i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

Peça ousa ao falar do câncer

Espetáculo com Rômulo Zanotto traz tom pop que alivia peso de um tema difícil

  • PorHelena Carnieri
  • 22/01/2015 21:08
Rômulo em cena: metateatro “convida” espectador | Fernanda Bona/Divulgação
Rômulo em cena: metateatro “convida” espectador| Foto: Fernanda Bona/Divulgação

Teatro

Veja informações destas e outras peças no Guia da Gazeta do Povo.

Dois polos, um de atração e um de repulsão, operam sobre o espectador convidado a assistir a C.Â.N.C.E.R.. Não é fácil decidir ter contato com um espetáculo cujo título nos lembra de tudo que é ruim, do inesperado e indesejado. Por outro lado, a oferta é boa: premiada com o edital Myriam Muniz de 2009, a peça tem entrada gratuita, duas sessões de curta duração nas noites de segunda a quinta-feira (26 a 29), e, o que é melhor, num shopping. Todo o conforto necessário para compensar a lembrança do mal.

Vamos a ele: o texto descreve com pormenores os últimos momentos de um homem que falece vítima do câncer. Em cena, o filho que volta do funeral , tenta elaborar para si mesmo a perda e filosofa sobre a memória do pai. O que permanecerá dele? O ator Rômulo Zanotto faz o monólogo e também é autor da peça.

Há momentos líricos daqueles que fazem repetir a frase na cabeça e ter vontade de anotar. Também há daqueles que fazem torcer a boca e desejar que acabe logo, como quando o texto decide perscrutar a intimidade de órgãos sendo consumidos, expulsando a alma do corpo. As referências estão lá e isso é ótimo, já que ninguém cria sobre tábula rasa. O Hamlet de Shakespeare, Clarice Lispector ("viver não é vivível"), Kafka.

A encenação coloca o ator para contracenar com belos vídeos retratando um senhor de idade (José Castro), uma cadeira e um chapéu. Há efeitos visuais e sonoros, o uso de áudio gravado e de um microfone, que conferem um tom pop e aliviam em muito o peso do difícil tema. Na direção, Tiago Luz traz um pouco da ousadia de seu mestre Edson Bueno no grupo Delírio (Satyricon Delírio e Minha Vontade de Ser Bicho).

Sem ilusão

Talvez o que mais convença o espectador a esquecer o medo da morte e embarcar na cena seja o recurso ao metateatro.

Logo no início do espetáculo, o personagem se dirige à plateia, quase na beira do palco, e fala sobre o fato de estar interpretando. Imediatamente surge a coceira de saber: será ficção ou realidade? Será que o ator e autor passou pela experiência da qual fala no texto?

Essa quebra na ilusão teatral acaba nos tornando cúmplices do que está acontecendo ali. Ainda mais quando, novamente próximo da beirada, ele pergunta a Deus quem é que teve essa ideia de louco, a morte, que atinge diretores, atores, técnicos e plateia.

Na atuação, Zanotto convence pela segurança e manutenção do tom homogêneo na maior parte do tempo. As exceções são o início e o final, quando a movimentação de corpo tende ao artificioso e o vídeo fica excessivamente centrado na imagem do ator.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.