i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Vontade de ensinar

Aos 95 anos, professor voluntário pega dois ônibus para ensinar japonês

  • PorLucas Sarzi, da Tribuna do Paraná
  • 19/10/2019 09:13
Aos 95 anos, professor voluntário pega dois ônibus para ensinar japonês
| Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

Aos 95 anos, Seizo Watanabe procura fazer a diferença na vida das pessoas e dá aulas de japonês a partir do conhecimento que adquiriu ao longo dos anos. O idoso é professor voluntário no Centro de Atendimento ao Idoso (Cati), na Praça Ouvidor Pardinho, no bairro Rebouças, em Curitiba.

RECEBA notícias de Curitiba e região em seu WhatsApp

Ele nasceu no Japão, mas veio para o Paraná em maio de 1940, com 9 anos. Anos mais tarde, em dezembro de 1951, chegou a Curitiba. No Brasil, Seizo teve de estudar sozinho, da forma que era possível na época. “Quando cheguei, só tinha até o terceiro ano de estudo no Japão, mas aqui no Brasil não me adaptei ao clima e fiquei dois anos sem poder sair de casa, por conta de uma alergia que tive. Por causa disso e pela guerra [Segunda Guerra Mundial], estudei sozinho, em casa, porque não podia reunir três japoneses, se não levavam para a cadeia”.

Com vontade de ensinar e de, ao mesmo tempo, se obrigar a não ficar parado, Seizo pega dois ônibus para se locomover do Jardim das Américas até a Praça Ouvidor Pardinho, no Rebouças, duas vezes por semana. Ele mantém essa rotina há 17 anos. O objetivo? Dar aulas de japonês para frequentadores do Centro de Atendimento ao Idoso (Cati).

Com a determinação que é característica de todo japonês, Seizo não vê o esforço de levantar cedo e ir até o Cati como algo que lhe tira energia. “Muito pelo contrário. Eu fico muito satisfeito porque o esforço de cada um, eu acho que vale muito, então cada um fazendo a sua parte me deixa muito feliz. Tenho muita gratidão”, disse ele, que leciona de forma voluntária para dois tipos de turmas: os que estão aprendendo agora e os que já têm certo conhecimento.

| Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

Seizo avalia que, para os idosos, as aulas são extremamente importantes. “Quando o cidadão passa a fronteira, o idioma faz com que a pessoa não passe apuro na alfândega, por exemplo, mas tirando isso a pessoa adquire muito mais conhecimento. Por isso quanto mais idioma se aprende, melhor. Isso sem contar o fato de que conhecer nunca é demais. A pessoa que busca aprender mais, vive mais. Depois que aposentar, não fique sem fazer nada, procure estudar, porque isso impede que a gente se sinta desmotivado”.

Além do idioma

Para os alunos, todos entre 60 e mais de 80 anos, os encontros com Seizo são muito mais do que uma simples aula de um novo idioma. “Às vezes, a gente não quer vir, levanta meio desanimado, com preguiça, mas quando lembramos o esforço que ele faz para estar na aula, a gente vem. Pra gente esse é um momento de encontrarmos pessoas, conversarmos e, além disso tudo, ainda aprendemos. Muita coisa que, por exemplo, eu ouvia com nossos pais, mas não entendia o que significava, aprendo com ele hoje”, disse Elis Miyazaki, 71 anos.

O pintor e desenhista aposentado Luiz Hiroshi, de 82, conheceu Seizo há 17 anos, quando dava aulas de pintura. “É um senhor admirável pela idade e por continuar como voluntário. Só tenho a agradecer porque, em termos de Japão, cultura, costume, idioma, ele entende demais. Eu, que procurei as aulas como uma forma de aprender um pouco mais, percebo que só melhoro meu conhecimento. A gente tem que sempre ter alguma atividade, se não enferruja, trava tudo, né? Seizo faz com que a gente se sinta bem”.

| Felipe Rosa / Tribuna do Paraná

Quando procurou as aulas de japonês do Cati, a bancária aposentada Rosa Reiko Monma, 66 anos, disse que chegou motivada a manter a memória ativa, mas se surpreendeu com a lição de vida do professor. “Me motivou a aprender um pouco mais. Por ser japonesa, entendia um pouco, mas algumas coisas, que achava mais difícil, aprendi aqui. Às pessoas que estão se aposentando, digo que é sempre bom aprender, não parar no tempo”.

“Sempre gostei de ler. Nunca abandonei esse hábito e acredito que já tenha lido mais de mil volumes desde que cheguei em Curitiba”, disse o professor de 95 anos.

Exemplo

A técnica de referência do Cati, Rosane de Carvalho Contin, tem Seizo como um exemplo, que mostra que a vida não termina quando se aposenta. “Como aqui especificamente atendemos pessoas acima dos 60 anos, vemos um pouco de tudo, mistura um pouco das situações, mas ele é um exemplo. Ao mesmo tempo, é o perfil do idoso dos próximos anos, que mostra que aquele idoso que ficava em casa sentado, vendo TV e fazendo crochê está acabando”.

Rosane enxerga Seizo como uma forma de mostrar aos idosos que eles têm que continuar a buscar novas experiências após a tão esperada aposentadoria. “É uma mudança de paradigma que a própria sociedade tem que perceber, que esse idoso não é mais igual ao de antigamente. Hoje os idosos participam, fazem atividades e estão cada vez mais inseridos dentro de um contexto social na cidade. E eles têm, sim, muito a contribuir. Temos que mudar a cabeça com relação aos idosos”.

Para ela, que é responsável por manter essas pessoas ativas e acreditando em si mesmas, a missão que divide com o japonês é importantíssima. “Não dá mais para ficar em casa parado. O idoso tem que sair, se relacionar, fazer parte da sociedade, se inserir nesse contexto social, pois é assim que se ajuda a prevenir doenças, manter a memória ativa. Sou testemunha da forma que chegam os idosos, com problema de autoestima, depressão, e começando a participar das aulas passam a ter outro olhar e se sentem mais capazes”.

Perfil

Seiko chegou a Curitiba quando tinha 20 anos e aqui começou a escrever, em definitivo, sua história. Casou, teve dois filhos e se aposentou como dono de uma lavanderia. Casado há 68 anos, ele tem uma rotina bastante ativa com sua esposa, com quem não deixa de fazer uma série de atividades que gosta, como dançar e caminhar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.