Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Clarissa Grassi / Arquivo pessoal
| Foto: Clarissa Grassi / Arquivo pessoal

Morte é sinônimo de extinção. Decompõe-se a matéria, demolem-se túmulos, esvai-se a memória. Talvez a única ferramenta contra esse paulatino apagar de trajetórias conhecidas ou não seja a escrita: a dos documentos, dos jornais de época, das lápides. Cada uma à sua maneira registra anônimos e personalidades, estabelecidos ou outsiders. Foi a partir da escrita na pedra inaugural, que o dia 1.º de dezembro de 1854, foi marcado como data de abertura do Cemitério Municipal São Francisco de Paula, considerado como o cemitério mais antigo da capital.

Prestes a completar 161 anos de sua abertura, o Cemitério Municipal representa um resumo simbólico de Curitiba. Entre seus muros repousam políticos, empresários, artistas, músicos, intelectuais, poetas... Também estão aqueles que foram responsáveis por parte da escrita de nossa história. Do fundador do primeiro jornal de Curitiba, o Dezenove de Dezembro, comandado por Cândido Lopes, à atual Gazeta do Povo, liderada por Francisco Cunha Pereira Filho, jornalistas, historiadores, genealogistas e pesquisadores tão caros à preservação de nosso passado, descansam entre os muros gozando de um reconhecimento alcançado ainda em vida.

Há ainda, entre os cerca de 80 mil sepultados, os estigmatizados. Aqueles registrados sob a alcunha de escravos, indigentes, indígenas, expostos (crianças que eram abandonadas sem que sua paternidade fosse assumida) e alienados. De alguma forma subsistem nos livros de sepultamento, para lembrarmos que alguns estigmas também são carregados até a morte. Talvez tenha sido esse o motivo para que um cemitério inteiro fosse esquecido dos registros da história de Curitiba: o estigma da morte causada por uma doença infectocontagiosa, a varíola. Assim surgiu e se perdeu no século 19, o primeiro cemitério nos moldes extramuros da cidade, o Cemitério Sítio do Mato, mais conhecido como Cemitério dos Bexiguentos.

Era abril de 1818, quando em meio a uma epidemia de varíola, o capitão-mor decidiu proibir os sepultamentos das vítimas de “bexiga” na igreja matriz. A morte nessas condições era uma grande ameaça, talvez a única a coibir a prática do sepultamento no solo sagrado. Os ares contaminantes foram suficientes para que os mortos fossem expurgados para longe do quadro urbano, em um terreno meia légua a oeste do coração da cidade. Como se deu a escolha do local onde seria implantado o cemitério, seu funcionamento e até mesmo fechamento, são perguntas que os documentos infelizmente não respondem.

Efetivamente o que se tem de informações são os registros realizados pelo então vigário José Barboza de Brito, que fez a encomendação da alma de Brizida, 50 anos, aparentemente a primeira pessoa a ser sepultada no local, em 22 de abril de 1818. A ela seguiram-se as inumações de Francisca Bona, Joze Moreira e de tantos outros, inicialmente sempre sob a alcunha de “bexiguentos”. Outsiders como o sociólogo Norbert Elias nomina os discriminados e excluídos socialmente.

Nem todos os sepultamentos realizados no local foram identificados como de variolosos, o que faz crer que seu uso não tenha sido exclusivo às vítimas de doenças infectocontagiosas. O último assentamento onde consta o Cemitério Sitio do Mato data de 1866. Terá sido realmente o estigma da doença o responsável pelo seu total esquecimento e desaparecimento? Os questionamentos são muitos, o esquecimento um só. Diferente do Cemitério Municipal, rico em um discurso visual composto por um século e meio de construções e homenagens, o Cemitério Sitio do Mato subsiste e persiste em parcos registros, mantendo-se outsider.

Lista de falecimentos - 29/11/2015

Anathair Kluppel Santos Fonseca, 92 anos. Profissão: funcionário público estadual. Filiação: Amadeu Santos e Aracy Kluppel. Sepultamento ontem.

André Erickson Simões, 32 anos. Profissão: empresário. Filiação: Jerfferson Simões e Olga Regina Tieppo Simões. Sepultamento ontem.

Andréa Cristina da Maia, 44 anos. Profissão: vendedor(a). Filiação: Francisco da Maia. Sepultamento ontem.

Delair Lacerda, 73 anos. Profissão: diarista. Filiação: Egídio Maurício e Durvalina Maurício. Sepultamento ontem.

Izaias Flores Nogueira, 71 anos. Profissão: funcionário público municipal. Filiação: Paulo Nunes Nogueira e Alzira Flores Nogueira. Sepultamento ontem.

Jhon Erick Dubinski, 20 anos. Filiação: Renato Dubinski e Silvana de Araújo. Sepultamento ontem.

João Estefano Júnior, 73 anos. Filiação: João Estefano Alves e Natália Miranda Alves. Sepultamento ontem.

José Adair Soares Santana dos Santos, 41 anos. Filiação: Artidor Saores Santana dos Santos e Eva Soares da Rosa. Sepultamento ontem.

José Antônio de Freitas, 73 anos. Filiação: Flávio de Freitas e Donaide Ribeiro de Freitas. Sepultamento ontem.

Josefa Pereira de Sousa Barbosa, 66 anos. Profissão: do lar. Filiação: Domingos Pereira de Sousa e Maria de Sousa dos Anjos. Sepultamento ontem.

Luiz Antônio de Lima, 66 anos. Profissão: administrador(a). Filiação: Granville de Lima e Lourdes Thecla de Lima. Sepultamento ontem.

Maria Marques Barbosa, 67 anos. Profissão: do lar. Filiação: Antônio Marques e Luzia Zulli. Sepultamento ontem.

Nadir Correa da Silva, 73 anos. Profissão: do lar. Filiação: Jonas Lima Correa e Sebastiana Rodrigues de Lima. Sepultamento ontem.

Pompeia Maria de Deus dos Reis, 74 anos. Profissão: funcionário público estadual. Filiação: Celestino José de Oliveira e Raimunda de Deus Oliveira. Sepultamento hoje, Cemitério Memorial da Vida (São José dos Pinhais), saindo da Capela da Avm.

Sadi Antônio Spessatto, 63 anos. Profissão: comerciante. Filiação: Francisco Spessatto e Requilde Spessatto. Sepultamento ontem.

Walfrido Camargo, 90 anos. Filiação: Felício Carmelino de Camargo e Escolástica Mattozo de Camargo. Sepultamento ontem.

Wezio Medina Souza, 22 anos. Profissão: pedreiro. Filiação: Jardoivino Medina de Souza e Maria D Ajuda de Souza Medina. Sepultamento segunda-feira, 30 de novembro de 2015 às 15hh, em local a definir, saindo da Capela Municipal de Teixeira de Freitas-Ba.

Yana Heleno Arand, 16 dias. Filiação: Guilherme do Prado Arand e Cora Heleno Garcia. Sepultamento ontem.

Zanete Ana Davi, 75 anos. Profissão: empresário. Filiação: Augusto João Machetti e Rosalina Arienti Marchetti. Sepultamento no Cemitério Municipal da Cidade de Origem, saindo da Capela Municipal de Xaxim - Curitiba (PR).

Zenilda do Prado da Silva, 45 anos. Profissão: do lar. Filiação: Aparecido Pires do Prado e Maria Aparecida Batista do Prado. Sepultamento no Cemitério Parque Senhor do Bonfim (São José dos Pinhais), saindo de residência.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]