirem a dados reais, são criadoras de realidades". Um exemplo disso é o ideal de beleza propagado. "A mídia elege certas pessoas – à primeira vista, reais – e fotografa-as. A partir do momento em que a foto é feita, não estamos lidando mais com pessoas reais, porque a tecnologia permite que as foto sejam manipuladas. Quando a revista vai para a banca, a fotografia está simulando uma realidade que não é real – e vai gerar impacto em todos os consumidores, que vão querer igualar-se ao que não existe", explica Duarte.

A crítica do autor francês também aplica-se à principal febre televisiva da década: "A ênfase de Baudrillard está nos simulacros da Pós-Modernidade, tomados por reais, comos os reality shows, em que o ‘show’ é preparado, fake, mas tomado por ‘real’", define Denize Araújo, coordenadora do Mestrado de Comunicação e Linguagens da Universidade Tuiuti. "O filósofo francês é severo, quase niilista em relação à sociedade de consumo e à mídia, culpando-os pela criação de uma hiper-realidade, talvez melhor e mais atraente que a realidade, mas ao mesmo tempo falsa e enganadora", afirma Denize.

Segundo a Doutora em Comunicação Rosa Maria Dalla Costa, a morte do intelectual francês é uma perda significativa. "Baudrillard deu uma grande contribuição para a Sociologia de maneira geral, ele fez críticas pertinentes ao sistema capitalista de produção e às suas implicações, principalmente o consumo. Vai fazer falta a lucidez com que ele encarava as questões atuais", pondera.

Luciana Romagnolli

Paris – O sociólogo e filósofo francês Jean Baudrillard, morto anteontem em Paris, aos 77 anos, de câncer, foi um dos mais influentes pensadores pós-modernos, famoso por sua crítica virulenta da sociedade de consumo, cujo declínio profetizava. Pensador independente, ele ganhou visibilidade no movimento revolucionário estudantil de Maio de 68 e também se tornou um reconhecido fotógrafo.

Baudrillard elaborou uma crítica radical dos meios de comunicação cheia de humor negro, que se refletiu em cerca de 50 livros. Nascido no dia 20 de julho de 1929 em Reims, o sociólogo era germanista de formação e iniciou a carreira com traduções de Karl Marx, Bertolt Brecht e Peter Weiss. Começou a ensinar Sociologia a partir de 1966 na Universidade de Nanterre, nas proximidades de Paris.

"Com os meus títulos não tive outra opção. Em 1965, a Sociologia era a única disciplina que estava aberta. De repente, vi-me obrigado a aprender de um dia para outro o que devia ensinar a meus alunos", lembrou numa ocasião. Com a publicação, em 1968, de seu primeiro livro de Sociologia, O Sistema dos Objetos, Baudrillard iniciou sua crítica contra o consumismo. A partir de então, o tema se tornou um de seus principais objetivos e apareceu em 1970 em A Sociedade de Consumo. Aos poucos, ele se afastou do marxismo e adotou uma visão independente. Para o pensador, "as massas" deixaram de ser vítimas da ordem social para passar a ser cúmplices que enriquecem esta ordem. De rosto redondo, com óculos de moldura larga, Baudrillard foi um intelectual que não podia ser classificado numa escola.

Em A Transparência do Mal (1990), por exemplo, ele não hesitou em exumar o pensamento reacionário do filósofo francês Joseph de Maistre. "É preciso viver inteligentemente com o sistema, mas revoltar-se com suas conseqüências. É preciso viver com a idéia de que sobrevivemos ao pior", assegurou. Este estilo incisivo, feito de aforismos às vezes herméticos, transformou-se em seu traço característico. "O que escreverei terá cada vez menos oportunidade de ser compreendido. Mas isso não é problema meu. Estou numa lógica de desafio", previu.

Em 1986, uma viagem aos Estados Unidos o impressionou. "Os Estados Unidos são a utopia realizada", disse. Anos depois, seu interesse pela atualidade resultou em Réquiem pelas Torres Gêmeas, escrito um ano depois dos atentados de 11 de setembro de 2001, em Nova Iorque. Nesse livro, seu eterno gosto pelo escândalo o levou a assegurar que o terrorismo obedecia a uma "lógica".

Considerado niilista por uns, moralista por outros, Baudrillard também foi muito criticado. "No fim das contas, pergunte o que restará do pensamento de Baudrillard se retirarmos todo o esmalte que o recobre", escreveram em 1997 os pensadores Alan Sokal e Jean Bricmont. Mas Baudrillard via a si mesmo como um combatente. "A covardia intelectual – assegurou – se transformou na autêntica disciplina olímpica de nossa época".

Última obra

O professor Cândido Mendes, membro da Academia Brasileira de Letras e secretário-geral da Academia da Latinidade – da qual Jean Baudrillard fazia parte desde sua fundação, em 1999 –, esteve com o filósofo há duas semanas em Paris e lembra que ele lutou para não perder a consciência até os últimos dias.

Apesar do câncer que o debilitava há dois anos, Baudrillard, que visitou o Brasil pela última vez em 2003, conseguiu forças para terminar um livro que será publicado em breve na França e, segundo Cândido, tem como título, numa tradução livre, Afinal de Contas, Tudo não Desapareceu.

"É uma mensagem de otimismo e ao mesmo tempo bastante rigorosa sobre a visão desse mundo pós-11 de Setembro", conta Cândido, lembrando que outra preocupação recente do filósofo era finalizar o texto para o próximo encontro da Academia da Latinidade, que acontecerá em Amã, na Jordânia, dia 14 de abril.

Cândido conta que a reflexão do filósofo sobre a tendência do Ocidente de fetichizar sua própria visão de mundo levou-o a trabalhar incessantemente, ao lado de outros pensadores como o compatriota Alain Touraine e o italiano Gianni Vattimo, pela noção de latinidade como uma opção à hegemonia ocidental.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]