Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Steve Ballmer, no lançamento dos aparelhos que chegam às lojas europeias na quinta-feira: quatro fabricantes aderiram | Emmanuel Dunand/AFP
Steve Ballmer, no lançamento dos aparelhos que chegam às lojas europeias na quinta-feira: quatro fabricantes aderiram| Foto: Emmanuel Dunand/AFP

Aparelhos completinhos: GPS, wi-fi, acelerômetro...

Não há nenhuma carroça entre os aparelhos apresentados na se­­mana passada por Steve Ball­mer. Mesmo que rodassem qualquer outro sistema operacional, eles estariam entre os top do mercado pela configuração. A Mi­­cro­soft estabeleceu um controle mais estrito sobre o hardware (em troca, provavelmente, da pos­­sibilidade de fabricantes e operadores usarem a marca Windows Phone para seus aparelhos) e estabeleceu o que parece ser um requisito mínimo de configuração: processador de 1 gigahertz e tela de 800 x 400 pi­­xels – pouca coisa inferior ao mo­­nitor das tevês de tubo, que é de 720 x 480 pixels. Acelerôme­tro, wi-fi, bluetooth e GPS também estarão em todos os dispositivos.

Um dos aparelhos mais interessantes dessa fornada é o HTC Surround, que inclui um pequeno alto-falante deslizável, que se coloca acima da telinha. Um apoio dobrável permite que o aparelho fique em pé, como um pequeno aparelho de tevê com tela wide – uma espécie de ci­­neminha de bolso. A princípio, será lançado apenas no mercado dos EUA.

Já o LG Quantum vem com um teclado bem amplo, escondido por trás da tela. Vem com câmera de 5 megapixels, aplicativo de realidade aumentada e software de reconhecimento de voz. Este último é um "adendo" da LG ao WP7, e permite transformar recados de voz em posts escritos para Facebook ou Twitter. O Optimus 7 é outro aparelho da LG, com configurações semelhantes. Já o Dell Venue Pro tem tela de led com 4,1 polegadas e teclado num slide vertical.

  • Surround: alto-falante embutido
  • LG Quantum: reconhecimento de voz
  • Veja algumas das funcionalidades que aparecem no Windows Phone 7

Conhecido ele já era: a Microsoft vinha revelando em "pílulas" o que haveria de novo Win­­dows Phone 7, sistema operacional para smartphones, desde fevereiro. Na semana passada ele foi revelado por inteiro, assim como os primeiros modelos a incluí-lo e a agenda de lançamento – na quinta-feira o WP7 de­­sem­­barca na Ásia e na Europa Ocidental, e em 8 de no­­vembro estreia no mercado americano. Seus principais atrativos? Uma plataforma capaz de seduzir usuários que querem integração com outros dispositivos e a possibilidade de (finalmente) concorrer de igual para igual com o Apple iPhone.

De cara, nove aparelhos terão o novo Windows de mão instalado. O portfolio (um aparelho da Dell, dois da LG, dois da Samsung e quatro da taiwanesa HTC, a marca que mais apostou no sistema da MS desde a versão anterior, a 6.5) foi apresentado pelo presidente da Microsoft, Steve Ballmer, na se­­gunda-feira passada. Por enquanto, não há previsão de lançamento de nenhum deles no Brasil.

O sistema operacional para portáteis ganhou uma aparência mais pop. Em gerações anteriores, a companhia apostou em designs que lembravam o Windows para desktops – talvez para passar aos usuários a mesma confiabilidade de que a marca já desfrutava em outros ambientes. Nesse meio-tempo, concorrentes como a Ap­­ple e o Google trouxeram para os smart­­phones aplicações mais ligadas ao entretenimento, colocaram nas telas de abertura widgets personalizáveis e transformaram os aparelhos em ponto de partida para relacionar-se com as redes sociais. Com essa avalanche de novidades, o velho Windows ficou tão bem colocado quanto um boneco de neve estaria em uma praia carioca – e a sua participação no mercado começou a derreter.

A "porta de entrada" do WP7 é uma tela que inclui ícones que levam aos hubs de atividades, divididas em áreas como "pessoas", "música e vídeo", "fotos", "games" e "Office" (além de "mensagens" e "telefone", aplicações ultrapassadas que os usuários teimam em usar de vez em quando). A área de pessoas, por exemplo, inclui os contatos de telefone, e-mail e as redes sociais, com destaque para os onipresentes Twitter e Face­book. Novas aplicações poderão ser baixadas a partir do Market­place, um outro hub.

A integração com a rede Xbox Live é outra novidade, e vem chamando a atenção dos aficcionados por games. Essa integração vai permitir, por exemplo, que a pontuação obtida pelo usuário em joguinhos para celular seja incluída no escore da rede. E a empresa aposta na criação de bons títulos feitos especialmente para a plataforma móvel – coisa que vem ocorrendo no caso do iPhone. A Electronic Arts foi uma das primeiras produtoras de jogos a anunciar o de­­senvolvimento para essa plataforma, e confirmou versões WP7 de Need dor Speed e The Sims 3. Uma lista de ga­­mes que virão por aí inclui Flowerz, Guitar Hero 5 e Fast & Furious 7.

A força maior do WP7, en­­tretanto, deve vir do escritório. Os aparelhos ro­­dam com facilidade e eficiência ar­­quivos do Office, tan­­to para exibição quanto para edição. Há ainda sincronização com os serviços Micro­­soft na nu­­vem e o suporte ao Outlook, o que deve fazer do Windows Phone 7 uma opção impor­tan­­te para executivos.

No Brasil, o sucesso da pla­­taforma vai depender do fator de sempre: o preço. Até agora não foram divulgadas estimativas de quanto custarão os aparelhos quando forem lançados por aqui. Dadas as características dos aparelhos – todos com processadores rápidos, como o Qualcomm Snapdra­gon de 1 gigahertz –, eles devem chegar com preços semelhantes aos do iPhone 4. Ou seja: os smartphones mais baratinhos da Nokia e concorrentes rodando Android devem continuar dominando o mercado nacional.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]