Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Doença de Parkinson pode começar muito antes dos tremores
| Foto:
  • Por Dr Gustavo Franklin Dr. Gustavo Franklin | CRM-PR 34297 / RQE 23111
  • 20/03/2020 11:20

A Doença de Parkinson é uma doença neurológica que atinge aproximadamente 1% da população mundial com mais de 65 anos, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Comumente, ela é associada aos sintomas motores, como lentidão do movimento (bradicinesia), rigidez e tremor. No entanto, quase sempre sintomas inespecíficos, não associados a movimentos voluntários podem preceder em anos o início de tremores.

O neurologista do Hospital de Clínicas do Paraná, Dr. Gustavo Franklin explica que, em geral, os primeiros sintomas da Doença de Parkinson não são associados ao movimento. “Geralmente, a doença se inicia anos antes de aparecerem os sintomas motores, como tremor ou rigidez. Ela pode começar com hiposmia (dificuldade para sentir cheiros), constipação intestinal (intestino preso) ou apenas um distúrbio do sono, com falar dormindo ou apresentando “chutes e socos” durante o sono e esses serem os únicos sinais por anos”, explica.

O neurologista comenta que este tipo de alteração do sono é chamado distúrbio comportamental do sono REM. “O paciente tende a se movimentar de forma brusca durante o sono, falar dormindo e apresentar sonhos que parecem reais”. Estudos recentes mostram que pacientes com Distúrbio comportamental do sono Rem, têm até 70% de chance de desenvolver uma doença degenerativa do grupo das ' alfa-sinucleinopatias', grupo em que a Doença de Parkinson se encontra. Além disso, sintomas psiquiátricos, como transtorno de ansiedade e depressão são muito comuns e também podem surgir antes ou depois do aparecimento da lentidão e dos tremores.

E após todo esse quadro, a Doença de Parkinson tende a progredir, e geralmente somente após do surgimento dos sintomas motores que é diagnosticada. “Além do tremor, que no Parkinson é mais perceptível ao repouso e tende a melhorar quando o paciente faz um movimento voluntário, o paciente tem uma lentidão dos movimentos, a qual chamamos de bradicinesia. Além disso, outro sinal comum é a rigidez muscular, a sensação de que os membros estão mais ‘duros’ e, por isso, mais difíceis de movimentar”.

Como a doença é progressiva, o diagnóstico precoce permite que o tratamento se inicie mais cedo, permitindo a identificação dos sintomas associados e propiciando um tratamento mais eficaz. “É muito importante que as pessoas conheçam esses outros sintomas, para que ao surgimento dos sintomas característicos, possam levar à suspeita clínica, e busquem um neurologista”, alerta Dr Gustavo.

Quer saber mais sobre a doença de Parkinson? Acesse: www.drgustavofranklin.com.br