Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Integrantes da manifestação se aglomeram na entrada de restaurante no início da tarde desta quarta | Cecília Tümler/Gazeta do Povo
Integrantes da manifestação se aglomeram na entrada de restaurante no início da tarde desta quarta| Foto: Cecília Tümler/Gazeta do Povo

Com a manifestação pró-Lula na praça Santos Andrade, ato que começou por volta das 10h desta quarta-feira (10), muitos comerciantes do entorno acabaram tendo movimento acima do normal. Entre eles, destacam-se as lanchonetes e restaurantes, usadas pelos integrantes do protesto como local para almoço e descanso.

Lula em Curitiba: acompanhe a movimentação na cidade em tempo real

Na pastelaria Long Beach, na Rua Alfredo Bufren, o número de clientes mais que dobrou com relação a dias normais, segundo a funcionária Adriana Cho. “Como você pode ver pelas camisetas vermelhas, todo mundo que está aqui agora é integrante do protesto”, observa.

Perto das 14h, os manifestantes aproveitavam para assistir à televisão do estabelecimento, que transmitia noticiário sobre o depoimento de Lula. “Claro que é ótimo o aumento de clientes, mas por outro lado eles estão fazendo uma gritaria”, conta Adriana, com gritos de “vai, Lula!” ao fundo.De acordo com a funcionária, no começo da manhã os pedidos eram principalmente por cafés e salgados. Mas, na hora do almoço, lanches mais pesados foram solicitados, e muitos manifestantes não abriram mão de uma cerveja.

Com buffet livre a R$21,90, a churrascaria Ponto Gira registrou movimento cerca de três vezes maior do que o normal para o almoço desta quarta. “Normalmente quando tem manifestação aqui na frente o número de clientes diminui. Dessa vez aumentou, e muito”, explica o funcionário Giovani Perondi.

Também na rua Alfredo Bufren, o restaurante Ponto Setti, com buffet livre a R$14,90, tinha fila formada para fora do estabelecimento no início da tarde desta quarta. “Estou controlando a entrada, só entra gente quando libera mesa”, explica a proprietária Ingrid Michele.

Colaborou: Cecília Tümler

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]