Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Artistas que protestaram contra corte no edital. | Reprodução/
Artistas que protestaram contra corte no edital.| Foto: Reprodução/

A ordem de redução de gastos no final do mandato de Gustavo Fruet (PDT) na prefeitura de Curitiba cancelou os recursos prometidos para o edital “Categoria Livre” da Lei de Incentivo Municipal de 2016.

A medida tomada pela Secretaria Municipal de Finanças foi anunciada na última quinta-feira (1). A Fundação Cultural de Curitiba (FCC), porém, ainda tenta reverter a decisão.

Nesta segunda-feira (5), o presidente da FCC, Marcos Cordiolli, se reuniu com Fruet, mas o impasse não foi resolvido.

Assim, os recursos de R$ 2 milhões do Fundo Municipal de Cultura, que serviriam para custear 32 projetos aprovados nas áreas de Patrimônio Histórico, Música, Literatura, Audiovisual, Folclore, Artes Visuais e Teatro seguem cancelados.

Segundo a Lei de Incentivo Municipal e a Constituição Federal, a prefeitura não tem obrigação de pagar o valor dos editais e pode decidir pelo contingenciamento de acordo com a saúde financeira de seu caixa.

Oficina de Música

O prefeito Gustavo Fruet (PDT) vai manter a realização da 35ª Oficina de Música de Curitiba, em janeiro de 2017. O prefeito eleito, Rafael Greca (PMN), pediu a suspensão da Oficina, mas Fruet orientou a Fundação Cultural de Curitiba (FCC) a manter a programação do evento. financeiras”.

Segundo nota da Secretaria de Finanças, o cancelamento do edital “faz parte de um conjunto de ações de contenção de despesas que determina a racionalização dos gastos administrativos para enfrentar o cenário econômico desfavorável”

Pessoas ligadas à Secretaria admitem que é “muito difícil” que a situação seja revista, “pois não há dinheiro”.

Cordiolli, porém, ainda não assinou a decisão da revogação do edital em diário oficial e disse que planeja fazê-lo até o até o ultimo dia da gestão, 31 de dezembro, na esperança de que a secretária de Finanças, Eleonora Fruet, irmã do prefeito, reveja sua decisão.

Calote

A notícia do cancelamento do edital causou protestos de vários setores da produção cultural de Curitiba. O edital era o único lançado pela FCC em 2016, os projetos contemplados já tinham sido convocados e os proponentes aberto contas bancárias para receber os recursos a pedido da FCC.

O cancelamento gerou um abaixo assinado e uma campanha “A Prefeitura dá calote na Cultura”.

Num texto divulgado em redes sociais, produtores culturais dizem que o prefeito descumpriu compromisso com “prestadores de serviço público do campo das artes e da cultura” e “caso não volte atrás, a revogação será um calote. É assim, prefeito, que você pretende deixar seu nome marcado no final da sua gestão?”, pergunta o manifesto.

Baixe já o aplicativo do Clube do Assinante!

Com ele você pode consultar os parceiros próximos a você, buscá-los por nome ou palavra-chave, e obter o desconto pelo próprio aplicativo!

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]