i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

“Queríamos que os personagens fossem comuns”

  • PorEstadão Conteúdo
  • 29/01/2016 03:00

Alguma coisa foi surpreendente em fazer uma animação?

É tudo muito longo e devagar. Não sabia como uma animação profissional era feita, tive de aprender tudo. Acho que nem era completamente claro para mim o que um diretor faz numa animação. Então o codiretor Duke [Johnson] foi fundamental em todos os aspectos.

Qual foi o maior desafio?

Para mim, a ideia de que, numa animação, você precisa editar o filme. Fazer o filme e editar o filme antes de filmar, sabe? Porque você pega as vozes e coloca em desenhos mostrando as tomadas e sequências. Não tínhamos como fazer mais de uma tomada de nada. Normalmente, com meus filmes live action, eu demoro muito no processo de montagem. Descubro muita coisa na edição. Então fiquei aterrorizado de não ter essa opção. Em “Anomalisa”, demorava muito para ver algum progresso. Vem bem aos poucos, cenas demoram meses para ficarem prontas. Fiquei com medo.

Os personagens são bem comuns, não têm nada de extraordinário. O que você queria dizer com isso?

Sim. Queríamos que fosse gente comum. Que seus corpos fossem comuns. Que suas experiências fossem comuns. Para mim, o legal era que não há nada extraordinário em Lisa. Mas, quando você a conhece, existe algo de especial. Michael poderia ter se interessado por outra pessoa. Calhou de ser essa, por alguma razão. Por quê? Por que alguém acha outra pessoa interessante ou atraente? Existe uma arbitrariedade na minha cabeça que é importante para a história. Não queria que fosse: “Ah, ele se apaixona por Lisa por causa disso”. Ele se apaixona porque sim.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.