Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Policial mostra jiboia apreendida durante operação
Entre as cobras apreendidas estava uma joboia| Foto: Atila Alberti/ Tribuna do Paraná

Cinco cobras mantidas irregularmente em cativeiro foram apreendidas pela Polícia Civil nesta quinta-feira (8) em Contenda, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Entre os répteis estava uma jiboia de pouco mais de 1 metro e outras quatro serpentes da espécie corn snake (cobra do milho), típica dos Estados Unidos e que pode ter sido importada de maneira ilegal pelo criador, que foi preso.

A Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA) chegou aos animais após denúncia e localizou, além das cobras, uma arara, dois jabutis e cinco pássaros silvestres. De acordo com o delegado Matheus Laiola, todos eram criados de forma ilegal e em condições insalubres, em espaços pequenos e não adequados. "As cobras estavam em caixas, os chamados viveiros. São animais que não ficam rastejando pela casa", explicou.

Ainda conforme Laiola, o homem matinha os bichos por "estimação" e não para o comércio. Com a apreensão, os animais foram encaminhados ao Centro de Apoio à Fauna Silvestre de Curitiba, que vai definir o destino final das espécies. As investigações do caso continuam para apurar a origem dos animais, em especial das corn snakes.

Além de jiboia, polícia apreendeu cobras de espécie típica dos EUA, a cobra do milho. Foto: Átila Alberti/ Gazeta do Povo
Além de jiboia, polícia apreendeu cobras de espécie típica dos EUA, a cobra do milho. Foto: Átila Alberti/ Gazeta do Povo

Em outras duas operações feitas ainda na quinta-feira, a DPMA também prendeu outras duas pessoas por crime ambiental. Em Curitiba, denúncias levaram a equipe a um homem que mantinha um tucano em cativeiro em uma casa no bairro Cajuru.

Em Araucária, na RMC, a polícia flagrou um vendedor comercializando agrotóxico sem permissão. Segundo o delegado, o jovem vendia um produto altamente tóxico em porções fracionadas, o que, além de ilegal, era perigoso justamente pela toxicidade da substância.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]