absorventes
Ideia é que custo dos absorventes esteja incluído no orçamento das escolas municipais de Curitiba.| Foto: Tribuna do Paraná

Depois de Nova York e Rio de Janeiro, Curitiba pode adotar nos próximos meses a obrigatoriedade de escolas municipais doarem absorventes higiênicos para suas alunas. A ideia é evitar que meninas de baixa renda em idade escolar fiquem em casa ou usem tampões, que ao longo do tempo podem ocasionar problemas de saúde.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

O projeto está em tramitação na Câmara de Vereadores de Curitiba e foi proposto pelo vereador Rogério Campos (PSC). No dia 16 de dezembro, o Campo apresentou a proposta que está em análise da Procuradoria Jurídica da Câmara. “A menstruação costuma ser irregular, chegando em períodos em que elas não trazem absorventes para a escola. E quando essas situações ocorrem, são os professores que socorrem as estudantes, doando o produto. Ocorre que isto não é obrigação de um professor e não é sempre ou nem são todos os professores que têm absorventes disponíveis para dar”, relatou o vereador ao site da Câmara de Vereadores de Curitiba.

Quanto isso vai custar?

Segundo o vereador, o custo da doação dos absorventes devem fazer parte do orçamento das escolas, conforme já ocorre com papel higiênico. Trata-se de um produto de primeira necessidade. “Muitas alunas abandonam as escolas quando começa o período menstrual. Chegam a faltar, em média, cinco dias por mês nesse período. Isso significa 45 dias de aula por ano, com consequências para o processo educacional e de socialização”, explicou Rogério Campos.

Caso o projeto de lei venha a ser aprovado pela Procuradoria Jurídica da Câmara de Vereadores, segue para as comissões do Legislativo. Após novos estudos, o texto segue para o plenário, e se aprovado, o prefeito precisa sancionar para virar lei.

Riscos para a saúde

O uso do mesmo absorvente pode causar risco para a saúdeSegundo especialistas, tanto o absorvente interno quanto o externo devem ser trocados a cada quatro horas, independentemente do fluxo da mulher. A reposição é importante para que o sangue do ciclo menstrual não fique estagnado e abra portas para infecções. Confira o que pode acontecer nesses casos:

  • Infecções – por causa do acúmulo de sangue na região íntima e o problema ocorre tanto com o absorvente interno, quanto com o externo.
  • Síndrome do Choque Tóxico (SCT) – Em casos extremos, de uso por mais de um dia do mesmo absorvente, pode aumentar o risco de a mulher contrair a Síndrome do Choque Tóxico (SCT), uma infecção causada por bactéria que existe normalmente no corpo da mulher, mas que, em intensa proliferação, produz toxinas em excesso, gerando a complicação.
  • Ferimentos – Pode provocar ressecamento e feridas na parede interna da vagina, além de micro ulcerações e descamação da região íntima.
  • Mau cheiro – O sangue da menstruação em si não tem odor ruim, mas começa a ser incômodo quando interage com as bactérias do corpo.
7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]