i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Opinião

Soderbergh erra mão em O Desinformante!

  • PorPaulo Camargo
  • 19/10/2009 21:08
Matt Damon: boa interpretação não salva O Desinformante | Divulgação
Matt Damon: boa interpretação não salva O Desinformante| Foto: Divulgação

Chatíssimo! Não há adjetivo mais adequado para descrever O Desinfor­­mante! (veja fotos e trailer), novo longa-metragem de Steven Soderbergh, em cartaz desde a última sexta-feira no Brasil. E assim mesmo, no superlativo. Matt Damon está ótimo como Mark Whitacre, vice-presidente interiorano de uma grande agroindústria que embarca, no início da década de 90, em um delírio megalomaníaco: julga ser capaz de salvar sua empresa de uma crise, inventando um caso de espionagem industrial do qual sairá como herói.

Na medida em que embarca em seu delírio, que envolve corrupção e até mesmo uma parceria meio atrapalhada com o FBI, o personagem começa a perder noção dos limites entre realidade e fantasia.

Achou o argumento interessante? De fato é, mas frustra e entedia o resultado final dessa tentativa de Soderbergh mergulhar numa sátira ao mundo corporativo em torno de um personagem rico, complexo, mas que não gera empatia alguma. É uma pena, tratando-se de um diretor que já fez filmes importantes como sexo, mentiras e videotapes e Traffic. Dessa vez ele errou a mão.

Além do bom desempenho de Damon, um ator que melhora a cada trabalho, a estética algo retrô, que já tem início nos créditos que abrem o longa e se estende à direção de arte, figurino e trilha sonora (do veterano Mar­­vin Hamlisch), é bem bacana. Mas o roteiro, excessivamente "falado", patina em suas pretensões e, principalmente, afetações (um mal recorrente no cinema "autoral" contemporâneo). Há mais estilo do que substância. Esquece-se de envolver o espectador com uma história bem narrada. Uma decepção, enfim. G1/2

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.