Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
No contexto corporativo podemos gerenciar o poder de forma a construir ambientes empoderados, ágeis e com resultados extraordinários.
No contexto corporativo podemos gerenciar o poder de forma a construir ambientes empoderados, ágeis e com resultados extraordinários.| Foto: Pexels
  • Por Instituto Connect Texto por Katia Carvalho, especialmente para o Instituto Connect
  • 30/07/2021 12:08

Recentemente li um livro que me chamou a atenção pelo título: "Agindo com o Poder", da autora Deborah Gruenfeld. Obviamente quando pensamos sobre poder imaginamos bens materiais, quantidade de pessoas na equipe, tamanho da sala em que se trabalha, quantidade de seguidores, etc. Exemplos não faltariam quando se trata de tangibilizar.

É comum passar isso pela cabeça e ocorre quase de imediato. Porém, que tipo de cabeça é essa que pensa dessa forma? Sim, ainda existem pessoas que pensam assim, que poder é ter quantidade de algo que a maioria não tem e fazer uso dele quando convém e até desmedidamente.

Um ponto de atenção aqui é quem tem o poder, o que faz com ele e, principalmente, como o aplica em ação. No contexto corporativo, é como podemos gerenciá-lo de forma sensata e construtiva, construindo ambientes empoderados, ágeis e com resultados extraordinários.

Na questão da liderança o poder é inerente à posição, mas nem sempre o líder consegue enxergar além disso e comete os mesmos erros de muitos antecessores, seguindo o padrão da seara corporativa. Poder não tem a ver com status da hierarquia, mas sim com as relações e de qual é a nossa importância, necessidade ou razão de existir nessa relação.

O roteiro de liderança seguido atualmente não terá mais espaço se não co-criarmos ambientes favoráveis para estimular o movimento de poder entre liderança e liderado.

A tônica deste livro traz o "movimento" que particularmente chamo de “amainar o poder”, em que o líder se posiciona como um recurso para que quem está sob seu comando assuma o poder. Fazer com que as pessoas se apropriem de seus papéis e o representem respeitando sua verdade e essência.

“A mentalidade da liderança dos novos tempos não utilizará sua força ou influência para intimidar ou assediar pessoas, mas sim ser um mediador para viabilizar o crescimento de outros.”

Líder, que histórias você tem inspirado?

“Quando imaginamos uma pessoa poderosa, é normalmente aquela com a voz mais alta e a presença mais dominadora em um ambiente. Mas o novo e importante livro de Deborah Gruenfeld revela que o poder verdadeiro é frequentemente mais calmo e menos presunçoso do que pensamos. Agindo com Poder, oferece uma nova perspectiva estimulante, inovadora e esclarecedora sobre o que significa ser poderoso.” SUSAN CAIN, autora do best-seller O Poder dos Quietos.

Esse poder muda vidas, cria oportunidades e aumenta a capacidade de aprendizado. A reflexão é que não precisamos fazer muito, somente agir com responsabilidade e manusear o poder para impactar o maior número de pessoas que passam por nós. Na forma de como atuamos, com credibilidade e coerência em nossas ações, que podem inspirar e fazer com que outros sonhem com um futuro melhor, investindo tempo e esforço para aprender mais e se sentirem valorizadas.

A passos tímidos, os novos líderes caminham para essa perspectiva, criando um ambiente no qual as pessoas possam fazer a diferença. Na maioria das vezes, quando indagamos alguém sobre o que sente em relação ao seu trabalho, a resposta que virá é sobre o ambiente do trabalho e não sobre o trabalho em si. Acredito que o papel do líder é trazer o melhor das pessoas, proporcionando-lhes experiência de crescimento, confiança e acolhimento.

“Acredito e trabalho sempre para que todo líder entenda que o verdadeiro papel é transformar negócios através da busca constante do melhor que as pessoas podem oferecer! Com empatia, humildade, orientação e colaboração conseguiremos evoluir enquanto sociedade. Grandes líderes são reflexões de grandes colaboradores.” Gabriele Ferreira Carlos, Diretora de RH da ZEISS Vision Care do Brasil.

Dar voz aos nossos membros da Confraria, gerar espaços de reflexão e debates tem sido algo chave para a nossa jornada de desenvolvimento, acreditamos que esse processo nos torna lideres melhores, mais completos pela visão sistêmica a cerca de vários assuntos e mais que isso conectados em um grupo acolhedor, generoso em compartilhar suas histórias e inspirar as pessoas que nos cercam, afirma Silvana Pampu, idealizadora do Instituto Connect. Fica aqui o convite para fazer parte dessa jornada de conexões e aprendizagens, pois temos vários encontros previstos com diversas temáticas, acesse o link e acompanhe https://institutoconnect.org.br/confraria.

O Instituto Connect

A Confraria do Desenvolvimento, promovida pelo Instituto Connect, é um espaço para conexão de executivos de vários segmentos, estados e países, onde é possível evoluir co-criando trilhas de aprendizagens e caminhando em uma jornada de networking, experiências e responsabilidade social.

*Katia Carvalho Executiva de Finanças e RH e membro da Confraria do Desenvolvimento do Instituto Connect.