A Sanepar está fazendo estudos de aplicação da tecnologia de nanobolhas para melhorar a qualidade da água das lagoas do Passeio Público, em Curitiba.  –  Foto: André Thiago
Experimento com nanobolhas tenta limpar a água verde do Passeio Público.| Foto: Andre Thiago/Sanepar

O uso da tecnologia de nanobolhas pode ajudar a mudar a realidade da água verde e turva do lago do Passeio Público, o parque mais antigo (1886) e central de Curitiba. O estudo, realizado pela Sanepar em parceria com a prefeitura e a empresa Best Ambiental, responsável pelo desenvolvimento da tecnologia, lança mão da inovação para dar cara nova às águas do local.

As principais notícias do Paraná pelo WhatsApp

A experiência acontece dentro de um contêiner. A água da lagoa é captada, filtrada e recebe a aplicação de nanobolhas. A tecnologia permite a remoção de matéria orgânica, bactérias, fungos, vírus e algas. As bolhas não podem ser vistas a olho nu porque têm o tamanho de um milionésimo de milímetro.  O procedimento é considerado eficaz porque as nanobolhas concentram e estabilizam um alto volume de oxigênio no meio líquido por vários dias.

A Sanepar está fazendo estudos de aplicação da tecnologia de nanobolhas para melhorar a qualidade da água das lagoas do Passeio Público, em Curitiba.  –  Foto: André Thiago
Teste com nanobolhas deve levar quatro meses.| Andre Thiago/Sanepar

De acordo com as informações da Sanepar, a experiência vai durar quatro meses e depois disso, comprovado o sucesso da operação, a companhia deverá testá-lo também nos sistemas de tratamento de esgoto.

O lago do Passeio Público de Curitiba foi concretado na década de 70 e após a canalização do Rio Belém na rua Ivo Leão, passou a ser alimentado por água de poços artesianos.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]