Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Pixabay/
| Foto: Pixabay/

Calcula-se que mais de 50 milhões de furadeiras circulem pelos Estados Unidos. Mas, segundo o livro O que é meu é seu: como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo, cada pessoa não usa mais do que 13 minutos de toda a vida útil do aparelho. Os dados trazem à luz um problema comum da pós-modernidade: o consumo desenfreado. A boa notícia é que, na contramão desse cenário, têm surgido várias iniciativas em prol de aquisições mais sustentáveis. A troca de produtos pela internet é uma delas.

O prazer de se livrar de algo que você não usa mais e ainda ter novidade no armário é um dos benefícios do chamado escambo virtual. Há páginas que auxiliam na troca de livros, roupas, jogos de videogame e até hospedagem.

Velhos baús de roupas paradas, livros cheios de poeira e – por que não? – furadeiras encostadas na sua casa podem estar com os dias contados. Basta você se abrir para o desapego, escolher um bom site de trocas e partir para as negociações.

Roupa nova

O excesso de consumo abarrota armários com roupas que nunca serão usadas. Em meio a tantas peças antigas tem gente que até se perde, sem saber o que vestir. Mas o que não te serve mais pode deixar outra pessoa contente. E é aí que entra o escambo. Grupos no Facebook, como o Bazar de Trocas da revista Estilo , reúnem gente do Brasil inteiro para trocar peças e ainda fazer amizades.

Trocando experiências

Já pensou poder se hospedar em qualquer lugar do mundo e oferecer uma estadia em sua casa como pagamento? Alguns sites confiáveis oferecem essa possibilidade.


O Guesttoguest aproxima pessoas com afinidades similares e, por meio de um cadastro, o usuário pode contatar anfitriões em todo o planeta. A página funciona sob um sistema de pontuação. Você consegue trocar os pontos que ganha hospedando alguém por uma estadia legal.

Outro site nos mesmos moldes é o Global Free Loaders . A página orienta que, antes de se cadastrar, o usuário esteja em condições de receber hóspedes dentro dos próximos seis meses para facilitar o sistema de trocas. Um dos intuitos do projeto é também promover a integração de pessoas de diferentes culturas em vários países.

Biblioteca renovada

Apaixonados por livros têm espaço garantido no movimento do troca-troca. Há sites nacionais e internacionais que, além de plataformas de escambo, são verdadeiras comunidades culturais.

Ao se inscrever no Bookmooch , o usuário pode cadastrar os livros que quer trocar e ter acesso a pedidos diversos. Conforme entrega seus exemplares, ele adquire pontos que o permite receber livros de outras pessoas.

O Livralivro é parecido com o Bookmooch. A cada título que você entrega, ganha um ponto. Esse ponto te dará o direito de retirar um exemplar que alguém esteja disponibilizando. Caso você queira uma obra que não esteja disponível, basta marcá-la como procurada. Assim, você receberá um e-mail quando alguma aparecer. As três primeiras trocas podem ser feitas gratuitamente. Depois disso, o site cobra valores a partir de R$1.99.

Já o Bookcrossing funciona de um jeito bem inusitado. Também seguindo o conceito de consumo colaborativo, a página tem um espaço para que você cadastre livros que não usa, insira um código nos exemplares e deixe em lugares abertos, como cafés, bibliotecas, lojas e restaurantes. Quem encontra o título e resolve levá-lo para casa, pode entrar no site com o código que você inseriu e fazer comentários bacanas sobre o presente encontrado.

Escambo em jogo

Fãs de videogames podem economizar bastante e ainda fazer amigos no Troca Jogo Network . A página é uma rede social brasileira de apaixonados por games e, além de unir esse pessoal, sugere entre os integrantes a troca de jogos dos consoles PS3, Xbox 360 e Wii. O site oferece a primeira troca grátis a novos membros. Depois disso, é preciso se tornar assinante para negociar.

Um pouco de tudo

Relógios, celulares, livros, pranchas de surf e até carros podem ser trocados no Descolaí , módulo de trocas focado em negociações que fujam aos excessos do consumo exagerado. É possível também adquirir e oferecer serviços, como um conserto ou uma construção, além de realizar vendas.

Outro site de trocas bem conhecido é o 1001 trocas . Com mais de 20 categorias de itens e oportunidades de negócios em vários estados brasileiros, o espaço é aberto para quem quer propor trocas de produtos e serviços.

Manual da boa troca

1. A cordialidade é o melhor cartão de visita do bom negociador. Se você não gosta do item que alguém te oferece, recuse, mas com gentileza.

2. Converse bastante com quem te apresenta algum produto. Se achar necessário, questione, educadamente, as razões da troca.

3. Pesquise sobre a pessoa que negocia com você. Há sites que mostram a reputação de cada usuário.

4. Procurar referências sobre um site de troca antes de utilizá-lo é muito importante. Helena Castello Branco, do BookCrossing orienta que o usuário converse com os amigos e pesquise bastante na internet antes de utilizar um serviço.

5. Embora alguns sites trabalhem com sistemas de créditos para trocas, alguns produtos podem ser extraviados e não chegar. Por isso, Helena aconselha que se busque páginas que facilitam a comunicação entre os negociadores. A boa conversa é sempre bem-vinda.

6. Se for buscar o produto pessoalmente, marque o encontro em um lugar público e anote o telefone do trocador para evitar desencontros. Quando estiver com o item em mãos, confira se está tudo em ordem.

7. Analise também o que você vai trocar. Não queira tirar vantagem dos outros. Seja honesto.

8. Guarde todas as conversas referentes às negociações para solucionar qualquer equívoco que possa aparecer.

Serviço
O que é meu é seu: como o consumo colaborativo vai mudar o nosso mundo

Rachel Botsman e Roo Rogers

Editora Bookman

2001

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]