221340

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Curitiba
  3. Com ou sem chuva, quedas de árvores preocupam curitibanos

Curitiba

Com ou sem chuva, quedas de árvores preocupam curitibanos

A queda de quatro árvores que compunham a paisagem viária de Curitiba em menos de uma semana reacendeu a preocupação dos moradores

  • Angieli Maros
Árvore que caiu nesta terça na Avenida Iguaçu, em Curitiba | Aniele Nascimento
Árvore que caiu nesta terça na Avenida Iguaçu, em Curitiba Aniele Nascimento
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A queda de quatro árvores que compunham a paisagem viária de Curitiba em menos de uma semana reacendeu a preocupação dos moradores quanto à necessidade de reforçar o monitoramento dessas plantas na capital. Nesta terça-feira (6), por volta das 9h30, um jacarandá de grande porte cedeu e atingiu três carros que estavam estacionados na Avenida Iguaçu. Por pouco, a árvore não caiu sobre um motorista que tentava parar o carro no local. Mas a situação, segundo que passa pela região todos os dias, já era anunciada.

Veja o cronograma das próximas vistorias nas árvores de Curitiba

“Essa árvore estava podre. E tem mais aí prestes a cair”, apontou a proprietária de uma loja próxima ao local do acidente, que preferiu não se identificar. Foi o quarto caso semelhante em Curitiba desde a última quinta-feira (1°.), quando uma árvore de mais de 20 metros caiu em meio à Praça Rui Barbosa, uma das praças mais movimentadas da cidade.

“Foi um barulho muito alto. Até achei que tinha sido batida”, comentou a porteira Tânia Lima, que trabalha em um prédio em frente ao local onde o jacarandá caiu na manhã de terça. O trecho fica no bairro Rebouças. Segundo a porteira, a chuva estava fraca no momento da queda, e não ventava. Por sorte, não havia pedestres circulando, embora um homem estivesse tentando manobrar o veículo para estacionar próximo ao ponto do acidente. Ninguém se feriu.

No entanto, de acordo com Tânia, não é de agora que quem circula pela região já não se sente mais tão seguro de deixar o por ali. “Até tinha um rapaz que estacionava sempre aqui, mas ele parou porque disse que a árvore estava meio danificada e não queria arriscar. Aí a gente fica pensando porque tem tanta árvore aí. Dá medo sim”, afirmou.

Também foi o receio que levou moradores de um condomínio na Rua Padre Agostinho, no Bigorrilho, a pedirem a retirada de uma árvore do local em fevereiro deste ano por meio de um pedido pelo telefone 156. De acordo com a própria prefeitura, uma equipe enviada ao local constatou que as condições fitossanitárias da árvore estavam conservadas e que, por isso, ela não foi retirada na época. Contudo, na sexta-feira passada (2), um caminhão enroscou nos galhos desta mesma árvore e ela, então, foi cortada.

“Essa mesma árvore, a agente estava vendo que ela iria cair a qualquer hora. Ela estava baixando, teve chuva e deve ter pesado mais ainda. Aí o caminhão bateu”, relatou a arquiteta Jane Maria Sant’Ana, de 57 anos, que mora no condomínio na Rua Padre Agostinho de onde saiu o pedido para a retirada da árvore. “A gente estava com medo de ela cair até em cima do ponto do ônibus”, conta.

Grandes demais

Apesar de a chuva, em grande parte das situações, estar presente, Flávio Zanette, engenheiro agrônomo e professor do departamento de Fitotecnia e Fitossanitarismo da Universidade Federal do Paraná, reafirma que a questão não tem relação apenas com o tempo. O especialista destaca a necessidade urgente do município assumir uma política de redução das copas das árvores.

De acordo com Zanette, o perigo está no excesso de árvores frondosas, que são inadequadas para o arruamento urbano. Além disso, boa parte destas árvores, plantadas na década de 1970, tiveram a estrutura comprometida pelas obras e por instalações subterrâneas que foram evoluindo pela cidade com o passar dos anos.

“As instalações tomam os lugares das raízes e, é claro, com uma copa enorme destas árvores é fácil de entender [as quedas recentes]. Definitivamente deve haver uma política de poda drástica, de renovação das copas das árvores da cidade das ruas. Nos parques, nos bosques tudo bem, mas nas ruas... Temos que rogar a São Pedro para não dar vento porque os estragos podem ser muito maiores”, avalia o professor.

Vistorias

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) defende que sabe onde ficam as árvores mais antigas e de grande porte espalhadas pela cidade e que, com isso, consegue fazer um monitoramento constante.

Além disso, a pasta informou que, em abril, iniciou trabalhos de vistoria, poda e limpeza de árvores em grandes avenidas e canteiros da cidade. A primeira etapa foi concluída no início de maio na Rua Capitão Leônidas Marques e na Avenida Nossa Senhora de Lourdes, no Uberaba. Agora, também passam por avaliação as árvores da Avenida Francisco dos Santos, também no Uberaba – onde o plantio de 220 árvores deve ser concluído nesta semana.

A intenção da prefeitura é de que, nos próximos quatro meses, as ações sejam feitas ainda em outras 16 grandes avenidas da cidade, incluindo a Avenida Iguaçu, onde houve a queda do jacarandá nesta terça.

Além das podas, as vistorias feitas podem indicar a necessidade de remoção de árvores em risco de queda, afirmou a secretaria, que orientam todas as vistorias das solicitações vindas da população via 156. “Elas são retiradas conforme a avaliação de risco fitossanitário, com avaliações técnicas específicas. As retiradas são substituídas gradativamente. As retiradas são substituídas gradativamente”, informou a prefeitura sobre as árvores em risco.

Veja o cronograma das próximas vistorias nas árvores de Curitiba

- Avenidas Nossa Senhora da Luz, Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco e Nossa Senhora da Penha

- Avenida Presidente Affonso Camargo (iniciada nesta semana)

- Avenida Presidente Washington Luiz

- Avenida Victor Ferreira do Amaral

- Avenida Presidente Kennedy

- Avenida Presidente Arthur da Silva Bernardes

- Avenida Iguaçu

- Avenida Getúlio Vargas (entre Avenida Marechal Floriano Peixoto até Rua Conselheiro Laurindo)

- Avenida Silva Jardim

- Avenida Cândido de Abreu

- Avenida Manoel Ribas

- Via Vêneto

- Avenida Fredolin Wolf

- Avenida Comendador Franco (Avenida das Torres)

- Avenida Mascarenhas de Morais

- Avenida Jornalista Aderbal Gaertner Stresser e Rua Osiris Del Corso

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>