Juvenal Quirino Ferreira entendia como poucos do “temperamento” das rotativas da Gazeta do Povo.
Juvenal Quirino Ferreira entendia como poucos do “temperamento” das rotativas da Gazeta do Povo.| Foto: Arquivo pessoal

Um ofício em que era menos importante saber a teórica de funcionamento do maquinário de impressão de jornais e mais importante conhecer os caprichos do gigantesco equipamento. Por ser especialista neste último aspecto, adquirido com décadas de vivência, atenção e memória, Juvenal Quirino Ferreira era um guru da impressão. Por 35 anos foi um dos capitães na tarefa de levar o jornalismo impresso à leitura dos paranaenses por meio da Gazeta do Povo. Juvenal faleceu no dia 27 de fevereiro, aos 73 anos, vítima de Covid-19.

Cadastre-se e receba as principais notícias do Paraná no telefone

As variantes para se chegar a uma boa impressão sem desperdício de papel eram muitas, e Juvenal entendia de todas. O estudo da textura da tinta, as condições climáticas de cada dia, as variações do papel, tudo influenciava no resultado final. Além disso, as máquinas, temperamentais, podiam decidir emperrar em uma madrugada da impressão da edição de domingo, por exemplo. Essa situação era mítica, pois o presidente do jornal, Francisco Cunha Pereira Filho, saía de casa para a sala das máquinas, na antiga sede da Praça Carlos Gomes, para acompanhar os impressores que, como MacGyver, faziam gambiarras para desvendar o mistério da vez e resolver o problema. E sempre resolviam.

Colocar no papel a edição maciça de domingo gerava uma maratona gráfica que começava intensa, já na quinta-feira. A recompensa após a extensa jornada, em meio à qual a equipe fazia breves descansos nas bobinas de papel, era o brinde em um bar na José Loureiro, recanto da boemia gráfica na época. De lá, Juvenal partia para casa portando chocolates para os filhos e uma Gazeta bíblica debaixo do braço. Sua página favorita era a coluna de Dino Almeida, além de procurar notícias de seu Ferroviário, depois Colorado, pelos quais chorava sentado no chão quando o time perdia.

O trabalho implicava em uma rotina de troca do dia pela noite que moldou o comportamento da família por décadas. Para os três filhos, o silêncio que garantia o sono do pai era regra durante o dia. A mãe fiscalizava. O regulamento se estendia à vizinhança, em grande parte composta pela família de imigrantes portugueses vindos da Ilha da Madeira. O próprio Juvenal desembarcou no Brasil ainda criança, no início dos anos 1950, com a mãe e os irmãos para encontrar o pai, já estabilizado no novo país e trabalhando na empresa Matte Leão.

A ausência nas noites de Natal e ano novo, por causa do horário de trabalho, era compensada nos almoços familiares de domingo, onde reinavam suas histórias e imitações. “No Natal ele não tinha descanso, chegava em casa e já temperava a carne para o churrasco. O amigo secreto em família também era ele quem organizava”, relembra o filho, Adriano Ferreira. As férias eram outro momento muito aguardado. Nesse dia, Juvenal rompia o protocolo e não ia dormir ao chegar do trabalho pela manhã. Embarcava os rebentos no carro previamente carregado pela esposa Alzira e partia direto para bons dias em Guaratuba.

A dedicação aos outros sempre foi característica sua, mas ganhou protagonismo após a aposentadoria, em meados dos anos 1990. Cuidou dos pais idosos de maneira tão devota e bondosa que inspirou outras pessoas, como um médico do hospital por onde o pai de Juvenal passou. Ao perceber o nível de carinho que aquele filho dispensava, decidiu buscar reconciliação com o próprio pai, com quem havia se desentendido no passado. O impressor levou o pai para visitar novamente a Ilha da Madeira e eternizou a memória dele e da mãe ao repassar às novas gerações da família as histórias que eles lhe contavam.

Juvenal deixa esposa, três filhos e seis netos.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]